Os homens na Suíça pretendem viver até 108,5 anos de idade

A pandemia do coronavírus parece não ter diminuído as expectativas de longevidade das pessoas. Keystone / Ettore Ferrari

Os homens suíços almejam uma expectativa de vida ideal de 108,5 anos, enquanto as mulheres se contentam com uma média de 93,4 anos de vida.

swissinfo.ch/fh

Uma pesquisa realizada com 2.000 pessoas pela seguradora de saúde Sanitas descobriu que muitas pessoas estão fazendo mudanças em seu estilo de vida para garantir uma vida mais longa.

Dois terços dos entrevistados disseram que são fisicamente ativos e comem alimentos saudáveis enquanto mais da metade se abstém de fumar e um quinto se abstém de álcool.

A pesquisa "Previsão de Saúde", que pretende sair anualmente, descobriu que 40% das pessoas atualmente usam um aplicativo para monitorar sua saúde.  Mais de um quarto dos entrevistados utilizaria testes de sangue e DNA para determinar suplementos nutricionais ideais e outras medidas de aptidão física feitas sob medida.

Os homens jovens, na faixa etária de 18 a 29 anos, parecem mais interessados do que qualquer outra pessoa em aumentar ativamente seus níveis de saúde e condicionamento físico. Um terço dos homens entrevistados nesta faixa etária (comparado a 20% de todas as idades e gêneros) consideraria "biohacking" - uma palavra que envolve melhorar a saúde através de dieta, exercícios, roupas e às vezes implantes, como microchips, ou engenharia genética.

Apenas a metade das mulheres dessa faixa etária disse que estaria preparada para fazer tais coisas.

A pesquisa também revela mais detalhes sobre as atitudes em relação à ciência genética. Cerca de 58% apoiam a terapia genética para tratar o câncer, 54% são a favor do diagnóstico genético para diagnosticar doenças hereditárias e 44% são a favor de exames pré-natais.

Mas três quartos dos entrevistados disseram que essa ciência deve parar com a intervenção ativa, alterando genes ou produzindo clones.

Partilhar este artigo