Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

#WeAreSwissAbroad Eva Witschi: experiências inesquecíveis em Londres

Antes de retornar à Suíça, formar uma família e ter filhos, Eva Witschi, 25 anos, quer "ainda ver um pouco do mundo". Ela vive com o seu namorado de 26 anos na Grã-Bretanha, onda acredita que o seu futuro profissional não corre risco apesar do "Brexit".

swissinfo.ch: Por que você saiu da Suíça?

Eva Witschi: Eu deixei a Suíça em julho de 2916 juntamente com o meu parceiro de longa data. Era um sonho nosso viver uma vez no exterior. E como queríamos ir para um país de língua inglesa, a Grã-Bretanha era o país mais próximo. Nós vivemos um ano em Birmingham e depois nos mudamos em setembro de 2017 para Londres.

As opiniões manifestadas neste artigo, dentre outros sobre o país de acolho e sua política, são pessoais e não correspondem às posições da plataforma de informaões swissinfo.ch.

Aqui termina o infobox

Eu não descarto a possibilidade de retornar em alguns anos à Suíça, mas por enquanto ainda gostaria de ver um pouco do mundo.

Na Suíça me sentia como em um beco sem saída. Eu não sabia o que iria fazer profissionalmente. Na Grã-Bretanha encontrei cursos universitários que não existem na Suíça. Eles são mais criativos, aplicados e internacionais, no que diz respeito aos interesses dos estudantes. Eu tive a oportunidade de trabalhar para agências de publicidades conhecidas no mercado internacional e aprender com elas. Uma possibilidade que não teria tido na Suíça. 

#WeAreSwissAbroad Banner

Mostre a Suíça global: marque suas fotos no instagram com o hashtag
#WeAreSwissAbroad 

Nós vamos compartilhar fotos e vídeos selecionados em nossa página do instagram, e esperamos descobrir suíços e suíças vivendo histórias notáveis pelo mundo.

É um grande prazer para a swissinfo.ch oferecer uma plataforma para você publicar suas vivências em retratos, anedotas e histórias. 

(swissinfo.ch)

swissinfo.ch: Onde você trabalha? E como conseguiu o emprego?

E.W.: Em primeiro de setembro de 2017 eu entreguei o meu trabalho de mestrado em "Future Media:PRO" na Universidade de Birmingham. Cinco dias depois já estava trabalhando como "Media Activation Executive" para a Essence, uma agência de mídia para clientes internacionais em diferentes plataformas sociais, dentre elas para o mercado alemão e francês.

Está tudo indo muito bem. Meus colegas são todos muitos simpáticos e abertos. Cada sexta-feira temos às quatro da tarde cerveja e vinho para o trabalho (isso só ocorre nesse país). Cada terça à noite eles oferecem aulas de ioga para as pessoas interessadas. 

Por incrível que pareça, a semana de trabalho é mais curta do que na Suíça: 40 horas. Porém aqui ninguém paga as horas extras. Mas para mim não importa, pois eu estou acumulando experiências inestimáveis, que provavelmente não teria na Suíça.

swissinfo.ch: Onde você vive atualmente? E como é a sua vida e a cozinha em Londres?

E.W.: Desde setembro de 2017 vivemos em Hackney, ao norte de Londres, um bairro bastante criativo e animado. Nós dividimos um apartamento de três quartos com um casal da Espanha e Colômbia. Eu faço todos os dias um trajeto de 40 minutos com a bicicleta até o meu trabalho, o que me ajuda a economizar, evitar os vagões lotados do metrô e praticar esporte.

Quando temos vontade de sair para comer, o leque de escolhas aqui é muito grande, com diferentes cozinhas internacionais. No final de semana podemos visitar museus, exposições ou festas que nunca teríamos na Suíça. 

Em Londres você pode fazer o que quiser. É só saber onde procurar. Não muito distante daqui temos até uma fazenda, no meio da cidade, onde você pode acariciar animais. 

O que mais me surpreendeu foi descobrir que Londres (ou pelo menos Hackney) é mais ecológica do que Birmingham. Aqui você não apenas pode separar o lixo, mas também temos até um depósito de lixo orgânico - em uma cidade com milhões de habitantes. Se Londres consegue fazê-lo, então qualquer outra cidade também poderia fazer o mesmo. 

swissinfo.ch: Em que ponto a Grã-Bretanha é mais interessante do que a Suíça? Quais são as maiores diferenças?

E.W.: Para mim as maiores diferenças são o tamanho da cidade e a mistura cultural. Além disso, um ponto muito positivo são as possibilidades profissionais. Londres é a cidade da publicidade. Foi aqui que surgiu o papel dos estrategistas, a função para qual estou indo. Pois Londres é uma cidade cosmopolita, onde diversas empresas e agências de publicidades são ativas. Com isso tudo a cidade se torna muito excitante para mim. 

Por outro lado, a Suíça atrai pela questão da segurança, o que pode ser explicado seguramente pelo tamanho das suas cidades. O cotidiano nelas é, de fato, muito mais seguro. Eu não consigo imaginar não poder saltar de um bonde na Suíça. Em Londres você já pode imaginar não poder fazê-lo devido a um atentado. Além disso você tem mais segurança em questões de saúde e seguro.

swissinfo.ch: Como você vê a Suíça à distância?

E.W.: A Suíça é um palácio no coração da Europa, a minha pátria, um porto seguro onde eu seguramente retornarei em alguns anos. Pois é nesse palácio que eu quero ver as minhas crianças possam crescer.

Eu não acredito que as pessoas na Suíça creem que vivam em um palácio. Mas à distância você percebe como é precioso ter crescido sob tal proteção, como você paga pouco para estudar nas universidades e como são curtos os trajetos de bicicleta ou a pé. 

swissinfo.ch: Como está a situação política na Grã-Bretanha, especialmente depois que os eleitores decidiram que o país iria abandonar a União Europeia?

E.W.: Eu estou curiosa para ver o que vai passar quando o Brexit for concretizado. Até agora só escutamos especulações sobre as consequências, mas ninguém parece saber direito o que isso significará.

A decisão de Brexit foi adotada poucas semanas antes de sairmos da Suíça, o que não foi particularmente encorajador para nós. Mas afinal, estávamos todos bem-dispostos a aceitar esse desafio.

swissinfo.ch: Como você vê seu futuro no Reino Unido após a decisão Brexit?

E.W.: Eu acredito que o nosso status aqui não está em risco, pois nós dois temos trabalho e já estamos a um certo tempo por aqui. Porém posso estar me enganando. Mas pelo momento nao acredito que muita irá mudar. Eu estou curiosa de ver o que essa decisão significará para a Grã-Bretanha e se isso irá prejudicar a economia.

swissinfo.ch: Você participa das votações e plebiscitos na Suíça? Por carta ou voto eletrônico?

E.W.: No ano que passeou só perdi uma votação. Eu sempre voto por carta ou voto eletrônico.

swissinfo.ch: O que mais você sente falta na Suíça?

E.W.: Linguiça tipo "cervelat", batata-frita da Zweifel, maionese da Thomy e chocolate suíço. Naturalmente sinto falta também dos meus familiares e amigos, mas como não estou tão distante é possível vê-los com uma certa regularidade ou recebê-los aqui em Londres.

Mostre a Suíça global: marque suas fotos no instagram com o hashtag #WeAreSwissAbroadLink externo.

swissinfo.ch (entrevista realizada por escrito)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.