Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder trabalhista britânico Jeremy Corbyn durante entrevista à BBC em Londres. 15/01/2017 Jeff Overs/BBC/Handout via REUTERS

(reuters_tickers)

Por William James

LONDRES (Reuters) - Os britânicos começaram a votar nesta quinta-feira em eleições parlamentares realizadas em duas áreas vistas há tempos como bastiões do opositor Partido Trabalhista e que podem colocar em questão se o líder de esquerda Jeremy Corbyn ainda conta com o apoio de sua base na classe trabalhadora.

Apostadores estão prevendo disputas acirradas na antiga cidade industrial de Stoke-on-Trent, no centro da Inglaterra, onde os trabalhistas podem ser derrotados pelo Partido da Independência do Reino Unido, favorável à desfiliação britânica da União Europeia, o chamado Brexit, e em Copeland, região do noroeste onde os conservadores da primeira-ministra, Theresa May, podem obter uma vitória histórica.

As eleições devem mostrar como o referendo de separação da UE do ano passado redesenhou o mapa político britânico, lançando trabalhadores braçais desiludidos de regiões mais pobres do país contra um establishment metropolitano amplamente pró-UE.

Até agora o Partido Trabalhista foi a maior vítima do apetite por mudança na política, ficando no meio termo entre a voz tradicional da classe trabalhadora e o partido preferido de muitos eleitores cosmopolitas liberais após o Brexit.

Os resultados das eleições desta quinta-feira, esperados para a sexta-feira, irão revelar a dimensão do estrago.

Embora a posição de Corbyn não deva voltar a ser questionada, uma derrota em qualquer dos locais poderia incitar novos tumultos no segundo maior partido britânico, erodindo ainda mais a autoridade de seu líder e enfraquecendo a luta dos trabalhistas no Parlamento para amenizar os planos de May para um "Brexit duro" – um rompimento total com a UE.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters