A lição de casa continuará existindo mesmo quando acabar as aulas em casa

O currículo escolar da Suíça de língua alemã regula apenas quando o dever de casa não deve ser dado, como por exemplo nos feriados, mas não questiona a sua validade. Keystone / Melanie Duchene

O termo lição de casa ganhou um significado totalmente novo com o fechamento de escolas suíças devido ao surto do coronavírus. Mas quando o ensino à distância chegar ao fim, algumas escolas suíças reabrirão o debate sobre a importância do dever de casa.

Este conteúdo foi publicado em 23. março 2020 - 11:00

Antes da crise de saúde começar a causar estragos, uma escola primária no leste da Suíça havia se tornado a última a experimentar a suspensão dos deveres de casa para seus alunos.

O projeto piloto de um ano, na escola primária de Feldli-Schoren, perto de St. Gallen, envolveu alunos de oito a 12 anos de idade.

"Nosso principal objetivo aqui é a igualdade de oportunidades: existem grandes lacunas entre as famílias em desvantagem educacional e as famílias favorecidas em termos de educação. O trabalho de casa é um estresse para aqueles que não podem pedir conselhos ou ajuda aos pais", disse o professor Ralf Schäpper ao jornal St Galler Tagblatt, em fevereiro, depois que foi anunciado que o esquema estava sendo estendido para além de seus seis meses iniciais.

Mas a mudança beneficia a todos. "Quando as crianças voltam da escola, depois de sete aulas, elas não devem ter que sentar de novo às suas mesas", disse Schäpper.

Em vez disso, há agora quatro horários de estudo supervisionados semanalmente na escola, com duração de 20 a 30 minutos cada. O primeiro feedback tem sido "substancialmente positivo" entre alunos, professores e pais, segundo Schäpper (embora ele admita que alguns pais preferem o sistema antigo, pois gostam de saber o que seus filhos estão fazendo na escola).

A escola Feldli-Schoren não está sozinha. Uma escola primária em Kriens, perto de Lucerna, e várias na região de Berna também aboliram os deveres de casa nos últimos anos. 

Conteúdo externo

Assunto controverso 

O tema, no entanto, permanece controverso. Bernhard Hauser, professor de estudos da primeira infância, na Universidade St Gallen de Educação de Professores, diz que há várias razões para isso.

"Muitas crianças e pais ficam muito satisfeitos quando não há dever de casa, porque isso significa menos tensões em casa", disse ele à swissinfo.ch. "Mas os resultados das pesquisas internacionais sobre o aprendizado mostram que o dever de casa é uma das muitas contribuições que garantem que as escolas funcionem bem e que o benefício do aprendizado seja alto".

"Claro que há pais que se queixam quando não há lição de casa, por isso o assunto também é controverso entre os pais", disse Hauser. Esses pais sentem que os deveres de casa são importantes para o desempenho escolar dos filhos e para as carreiras posteriores.

Quem toma a decisão?

A educação é a responsabilidade dos cantões na Suíça, mas muito é decidido a nível da escola local. O dever de casa não é obrigatório. O Lehrplan 21 (Curriculum 21) para a Suíça de língua alemã, por exemplo, só diz quando o dever de casa não deve ser dado, como por exemplo durante um feriado nacional, mas não se deve ser dado.

Há diretrizes sobre quanto: no cantão St Gallen são cerca de 60 minutos por semana para os alunos mais jovens do ensino fundamental, subindo para duas horas ou mais para os de 10-11 anos, e para quatro horas para o nível secundário inferior (até os 15 anos de idade), disse Hauser.

Ensino perdido

Hauser é a favor dos deveres de casa, pois eles ajudam a aprofundar o conhecimento. "Se você trabalhar durante toda a carreira escolar sem fazer os deveres de casa é equivalente a 800 horas de aprendizagem perdidas", apontou ele. Além disso, os deveres de casa ajudam as crianças a desenvolver a auto-disciplina: obrigar-se a fazer algo que não querem fazer - quando o futebol seria muito mais tentador. Esta é uma importante lição de vida, argumenta ele.

Ele diz que a abolição dos deveres de casa ainda é incomum na Suíça. Não há estatísticas oficiais, mas ele estima que a cada 10-20 anos existe um movimento anti-dever, mas geralmente são apenas algumas poucas escolas que implementam a política. (No entanto, o cantão de Schwyz chegou a abolir os deveres de casa em 1993, mas isso só durou quatro anos devido ao protesto dos pais). 

Não há nenhuma onda no momento, diz o professor, mas o que costuma acontecer é que, quando uma escola decide abolir o dever de casa, ela sofre intenso escrutínio extremo. Além disso, nem todas as escolas seguem o mesmo caminho.

"Há algumas escolas que abolem totalmente o dever de casa, enquanto outras o mantêm, mas o trazem para a escola". Quando se faz isso, o efeito negativo não é tão grande. Mas é em detrimento daqueles alunos que podem trabalhar independentemente porque são supervisionados na escola", disse Hauser.

Do outro lado da fronteira linguística

E quanto à situação na parte francófona da Suíça, que tem um currículo próprio? Samuel Rohrbach, do  Sindicato Suíço de Professores Francófonos, disse que os deveres de casa são discutidos regularmente na região. "Vários cantões, como Neuchâtel e Jura, publicaram diretrizes que contêm, por exemplo, o tempo máximo a ser gasto por dia com os deveres de casa. As pessoas não querem que os alunos tenham um fardo muito pesado", disse Rohrbach por e-mail.

O sindicato levanta a questão da desigualdade, mas também a necessidade de aprender a autonomia através da realização dos trabalhos de casa. Ela propõe sessões supervisionadas nas escolas, que dariam a todos os alunos o benefício do apoio. O trabalho também deveria ser uma continuação do que foi feito em classe e nada de novo, acrescentou Rohrbach.

Apoio para os pais?

Hauser também tem pensado em como aumentar a igualdade de oportunidades. Para além das sessões diárias de apoio aos trabalhos de casa na escola - algumas escolas já oferecem este tipo de apoio, mas na maior parte apenas algumas vezes por semana - poderiam ser oferecidos cursos aos pais em desvantagem educativa sobre a melhor forma de apoiar os seus filhos durante os trabalhos de casa, argumenta ele.

Dessa forma, os alunos que são capazes de fazer os deveres de casa assim o fazem, e aqueles que não conseguem, podem contar com o apoio de que necessitam, disse ele.

Enquanto isso, a escola de Feldli-Schoren vai avaliar seu projeto antes das férias de verão, disse o diretor Schäpper ao St Galler Tagblatt. Ainda não foi tomada nenhuma decisão sobre se haverá ou não lição de casa no próximo ano letivo.


Comparação internacional

Não parece haver muitos relatórios oficiais sobre hábitos de lição de casa, mas este relatório da OCDE de 2014 dá um retrato para estudantes mais velhos. Ele revelou que os alunos de 15 anos de idade que tomaram parte na avaliação PISA de 2012 passaram quase cinco horas por semana fazendo deveres de casa (todos os países da pesquisa tinham atribuído lição de casa).

A Suíça foi classificada em 11º lugar (de 38), com os estudantes reportando cerca de 4 horas de trabalhos de casa por semana. Os alunos da Finlândia e da Coreia tinham menos de três horas, enquanto os alunos da Irlanda, Itália, Cazaquistão, Romênia, Federação Russa e Singapura afixavam mais de sete horas por semana.

O relatório também descobriu que os alunos mais favorecidos passavam mais tempo a fazer os trabalhos de casa do que os mais desfavorecidos - em todos os países PISA. 

End of insertion



Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo