Três quartos dos novos médicos são estrangeiros

Quase três quartos dos novos médicos na Suíça em 2019 se formaram no exterior, revelou o jornal NZZ am Sonntag. Os números mostram o quanto o sistema de saúde suíço depende de médicos estrangeiros, diz a reportagem.

Médicos em suas rondas no hospital Triemli, em Zurique © Keystone / Gaetan Bally

Cerca de 4 mil pessoas receberam a benção das autoridades suíças para praticar medicina no ano passado, disse o jornal, citando estatísticas publicadas recentemente pelo Ministério da Saúde. Quase três quartos deles - cerca de 2.900 - tinham se formado no exterior e receberam o reconhecimento oficial de suas qualificações.

O número de médicos estrangeiros tem aumentado na Suíça na última década, principalmente devido ao acordo de livre circulação de pessoas entre a União Europeia e a Suíça, disse o jornal.

A maioria dos médicos estrangeiros veio dos países vizinhos Alemanha (1.208), Itália (352) e França (258).  Havia um número significativo de médicos do leste europeu. "O número de médicos romenos aumentou dez vezes na última década, chegando a quase 150 no ano passado", disse o NZZ am Sonntag.

Dependência

O Ministério da Saúde disse ao jornal que a situação "não era a ideal". Mas a Federação Médica Suíça foi mais longe. "Há muito tempo que dizemos que cada país precisa formar médicos suficientes. O fato da Suíça ter negligenciado isso nos últimos 20 anos é agora evidente", disse uma porta-voz.

Ela acrescentou que ia ficar mais difícil recrutar pessoal médico qualificado suficiente, porque os vizinhos da Suíça também tinham falta de médicos e suas condições de trabalho - muitas vezes citadas como motivo para os médicos se mudarem para a Suíça - estavam melhorando.

A Conferência Suíça dos Secretários Estaduais de Saúde seguiu a mesma linha. "A dependência de países estrangeiros torna o sistema vulnerável, especialmente em tempos de crise", disse um porta-voz.

Incentivar a formação

Atualmente, dos quase 38 mil médicos que trabalham na Suíça, cerca de um terço deles são formados no exterior.

Em 2016, o governo anunciou medidas extras, incluindo CHF100 milhões (US$ 104 milhões) para cursos extras de medicina, para garantir que houvesse médicos suficientes formados na Suíça. O objetivo era formar 1.300 médicos no país por ano, a partir de 2025. No ano passado, havia cerca de 1.100, contra cerca de 1.000 em 2018.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo