Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Viver com a síndrome de Asperger "Esse diagnóstico mudou minha vida completamente"

(RDB)

Gerhard Gaudard, técnico de informática, recebeu há dois anos o diagnóstico de portador da chamada síndrome de Asperger, um transtorno do espectro autista. À swissinfo.ch ele conta sobre o trabalho, as dificuldades do cotidiano e o segredo de um casamento feliz.

Gaudard, 38 anos, se formou como técnico de informática e hoje trabalha na filial de Berna da empresa dinamarquesa Specialisterne, onde a maioria dos empregados sofre de alguma forma de autismo. A equipe se ocupa de processamento de dados, programação de software e testes de projetos.

Sua jornada de trabalho dura oito horas, quatro vezes por semana, e ele faz diariamente o trajeto da cidade de Aarau (leste) até a capital suíça, gastando 40 minutos em trem. Ele é prolixo, amigável, divertido e aberto a compartilhar suas experiências com outras pessoas. É o que explica sua decisão de manter um blog dedicado ao cotidiano de uma pessoa que sofre da síndrome de Asperger. O único sinal visível da doença é o fato de nunca olhar os interlocutores nos olhos.

swissinfo.ch: Em que consiste o seu trabalho?

Gerhard Gaudard: Minha principal função é assegurar que todos os nossos clientes tenham trabalho, projetos ou algo a fazer. Eu também me ocupo do apoio técnico e faço todos os reparos. Além disso, eu também preparo os conceitos e as ideias de novos projetos e da negociação destes com os clientes. Habitualmente oito horas por dias não bastam!

swissinfo.ch: Você gosta do que faz?

G.G.: Sim, bastante. Para mim é como ter ganhado na loteria. Poder trabalhar sendo portador da síndrome de Asperger, com e para as pessoas que sofrem da enfermidade, é algo que só acontece uma vez na vida.

(Specialisterne)

swissinfo.ch: Você já trabalha há quase 20 anos para empresas, podemos dizer, "normais". Como é essa experiência?

G.G.: Há dois anos soube que sofria da síndrome de Asperger. Antes não sabia o que era isso e praticamente toda a minha vida profissional foi uma catástrofe. Agora eu entendo porque não compreendia os outros e o que eles queriam de mim. Por vezes era um pouco como encontrar e perder o emprego.

swissinfo.ch: Esse diagnóstico mudou a sua vida?

G.G.: Ele a virou de pernas para o ar. Eu tive de começar do zero, ou seja, de refletir que tipo de trabalho eu poderia fazer, onde poderia trabalhar, como organizar a minha vida privada, meu relacionamento, tudo. Era muita coisa para fazer...

swissinfo.ch: O que é mais difícil para alguém como você no cotidiano?

G.G.: Nós precisamos de uma rotina e cada dia deve ser igual ao outro. Se alguma coisa muda, é terrível para mim. Por exemplo, ontem tive de ir para Zurique encontrar um cliente. Eu havia sido prevenido na semana passada e assim passei quatro dias refletindo como ir para lá, a que horas iria chegar e o que deveria discutir. Eu tive de refletir quatro dias sobre o tema, pois se tratava de uma mudança na minha vida.

swissinfo.ch: O ambiente de trabalho parece ser muito bom. Qual a sua opinião?

G.G.: Se o Thomas (van der Stad, diretor da Specialisterne) diz que o ambiente é bom, é que ele é bom mesmo. Para mim não existe ambiente. Eu não sei o que é isso. Eu não posso senti-lo ou vê-lo.

É algo como um filtro que me impede de ver as emoções. Na verdade não vejo nada. Também não vejo os rostos. É quase como se eu fosse cego. Por isso não posso responder a essa questão.

swissinfo.ch: Por que você começou a escrever um blog?

G.G.: Por uma razão muito simples: quando recebi o diagnóstico de Asperger, eu comecei a procurar na internet os fóruns de debate sobre o tema, sites e informações, pois tinha necessidade de saber do que se tratava. Depois eu encontrei um fórum, me registrei e li o que era escrever. Assim comecei a me comunicar com as pessoas.

Uma pessoa me escreveu dizendo que eu era um imbecil, que estava completamente enganado e outras coisas. Era uma mãe neurotípica (n.r.: termo utilizado por muitos autistas para falar dos não autistas). Eu engoli a história e pensei comigo mesmo que o fórum era feito para pessoas que tem Asperger e não para mães que não sofrem dessa doença. Acabei ficando bastante chateado.

Assim tive a ideia de escrever um blog. Mas como? Era possível fazê-lo com o Google, o que me facilitou bastante o trabalho. Sem ter nenhum conceito na cabeça, simplesmente comecei a escrever. É uma pequena história de sucesso: eu chego a ter 3.500 cliques por mês de todas as partes do mundo. 

Síndrome de Asperger

A Síndrome de Asperger é uma perturbação neurocomportamental de base genética; pode ser definida como uma perturbação do desenvolvimento que se manifesta por alterações sobretudo na interacção social, na comunicação e no comportamento.

Embora seja uma disfunção com origem num funcionamento cerebral particular, não existe marcador biológico; o diagnóstico se baseia num conjunto de critérios comportamentais.

Entre as características mais comuns podemos destacar:

-Défice de comportamento social;

-Interesses limitados;

-Comportamentos rotineiros;

-Peculiaridade do discurso e da linguagem;

-Perturbação na comunicação não verbal;

-Descoordenação motora.


Como consequência destas dificuldades os portadores de Síndrome de Asperger acabam por se isolar e limitar seus interesses a determinados temas assuntos, atitude que prejudica ainda mais a sua relação com o outro.

Calcula-se que em Portugal existam cerca de 40.000 portadores de Síndrome de Asperger afetando na maioria os rapazes.

O Diagnóstico precoce é essencial para proporcionar aos portadores, os recursos necessários e a que têm direito que lhes permitam atingir o seu potencial, o qual muitas vezes é extraordinário, como pessoas verdadeiramente integradas na sociedade. (Fonte: apsa.org.pt)

Aqui termina o infobox

swissinfo.ch: A maioria dos seus leitores também sofre da síndrome de Asperger?

G.G.: Eu diria que a metade deles. Algumas pessoas escrevem e contam que o seu parceiro tem a doença e agradecem por um artigo. Outros contam que também sofrem da síndrome, que me compreender e ficam felizes de saber que não estão sós no mundo.

swissinfo.ch: Você tem bastantes lazeres? Penso que o cinema, por exemplo, é difícil para você se não é possível compreender as emoções...

G.G.: O cinema é um dos meus passatempos favoritos! Os filmes de ação são perfeitos para mim. Eu também gosto muito de ficção-científica. Mas as comédias, dramas, histórias de amor e todos esses filmes com sentimentos são incompreensíveis para mim. É como se eles fossem falados em um idioma que eu não compreendesse.

Eu também gosto de ler e ver documentários. A música também é uma paixão: eu toquei guitarra elétrica por quase dez anos. Eu gostava de heavy metal. Para mim o Iron Maiden é o melhor grupo de rock do mundo!

swissinfo.ch: Se você gosta de ler, dá para imaginar escrever um livro?

G.G.: Certamente. Eu tenho um projeto na cabeça de transformar o meu blog em livro.

swissinfo.ch: Você costuma se encontrar nas horas livres com outras pessoas que sofrem da síndrome de Asperger?

G.G.: Não. Eu já tenho contato com eles durante o meu dia de trabalho. No meu andar só tem gente assim. Na minha vida privada não tenho contato com elas. Eu praticamente não tenho contato com outras pessoas a não ser a minha esposa.

swissinfo.ch: Ela é autista também?

G.G.: Não. Ela teve de aprender um monte de coisas. Uma vez ela se informou sobre o tema e me disse: "Bom, para mim não faz diferença se você tem essa doença. Eu te amo como você é. Se há qualquer coisa que eu não entendo, então perguntarei a você."

Nós estamos juntos há quase um ano. Um dos nossos segredos é que não vivemos juntos: ela está aqui, perto de Berna, e eu vivo em Aarau. Antes eu estive com outra pessoa por onze anos, dos quais dez em coabitação. Quando recebi o diagnóstico, ela me abandonou afirmando que não poderia viver comigo sabendo que eu não poderia aprender coisas que eram importantes para ela. Eu tive de superar isso e, assim, decidi dizer à minha mulher desde o início que tinha Asperger.

Hoje, com meu trabalho e a minha esposa, eu estou muito feliz. Para mim essa é a fórmula perfeita para equilibrar a vida profissional e a vida privada.


Adaptação: Alexander Thoele, swissinfo.ch


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×

Destaque