Navigation

Serviços de segurança destacam as principais ameaças à Suíça

Ativista de esquerda bate papo com a polícia em uma manifestação em Berna chamada "Smash States and Nations" (Destrua Estados e Nações) no Dia Nacional Suíço, 1º de agosto, do ano passado. Keystone / Marcel Bieri

Pandemias, rivalidades entre potências globais, ciberataques, terrorismo jihadista e violência entre extremistas de esquerda e de direita estão entre as principais ameaças à segurança suíça, informou o Serviço Federal de Inteligência (FIS) em seu último relatório de conjuntura.

Este conteúdo foi publicado em 10. junho 2021 - 15:23
swissinfo.ch/ts

"A Covid-19 terá um impacto duradouro em nossa política de segurança. Uma descoberta chave da pandemia é que precisa haver um fornecimento de bens e serviços críticos e essenciais resistente a crises", escreveu a ministra da Defesa Viola Amherd na introdução ao relatório Switzerland’s Security 2021Link externo (Segurança da Suíça 2021), publicado na quinta-feira.

"Olhando além da Covid-19, devemos estar preparados para novas pandemias graves no futuro - assim como desastres naturais, que estão aumentando em freqüência e severidade", observou ela.

Para este fim, a capacidade do FIS de antecipar, identificar e avaliar ameaças e desenvolvimentos que são de importância estratégica para a Suíça foram cruciais para tomar medidas preventivas.

"Como a situação de segurança internacional se tornou mais imprevisível, precisamos prestar maior atenção à política de segurança e a todo o espectro de ameaças e perigos. Devemos nos adaptar cada vez mais a um ambiente que se tornou mais desagradável", disse Amherd.

Rivalidade entre as superpotências

Estas ameaças e perigos assumem diversas formas, sendo que a segurança da Suíça continua a ser moldada pela crescente rivalidade entre os EUA, China, Rússia e a União Européia.

O governo chinês, por exemplo, "continuará a seguir seu plano estratégico para se tornar a potência global mais forte até meados do século. [...] Em vez de buscar a integração através da adoção de normas e regras internacionais, o Partido Comunista está apresentando cada vez mais o modelo de governo chinês como uma alternativa à democracia liberal".

Quanto à Rússia, seu "foco no desenvolvimento interno do sistema putinesco não restringirá seu espaço de manobra em termos de política externa e de segurança. A Rússia está empregando com sucesso seus limitados recursos no exterior, a um custo relativamente baixo, a fim de consolidar sua própria esfera de influência".

No plano interno, o FIS observou que o potencial de violência persiste entre os extremistas de esquerda e de direita na Suíça. "Ambas as vertentes tentam, repetidamente, fazer uso do potencial de protesto na sociedade. Particularmente em crises prolongadas ou exacerbadas, há ainda o risco de que os protestos se intensifiquem e em partes se tornem violentos mesmo sem o envolvimento da cena extremista de esquerda ou de direita".

Além disso, a ameaça terrorista na Suíça permaneceu elevada, principalmente por "agentes jihadistas", apontando para ataques no ano passado na Suíça e nas vizinhas França, Alemanha e Áustria.

"A matança em Morges em 12 de setembro e o ataque em Lugano em 24 de novembro foram ambos inspirados pelo movimento jihadista. Em ambos os casos, foram usadas facas e a situação pessoal angustiante e os problemas psicológicos do perpetrador desempenharam um papel", diz o comunicado.


"Ataques envolvendo pouca despesa organizacional ou logística, realizados por autores solitários agindo autonomamente, continuam sendo a ameaça mais provável. É possível que os ataques sejam realizados principalmente contra os chamados alvos brandos, tais como grupos de pessoas, edifícios mal protegidos e instalações de transporte público. Cada vez mais, os agressores mostram sinais de radicalização e tendências violentas combinadas com crises pessoais ou problemas psicológicos".

Ataques cibernéticos e espionagem

O relatório afirma que a pressão em digitalizar - reforçada pelas medidas de proteção introduzidas durante a pandemia - aumentou a vulnerabilidade aos ciberataques, especialmente através das cadeias de abastecimento.

"As numerosas empresas na Suíça que fornecem equipamentos e serviços para os operadores de infra-estrutura crítica neste país e no exterior são alvos atraentes para os atores patrocinados por outros Estados", advertiu o relatório.

O FIS também disse que a espionagem continua sendo um desafio sempre presente, com Genebra permanecendo um alvo principal devido à alta concentração de organizações internacionais e missões diplomáticas.

"Os serviços de inteligência estrangeiros representam uma ameaça direta a certos grupos-alvo na Suíça e também podem estar envolvidos em operações de interferência contra os interesses suíços", disse o relatório.


Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.