Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Tomás Sarmiento
TEGUCIGALPA (Reuters) - O presidente hondurenho deposto, Manuel Zelaya, disse que os Estados Unidos estão criando um "grave precedente" para a democracia na América ao apoiarem as eleições de domingo em Honduras e não sua luta para ser restituído ao poder.
Depois do golpe de Estado de 28 de junho na nação da América Central, os Estados Unidos apoiaram energicamente Zelaya e exigiram sua restituição. Mas nos últimos meses, o país suavizou sua posição e disse que apoiará as eleições, mesmo se o mandatário não voltar ao poder antes.
"A posição dos Estados Unidos (...) dividiu a América e está criando um grave precedente para o sistema democrático interamericano", disse Zelaya à Reuters em uma entrevista por telefone desde a embaixada brasileira em Tegucigalpa, onde está abrigado desde 21 de setembro.
"Essa é a mensagem que estou recebendo. Estão mudando o sistema, já não querem democracias como resposta aos problemas políticos das nações, é a volta do militarismo", acrescentou o presidente deposto.
Zelaya, que foi expulso do país por militares sob acusação de tentar violar a Constituição para se reeleger, disse que as eleições gerais de 29 de novembro são ilegais.
Outros países da região, como Panamá e Colômbia, enviaram de volta a Honduras seus embaixadores, levantando parcialmente o isolamento internacional ao governo de facto liderado por Roberto Micheletti.
O governo de facto convocou 5.000 reservistas das Forças Armadas para garantir a realização das eleições e proibiu o porte de armas, argumentando a existência de grupos que tentariam desestabilizar o pleito.
(Reportagem adicional de Mica Rosenberg)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters