Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Ricos já pagam o bastante em impostos

Para Gerold Bührer, sistema fiscal suíço é baseado na solidariedade.

(Keystone)

A Federação de Empresas Suíças considera o sistema fiscal do país como justo: ricos e empresas colaborariam com 60% da receita do Estado.

O restante da população, 80% dos habitantes, cobrem apenas um terço. Os números foram publicados ontem através de um estudo realizado pela economiesuisse.

O sistema fiscal é um dos temas mais importantes nas campanhas para as eleições parlamentares de outubro. Neste debate, existe um grande fosso dividindo duas diferentes correntes políticas: os liberais e os sociais-democratas, juntos com os sindicatos. Se o primeiro defende impostos simplificados, os outros lutam pela melhor distribuição da carga tributária, com os ricos contribuindo mais para o bolo geral e os grupos de baixa renda recebendo apoio fiscal.

Para atiçar ainda mais o debate, alguns cantões foram recentemente criticados por oferecer incentivos fiscais para grandes empresas e estrangeiros ricos. Em junho, o Tribunal Federal da Suíça vetou o sistema de imposto degressivo de alguns deles, no qual a alíquota é reduzida quanto maior for o rendimento do contribuinte, por considerar inconstitucional.

A política liberal de alguns cantões provocou uma disputa entre a União Européia e a Suíça. O principal argumento contra o sistema helvético é a diferenciação de tratamento para as holdings estrangeiras das empresas nacionais, o que muitos políticos europeus consideram como uma concorrência desleal no continente.

Argumentos através de pesquisa

Para contrapor as críticas da UE e da esquerda helvética, a Federação de Empresas Suíças resolveu apresentar números.

"Dissimulá-los não serve nem para a economia, nem para a população", declarou Gerhold Bührer, presidente da organização que é o principal "think-thank" patronal do país dos Alpes. Também conhecida pela sigla de "economiesuisse", seu interesse é participar de um debate que já dura há anos na Suíça: até que ponto o sistema fiscal do país, com seus inúmeros incentivos para empresas e pessoas com altos rendimentos, pode ser considerado justo?

A pesquisa foi realizada por especialistas da economiesuisse para descobrir quem financia as despesas do Estado, dos cantões, das comunas e também o sistema previdenciário. De acordo com seus números, as empresas colaboram com 22% das rendas públicas e as 250 mil pessoas com os maiores rendimentos, com 35%. As pequenas e médias empresas participam com 31% das despesas públicas. "O Estado é financiado em grande parte por uma minoria", reforçou Bührer.

Para o presidente da economiesuisse e também deputado federal do Partido Liberal, "o sistema fiscal suíço prova, dessa forma, ser absolutamente solidário". Na sua opinião, a crítica feita pelos partidos de esquerda e sindicatos de que na Suíça apenas os menos privilegiados pagam impostos, enquanto os ricos e grandes empresas seriam beneficiados por todo o tipo de incentivos fiscais, não é fundamentada.

"A Suíça deve manter sua política de incentivos fiscais para continuar a ser concorrente com outros países", defendeu Bührer. Ele também conclamou o governo federal a aprovar o mais rápido possível a reforma do imposto sobre mercadoria para as pequenas e médias empresas. "Empresas que lucram e pessoas que ganham altos salários terminam beneficiando toda a comunidade. Um sistema de impostos atrativo é o que permite uma melhor distribuição de renda e solidariedade".

Críticas

Para Thomas Daum, presidente da Associação Patronal Suíça, as empresas helvéticas já pagam o suficiente em termos de contribuições para a previdência social. Aumentos de impostos só contribuiria para minar a reputação da Suíça como local de investimento, na sua opinião.

Por outro lado, Gebhard Kirchgässner, professor da Universidade de St. Gallen e a especialista em questões fiscais, considera o ponto de vista dos empresários pouco realista. Ele vê uma forte "distorção" no sistema fiscal, sobretudo entre as camadas de baixa e alta renda da população.

"O estudo da economiesuisse não é tão informativo como eles o estão vendendo. Eu vejo muito problemas sérios com os cálculos que eles fizeram", declara.

"Não levar em conta a taxa sobre ganho de capital e poupança ao calcular o orçamento público dá uma imagem distorcida de quanto às pessoas mais ricas estão verdadeiramente contribuindo para o imposto sobre a circulação de mercadoria. A divisão do bolo geral para os ricos em relação aos seus rendimentos está sendo, dessa forma, superestimado ao não levar em conta os ganhos de capital".

Kirchgässner também mostra que a economiesuisse calculou a contribuição das empresas e altos rendimentos para as receitas públicas sem levar em conta que os impostos pagos pelas empresas é feito atualmente apenas pelos acionistas, consumidores e empregados.

Para os sociais-democratas, a organização patronal está tentando cobrir a desigualdade social na Suíça através do seu relatório.

"A realidade é que as diferenças entre ricos e pobres na sociedade helvética estão aumentando cada vez mais. A verdadeira mensagem dessa pesquisa está escondida: a economiesuisse quer acabar com a solidariedade", declarou o partido através de um comunicado público.

swissinfo, Matthew Allen e agências

Breves

Contribuintes na Suíça pagam impostos em nível federal, cantonal e comunal sobre os rendimentos. Como cada cantão tem suas próprias alíquotas fiscais, os níveis de impostos podem variar segundo a residência do contribuinte.

Uma taxa separada sobre as fortunas existe apenas em nível cantonal. Recolhida anualmente, ela pode variar. A média é de 1.5%.

Em 1. de janeiro de 2001, os cantões foram obrigados a alinhar as alíquotas de impostos sobre fortuna com a Lei federal de harmonização de impostos. Esta criar regras para o que é considerado renda e estandardiza deduções e incentivos fiscais. Por outro lado ela procura não afetar a soberania dos cantões de definir suas próprias alíquotas fiscais.

Em dezembro de 2005, 86% dos cidadãos do cantão de Obwalden votaram a favor de um sistema de imposto degressivo. Este entrou em vigor no início de janeiro de 2006, mas terminou sendo vetado pelo Tribunal Federal da Suíça em junho de 2007.

Aqui termina o infobox


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×