Por que os estrangeiros confiam mais nas autoridades do que os suíços

Um dos tipos de autorização de residência para estrangeiros na Suíça. © Keystone / Christian Beutler

Os suíços têm um alto nível de confiança em suas instituições políticas, mas os residentes estrangeiros são ainda mais confiantes. Os sociólogos avançam várias explicações.

Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Uma pesquisa publicada pelo The Observatory of Volunteering em junho deste ano analisou a confiança que a população deposita nos outros e nas instituições públicas, porque confiança e engajamento estão intimamente ligados.  Entre os destaques, os pesquisadores por trás do estudo observaram que "os estrangeiros que vivem na Suíça têm mais confiança nas instituições políticas do país do que a população local", embora as autoridades suíças já gozem de um dos mais altos níveis de confiança do mundo.
 

Quase dois terços dos estrangeiros entrevistados relatam um alto nível de confiança nas instituições, em comparação com a metade para os cidadãos suíços. Deve-se ressaltar que a categoria "estrangeiros" não é homogênea. No entanto, estes resultados são estáveis em comparação com 2016, e em consonância com a última publicação do Departamento Federal de Estatística sobre o assunto.



Uma comparação que beneficia a Suíça?  

A maneira mais intuitiva de explicar esta discrepância é assumir que uma comparação objetiva acaba a favor da Suíça. Uma proporção de estrangeiros pode considerar o sistema suíço como particularmente eficiente, honesto, etc., em comparação com o de seu próprio país. Embora esta hipótese não possa ser excluída, ela deveria logicamente ser especialmente verdadeira para pessoas de países menos democráticos do que a Suíça.

Entretanto, os números do departamento de estatísticas, divididos de acordo com a origem geográfica dos estrangeiros, mostram que os imigrantes do norte ou oeste da Europa - onde as instituições políticas geralmente também gozam de um alto nível de confiança - são também aqueles que dão mais crédito às autoridades suíças. Isto sugere que outros fatores, mais subjetivos, estão em ação.  


Aumento da pressão para seguir as regras

Sandro Cattacin, diretor do Instituto de Pesquisa Sociológica da Universidade de Genebra, vê isso principalmente como um sinal de "aumento da pressão para seguir as regras" sentida por estrangeiros. Segundo o sociólogo especializado em questões migratórias, "para serem aceitos em seu país de acolhimento, os imigrantes sentem pressão para se comportar de forma mais condescendente" do que a população local.  

Isto poderia resultar em um engajamento excessivo com a política e/ou associações e, de modo mais geral, em um comportamento em relação ao Estado que é considerado correto. 

"Quando você é suíço, você pode se permitir expressar desconfiança em relação às instituições, mas não quando você é estrangeiro", diz o pesquisador, que também é membro do comitê científico do Observatório do Trabalho Voluntário.

Partilhar este artigo