Navigation

Sigilo bancário de novo na berlinda

Sigilo bancário ainda é assunto tabu na Suíça swissinfo.ch

Depois de concluir sete acordos com a União Européia - UE - no sentido de remediar o isolamento na Europa, a Suíça enviou especialistas a Bruxelas para "explorar" campos de novas negociações bilaterais. Ela sabe que uma das prioridades da UE é generalizar imposto sobre poupança, o que poderia condenar a morte o sigilo bancário. Outro assunto quente, a fraude aduaneira, como o contrabando de cigarros. A Suíça espera que tudo seja na base do "toma lá, dá cá".

Este conteúdo foi publicado em 19. janeiro 2001 - 13:00

É um novo cenário de negociações que deve ser esboçado entre a Suíça e a União Européia. Depois de 4 anos de negociações até o ano 2000, foram solucionados alguns problemas de relacionamento bilateral, em particular sobre livre circulação de pessoas (que deve ser ratificado pelos 15 países da União) e transportes.

Prioridades para a União Européia é resolver a questão da evasão fiscal e da fraude alfandegária.

O grupo dos 15 quer adotar, no máximo em dois anos, uma lei sobre troca de informações entre administrações fiscais. A norma deveria se generalizar em todos os países da UE até 2010 e englobar em "territórios associados e dependentes, como as ilhas anglo-normandas, e "países terceiros", como Suíça, Liechtenstein e mesmo os Estados Unidos.

Os bancos suíços descontam impostos sobre juros na fonte, mas os estrangeiros não residentes ficam imunes. Para o orçamento da União Européia, isso significa perda importante.

A Suíça estaria disposta a debater a questão da fiscalidade da poupança, desde que se preserve o sigilo bancário.

Pode no entanto haver uma barganha. Estando certa de que possa ser associada aos acordos de Schengen (sobre cooperação policial entre a maioria dos países da UE) e a Convenção de Dublin (que implica colaboração na questão do asilo político) deve abrir mão de certas normas.

Para a Europa dos 15, não pode haver contrapartida para a luta comum contra a fraude, seja fiscal ou aduaneira. A UE estima que bandos organizados que operam do território suíço, em particular no contrabando de cigarros, lhe dão prejuizos de bilhões de dólares. E quer melhorar a ajuda judiciária e administrativa.

O único que já se sabe é que as negociações deverão ser muito longas. Mas estão em jogo competitividade entre praças financeiras e gestão de somas astronômicas.

Os ativos privados geridos pelos bancos oscilam em torno de 25 trilhões de dólares atualmente. Devem chegar a 45 trilhões em 2004, escreve o jornal Le Temps de Genebra, na sua edição de sexta-feira, 19/01.

Da Europa vem 60 por cento dos clientes dos bancos suíços, estima o banqueiro Jacques Rossier, um dos gerentes do Darier Hentsch & Cie.

swissinfo com agências.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?