Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Refugiados Deputada suíça é presa com menores clandestinos

Uma parlamentar do cantão do Ticino, no sul da Suíça, e seu motorista foram presos na quinta-feira, acusados de ajudar quatro jovens imigrantes africanos a entrar ilegalmente no país a partir da Itália.

Lisa Bosia Mirra participa de uma delegação parlamentar que acompanha a situação dos imigrantes acampados em um parque na cidade de Como, na vizinha Itália

(Keystone)

Lisa Bosia Mirra, deputada estadual do cantão do Ticino e fundadora do grupo de apoio aos refugiados Firdaus, foi presa em Stabio, no cantão de Ticino, região da Suíça de língua italiana. A parlamentar já foi liberada, confirmou a polícia e o Ministério Público do Ticino.

A polícia do Ticino acusa a deputada e um homem do cantão de Berna de 53 anos de ajudar quatro menores africanos a atravessar ilegalmente a fronteira com a Suíça em uma van. O motorista continua detido e um inquérito sobre imigração clandestina foi aberto.

Mirra, de 43 anos, estava em Chiasso, cidade suíça na fronteira com a Itália, participando de uma conferência de imprensa organizada na quarta-feira por ONGs preocupadas com a situação de várias centenas de migrantes barrados em Como, na Itália, desde julho, após a Suíça ter reforçado seus controles na fronteira.

Tapando a peneira

A fronteira da Suíça com a Itália tornou-se um ponto crítico na crise dos refugiados na Europa, com pessoas se acumulando ao longo da fronteira da Itália.

O ministro suíço Ueli Maurer defendeu o trabalho dos guardas de fronteira suíços, dizendo que os requerentes de asilo que tentam passar pela Suíça estavam sendo reenviados à Itália em conformidade com a lei.

As autoridades suíças culpam o acúmulo na fronteira italiana em razão do fluxo de imigrantes africanos que procuram uma passagem para países do norte da Europa, como a Alemanha. A maioria dos milhares de imigrantes que tentam chegar à Suíça através do Ticino está sendo barrada desde o início de julho.

Convenção internacional sobre os direitos da criança

A deputada estadual e outras ONGs, como a Anistia Internacional, criticam as autoridades suíças pelo tratamento dos menores não acompanhados que tentam entrar na Suíça através da Itália.

Elas exigem que as autoridades suíças esclareçam suas políticas, principalmente a questão das crianças que são enviadas de volta à Itália e impedidas de se juntar aos membros da família na Suíça.

A Anistia Internacional suíça afirma que o país está desconsiderando os direitos das crianças e adolescentes na fronteira.

A Anistia Internacional diz que as autoridades suíças são obrigadas a respeitar a convenção das Nações Unidas sobre os direitos das crianças, identificando corretamente os meninos e meninas desacompanhados - cada um dos quais tem o direito de pedir asilo na fronteira com a Suíça - e, em seguida, permitindo-lhes se reunir com suas famílias.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

swissinfo.ch com agências

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.