Idosos suíços temem perda de relacionamento com jovens após pandemia

Uma pesquisa realizada pela Pro Senectute mostra que quase dois terços dos participantes acima de 50 anos estão preocupados com a marginalização a longo prazo.

A pesquisa também revelou que a maioria dos idosos recebeu ajuda de familiares, vizinhos, amigos ou organizações durante mais de dois meses de confinamento da Covid-19 Keystone / Laurent Gillieron

A grande maioria das pessoas com mais de 65 anos recebeu apoio, principalmente da família, durante o confinamento da Covid-19, disse a organização que defende os direitos dos idosos na quinta-feira (28). No entanto, a preocupação de que as relações com os jovens se tornem mais frágeis após a crise foi particularmente forte entre as pessoas de 50-65 anos. 

"Temos que levar essa incerteza muito a sério", disse Alain Huber, diretor do Pro Senectute. "O modelo de sucesso que temos na Suíça é baseado na cooperação intergeracional e isso garante bem-estar e estabilidade". 

Entre os 1.200 participantes da pesquisa, três quartos dos mais de 75 anos disseram ter recebido ajuda em seu cotidiano durante a crise - extrapolada para toda a população, isto representa mais de 500.000 pessoas. Pouco mais da metade das pessoas entre 65 e 74 anos tinha recebido apoio. Família (67%), vizinhos (19%), amigos (12%) e organizações (6%) foram as principais fontes de ajuda. 

Mais de 70% dos entrevistados também acreditavam que a solidariedade intergeracional tinha melhorado a curto prazo durante o confinamento, quando as pessoas com mais de 65 anos em particular eram aconselhadas a ficar em casa.

 

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo