Boletim sobre o Coronavírus na Suíça

O uso de máscaras de proteção é obrigatório em todos os transportes públicos da Suíça partir de 6 de julho. Keystone / Salvatore Di Nolfi

O governo federal decretou a obrigatoriedade para o uso de máscaras de proteção nos transportes públicos. Restrições de entrada da Suíça foram suspensas para determinados países a partir de 20 de julho. 

swissinfo.ch

Informações recentes:

  • Decisão federal: uso de máscara de proteção obrigatório em todos os transportes públicos da Suíça a partir de 6 de julho de 2020.

  • Quarentena: a partir de 6 de julho, qualquer pessoa que chegue na Suíça oriundo de regiões de risco terá de ficar dez dias em quarentena.

  • As restrições para entrada na Suíça permanecerão em vigor até 20 de julho. Após esse dia, o país deverá seguir as recomendações da União Europeia (ver quadro abaixo).

  • Para combater o desemprego: o governo federal decidiu estender a compensação por trabalho em horário reduzido de 12 para 18 meses.

  • Em 25 de junho entrou em funcionamento o sistema de rastreamento de contatos SwissCovid. Três dias depois,  aproximadamente 810 mil pessoas já haviam instalado o aplicativo.


Situação atual

End of insertion

A decisão do governo de volta à normalidade é baseada em uma série de fatores e recomendações de especialistas, no qual a economia também teve um papel.

Desde 22 de junho está permitida a realização de eventos privados e públicos com a participação de até mil pessoas. Porém a condição é que o rastreamento de contatos seja garantido. Restaurantes que recebem grupos de quatro ou mais pessoas devem registrar o número de telefone de uma delas para possibilitar o rastreamento no caso de um surto de coronavírus.

As autoridades sanitárias de Zurique anunciaram no sábado (27.06) que 300 pessoas foram colocadas de quarentena após terem se aproximado de um homem infectado com o novo coronavírus em uma discoteca de Zurique em 21 de junho. Cinco pessoas já apresentaram resultado positivo nos testes de detecção. Representantes de empresários da noite discutem a possibilidade de obrigar frequentadores dos estabelecimentos de utilizar o aplicativo de rastreamento SwissCovid ou máscaras de proteção.

Eventos com mais de mil pessoas, sobretudo festivais e eventos esportivos, continuam proibidos até o final de agosto. Muitos dos maiores eventos do país cancelados.

O transporte público voltou a funcionar normalmente. As empresas recomendam o uso de máscaras de proteção nas horas de pico, porém muitos usuários ainda se mostram relutantes. epidemiologista Matthias Egger, presidente da entidade científica federal dedicada à Covid-19, declarou no domingo (28.06) em entrevista ao jornal dominical Sonntagszeitung que o uso de máscaras no transporte público deveria se tornar obrigatório, especialmente quando não é possível garantir o rastreamento dos contatos.

Lukas Engelberger, presidente da Conferência dos Secretários Cantonais de Saúde Cantonal, reforçou no mesmo jornal a exigência. Em resposta, as autoridades federais declararam também no domingo à agência de notícias SDA que ainda não via necessidade de impor o uso obrigatório de máscaras.

Restrições de viagem 

End of insertion

O Departamento Federal de Saúde Pública publicou a lista na quinta-feira (02.07) como parte das novas medidas tomadas para evitar uma segunda onda da pandemia.

Após um pico em março e a queda crescente no número de contaminações diárias, elas voltaram a subir nas últimas duas semanas, chegando a alcançar a média de 100 casos diários.

As autoridades sanitárias consideram que o aumento do número de infecções seja, em parte, explicado pela chegada de viajantes vindos de destinos em países com risco elevado de contaminação.

Sérvia e Kosovo foram incluídos na lista devido ao grande número de migrantes originários destes países estabelecidos na Suíça. Muitos costumam viajar nos meses quentes para visitar parentes e retornam com o vírus.

A lista completa em ordem alfabética: Argentina, Armênia, Azerbaijão, Bahrein, Belarus, Bolívia, Brasil, Cabo Verde, Chile, Colômbia, República Dominicana, Honduras, Iraque, Israel, Kosovo, Kuwait, Moldávia, Macedônia do Norte, Omã, Panamá, Peru, Qatar, Rússia, Arábia Saudita, Sérvia, África do Sul, Suécia, Ilhas Turcas e Caicos e Estados Unidos.

Swisscovid

End of insertion

O aplicativo Swisscovid foi lançado na quarta-feira (24/06) pelo Departamento Federal de Saúde Pública com objetivo de manter a pandemia na Suíça sob controle através de um sistema de rastreamento de contatos.

O aplicativo é gratuito e pode ser baixado no App Store do iPhone ou no Play Store para aparelhos Android.

Como funciona?

O aplicativo envia cadeias de números gerados aleatoriamente por bluetooth aos celulares onde o aplicativo também está instalado e que estão dentro de um raio de 1,5 metros. O aparelho do usuário também recebe códigos gerados por esses celulares e os armazena por 14 dias. As cadeias de números geradas aleatoriamente não permitem revelar a identidade da pessoa ou registrar dados pessoais do smartphone. Se o proprietário do celular, cujo código estiver armazenado no meu celular, receber um teste positivo, o aplicativo me avisa que posso também ter sido infectado. Os usuários só podem acionar um alarme se receberem um código do médico confirmando o resultado positivo do teste. Assim o sistema evita alarmes falsos.

Quais foram as medidas já tomadas pelo governo federal?

End of insertion

Desde 27 de abril, as medidas contra o coronavírus foram gradualmente flexibilizadas em toda a Suíça. 

Os hospitais, clínicas médicas, dentistas, fisioterapeutas e massagistas retomaram suas atividades normais. Algumas empresas puderam reabrir, desde que a segurança dos clientes e empregados fosse garantida: cabeleireiros, salões de massagens, salões de tatuagens, salões de beleza, lojas de bricolagem, centros de jardinagem, hortos e floristas.

As pessoas fora da família imediata de uma pessoa falecida puderam novamente assistir ao funeral. As lojas de produtos alimentares que vendem outras mercadorias puderam reabrir todas as suas áreas de vendas.

Desde 11 de maio, foram reabertas as escolas do ensino fundamental, junto com todas as lojas e mercados. Museus e bibliotecas também reabriram. Os restaurantes podem atender grupos de quatro pessoas, assim como os pais com filhos. As academias de ginástica e treinos esportivos reiniciaram. O transporte público voltou ao horário normal.

A partir de 6 de junho, reabertura de escolas do ensino médio e profissionalizante, além de universidades e outras instituições de ensino superior.

Ajuda econômica emergencial

No total, governos federal e estaduais investiram várias dezenas de bilhões de francos para ajudar a economia de forma rápida e não burocrática. A prioridade foi garantir que os trabalhadores das empresas em dificuldade continuassem a receber seus salários e apoiar a cultura e o esporte.


Onde posso encontrar mais informações sobre o Coronavírus?

End of insertion

swissinfo.ch mantém este artigo atualizado diariamente com o número de casos confirmados e as novas medidas tomadas pelas autoridades cantonais e federais. Outras fontes:

  • A maioria dos cantões (estados) tem seus próprios websites com informações sobre a situação local. A lista das páginas locais pode ser vista AQUI.
  • AQUI mais informações sobre o coronavírus 
  • Vários países impuseram restrições à entrada de pessoas vindas da Suíça.  Clique AQUI para obter informações sobre as fronteiras.

O Ministério da Saúde da Suíça: atualizações ao vivo da situação nacional, bem como recomendações, medidas de segurança pública e detalhes dos próximos anúncios.

A Organização Mundial da Saúde (OMS): informação sobre a origem e natureza da Covid-19, assim como a situação no mundo (que a OMS atualmente rotula como "epidemia") e conselhos de viagem.

O Ministério das Relações Exteriores da Suíça: informações sobre os passos a serem seguidos pelos cidadãos suíços que vão ao exterior.

A Universidade Johns Hopkins: um mapa global que rastreia o número de casos e mortes por país; os números podem ser ligeiramente diferentes do mapa da swissinfo.ch acima devido a atrasos no tempo e/ou diferentes métodos de definição de casos "confirmados".

Partilhar este artigo