Navigation

Saúde e previdência na Suíça

A Suíça tem uma alta densidade de médicos por habitante. Keystone

Qualquer pessoa que viva na Suíça é obrigada a ter um seguro de saúde e contra acidentes. A população ativa também contribui de forma compulsória ao sistema previdenciário helvético.

Este conteúdo foi publicado em 25. março 2003 - 12:12

Em colaboração com diversos órgãos do governo helvético e de ONGs suíças, apresentamos aqui um guia completo sobre o sistema de saúde e de seguro social da Suíça.

Saúde na Suíça é um assunto sério. O sistema já passou por diversas reformas, mas é considerado um dos melhores da Europa apesar dos custos exorbitantes e aumentos constantes dos prêmios do seguro obrigatório. Todos os anos partidos políticos debatem formas de reduzir as taxas sem encontrar uma solução. De fato, os preços acompanham o envelhecimento da população e desenvolvimento da tecnologia.

Por lei, todo suíço deve ter um seguro obrigatório, contratado a uma seguradora privada. Outros seguros privados existem como complementação e oferecem apenas aquilo que não é coberto pelo seguro-obrigatório: quartos individuais, contato com o médico-chefe ou assistência odontológica, por exemplo.

Previdência

A Suíça financia o seguro de saúde através das taxas cobradas por pessoa através do prêmio mensal e um sistema de franquia, sendo que estas independem do nível salarial do assegurado. Crianças e jovens em formação escolar pagam mensalidades menores.

Também o sistema de aposentadoria helvético é considerado um dos melhores do mundo. Na Alemanha, onde o rombo nos caixas da previdência não pára de crescer, especialistas discutem até se não seria uma boa idéia copiá-lo.

Na Suíça o trabalhador não conta apenas com uma fonte, mas sim duas: a primeira, mais conhecida como 1° pilar, é o seguro básico para todas as pessoas que residam ou trabalham na Suíça. Ela é baixa, mas garante que ninguém deixe de ter renda no momento de atingir a idade de abandonar o batente.

A segunda base é a previdência profissional, o chamado 2o pilar, que segura todos os empregados a partir dos 25 anos de idade e cujo salário anual atinja o limite mínimo de CHF 19.350. Ela complementa a renda e garante o conforto atual do aposentado helvético. O 3° pilar é a poupança pessoal, onde a pessoa pode investir dinheiro com isenção de impostos.

O guia que apresentamos aqui é originário de brochuras preparadas por diversos órgãos públicos e ONGs. A swissinfo agradece especialmente a colaboração do Depto. Federal de Saúde, Depto. Federal de Seguro Social, Depto. Federal de Imigração, Cruz Vermelha Suíça, Caritas e Comissão Suíça de Estrangeiros.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?