Navigation

Agentes funerários, heróis esquecidos da pandemia

"Além do momento em que sua presença é indispensável, as pessoas gostariam de fingir que esses profissionais não existem". O trabalho dos agentes funerários continua a ser visto com um certo medo supersticioso", diz o historiador Nic Ulmi. Keystone / Jean-christophe Bott

Desde o início, eles têm estado na linha de frente com as vítimas da pandemia de Covid-19, expondo-se aos riscos associados à propagação do vírus. Seus serviços são essenciais para a sociedade. Mas esses profissionais não receberam nenhum aplauso ou agradecimento oficial. Por que esse esquecimento?

Este conteúdo foi publicado em 04. março 2021 - 11:00

Em 25 de fevereiro de 2020, a Suíça registrava seu primeiro caso de coronavírus confirmado em laboratório . Um homem do Ticino em seus setenta anos foi infectado dez dias antes em Milão. O contágio se espalhou rapidamente e logo depois o país começou a contar suas mortes, ocorrendo a primeira morte em 5 de março. Uma mulher de 74 anos no cantão de Vaud.

Este foi apenas o prelúdio de uma pandemia que ainda está varrendo o planeta e da qual a Suíça também está pagando o preço, como confirmam os números atualizados diariamenteLink externo.

Dois pesos e duas medidas

Em relação a esses inúmeros dramas humanos, por trás dos números está o enorme esforço feito pelo setor de saúde, mas também pelos profissionais do setor funerário. No entanto, nenhuma mensagem pública de gratidão chegou a reconhecer o empenho deles. No entanto, eles também têm estado desde o início na linha de frente, expostos ao perigo de contágio, chamados a intervir a qualquer hora do dia ou da noite, sete dias por semana, sujeitos a um ritmo intensivo de acordo com métodos e protocolos de trabalho modificados e em um clima geral de incerteza desestabilizadora. Sujeitos ao esgotante estresse físico e psicológico, eles colocam de lado sua angústia e fadiga para continuar cuidando dos corpos dos mortos e das almas de seus familiares.

Atitude arraigada

Embora a contribuição fundamental deles tenha sido ofuscada por expressões de gratidão aos "heróis cotidianos durante a pandemia", esta "omissão" não surpreende nem escandaliza os interessados.

O presidente da Associação Funerária Suíça Philippe Messer dirige uma agência funerária em Biena. Ben Zurbriggen Fotografie

"É uma questão de hábito. Você não vai agradecer o agente funerário", explica Philipp MesserLink externo, presidente da Associação Funerária SuíçaLink externo, com serenidade. Basta olhar para os reconhecimentos publicados pelas famílias dos falecidos: eles seguem o mesmo padrão há décadas, e os agentes funerários não estão incluídos", observa o empresário de Biena, no cantão de Berna. "Como resultado, não me surpreende que não sejamos reconhecidos, mesmo em tempos de pandemia.

Philippe Messer também assinala que durante a pandemia, os jornalistas contataram regularmente as agências funerárias para se informarem sobre a situação. "Esta é uma forma de reconhecimento de nosso trabalho".

Tabus e superstições

Nic Ulmi não está mais surpreso. Autor do livro "Au service du deuil", o pesquisador explorou em profundidade as casas funerárias de Genebra. Em sua forma de funcionamento atual, mas também ao longo de mais de um século e meio da história deste serviço.

O historiador Nic Ulmi é gerente de projetos no dhCenter UNIL-EPFL e coordenador da mediação cultural digital da "Bibliothèques municipales de Genève". © Magali Girardin

"O trabalho dessas pessoas tende constantemente a ser ofuscado. Há um tipo de tabu, uma espécie de negação. Fora os momentos em que sua presença é indispensável, as pessoas gostariam de fingir que esses profissionais não existem", diz Ulmi com base nos muitos testemunhos recolhidos durante sua pesquisa.

"O pessoal que trabalha no Serviço Funerário de Genebra me disse que as pessoas geralmente reagem como se tivessem a sensação de que a morte, e não a doença que a causou, é contagiosa". O resultado é o medo de serem contaminados quando estão perto de alguém que tenha entrado em contato com a morte.

Uma espécie de parede invisível separa os agentes funerários do resto da sociedade, que os vê como a encarnação da morte. "É um elemento de superstição do qual você nunca se livra mesmo se você for um racionalista linha dura. Acho que esta rejeição continua profundamente enraizada", diz o historiador. Sem mencionar que "a caricatura arcaica do coveiro que lucra com as desgraças dos outros nunca desapareceu, especialmente no que diz respeito aos agentes funerários privados".

Ulmi ressalta que ele não fez nenhuma observação de campo durante a pandemia. É impossível para ele se expressar com base em fatos empíricos. Mas ele tem a impressão de que o tabu se fortaleceu durante este período. Ele também acredita que "o alto número de mortes e distanciamento social contribuiu para tornar os agentes funerários ainda mais invisíveis do que de costume".

Cansaço da dor

Na sombra e em silêncio, os coveiros sofreram durante a pandemia. Não apenas por causa da exaustiva carga de trabalho, mas especialmente pelo peso de ter que lidar com a aflição das famílias dos falecidos que, por causa das restrições de saúde, foram obrigados a se despedir de seus entes queridos com pressa, sem os ritos adequados para iniciar o processo de luto. A incapacidade de poder oferecer às famílias a ajuda e o conforto habituais abalou os agentes funerários.

Ao contrário do que se poderia imaginar, os agentes funerários fazem mais do que apenas cuidar dos mortos. Eles também oferecem apoio concreto e moral às famílias - um elemento central no processo de luto, lembra Ulmi. E os elementos mais difíceis do trabalho deles não são aqueles relacionados com a preparação do corpo, o enterro ou a cremação. "Você se acostuma a tocar e manusear cadáveres muito rapidamente. O que você nunca se acostuma é o confronto com a dor. É sempre uma tarefa difícil. Todos me disseram isso no Serviço Funerário".

É uma dimensão paradoxal da profissão, constata o pesquisador. "O confronto com o luto é a dimensão mais dolorosa para os trabalhadores do setor funerário, mas ao mesmo tempo é a mais rica em significado e motivação. Isso faz deles um recurso em termos de apoio e orientação psicológica". Essa é uma função essencial "que vai muito além de seu papel oficial, uma função que tem sido prejudicada pela pandemia".

Adaptação: Fernando Hirschy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.