Navigation

O que você pode fazer agora para ajudar o clima

Enquanto a COP25 termina com outro conjunto de compromissos para reduzir as emissões de carbono, queríamos saber o que as pessoas poderiam já fazer agora mesmo. Membros de quatro instituições e empresas suíças explicam o que vêem como prioridades.

Este conteúdo foi publicado em 16. dezembro 2019 - 10:30

Voe menos, fique mais tempo

© Keystone / Christian Beutler

"A contribuição individual mais importante dos suíços para a mudança climática diz respeito aos vôos. Os suíços são viajantes extremamente ativos e, portanto, 'voar menos' pode fazer uma grande mudança na pegada climática individual", diz Nino Künzli, vice-diretor do Instituto Suíço de Saúde Pública e TropicalLink externo, que na semana passada organizou um simpósio de dois dias sobre os efeitos das mudanças climáticas na saúde.

A importância da redução das viagens aéreas é corroborada pelo CEO da myclimateLink externo, uma fundação suíça que promove projetos de proteção climática que reduzem as emissões. A sua calculadora online ajuda as pessoas a descobrir a sua pegada de carbono e sugere quanto poderiam doar para compensar.

Conteúdo externo

"Voar não é um direito humano. É um luxo a que nos acostumamos na Suíça e em outros países", diz Stephen Neff, destacando que um vôo de ida e volta para Nova York gera duas toneladas de CO2 - para o qual o myclimate recomenda contribuir com CHF 58 (US$ 59).

"Se o trem não for viável - digamos para uma família de quatro pessoas para Mallorca - então pegue o ônibus ou carro e a balsa", diz ele, pedindo às pessoas que reconsiderem onde, como e se precisam viajar. "Ao voar, estenda as viagens de alguns dias para algumas semanas", acrescenta.

Diminua o aquecimento

Keystone / Wu Hong

Há gerações atrás, as pessoas usavam camadas extras de roupas não só para se manterem quentinhas, mas também para reduzir os custos de aquecimento. Agora está claro que a questão vai além dos orçamentos individuais.

"O aquecimento é responsável por quase 70% do consumo doméstico de energia. Desse total, cerca de 70% é gerado por combustíveis fósseis. Este valor deve ser reduzido o mais rápida e facilmente possível", diz Romeo Deplazes da Energie 360°Link externo, uma empresa de Zurique que fornece soluções energéticas para casas e empresas. 

Ele diz que sua empresa, por exemplo, ajudou clientes a economizar mais de 70 mil toneladas de CO2 este ano, aumentando o uso de biogás (a partir da decomposição de resíduos orgânicos) e reduzindo o uso de gás natural (combustível fóssil do subsolo profundo). Outras opções que sua empresa promove são o aquecimento urbano, bombas de calor e pellets de madeira.

É verdade que apenas os proprietários de imóveis têm controle sobre os sistemas de combustível e aquecimento. Mas todos - incluindo os muitos inquilinos da Suíça - podem recusar o método de aquecimento.

"Quando se trata da temperatura de uma sala, cada grau adicional aumenta o consumo de energia em 6%", diz Deplazes, que sugere que o termostato seja regulado para cerca de 20°C na sala de estar e 17°C no quarto. "Corredores ou quartos que são apenas brevemente ou raramente utilizados - como quartos de hóspedes - podem ser mantidos confortavelmente a uma temperatura mais baixa.

Você sabe o que significam esses números na torneira do radiador? 1=14°C, 2=17°, 3=20°, 4=23° e 5=26°. Keystone / Tariq Mikkel Khan

Compensação como último recurso

David BreschLink externo, professor de clima e riscos climáticos do Instituto Federal de Tecnologia ETH Zurique, repete a necessidade de que as pessoas "reduzam o consumo de energia, mudem para energias renováveis e reduzam as emissões dos transportes". Os indivíduos também podem melhorar sua conscientização usando as calculadoras de pegada de carbono fornecidas pela myclimate e WWFLink externo.

"Se não fizermos nada, vamos passar por condições muito difíceis, mesmo na Suíça. As emissões precisam ser zeradas até 2050", diz Bresch. O "nós" significa todos - tanto os indivíduos como o governo.

Künzli, da TPH suíça, concorda que não basta confiar nas ações dos cidadãos comuns; uma ação política forte e regulamentos são essenciais. Ainda assim, "de uma perspectiva individual, faz sentido focar nas ações mais simples ao nosso alcance".

Neff do myclimate salienta que não existe uma solução única que faça o problema desaparecer. "Os principais motores de consumo da Suíça encontram-se na mobilidade (voos, carros, viagens de cruzeiro) e nos edifícios (aquecimento, refrigeração, etc.). Como último recurso, podemos compensar o que não se pode evitar ou reduzir. Não é a solução, mas apenas um quebra-galho".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.