Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Suíça apostou em tratados bilaterais em 2007

Doris Leuthard, ministra suíça da Economia, em recente reunião da EFTA.

(Keystone)

Diante do impasse na rodada de Doha na OMC, a Suíça busca novas saídas. 2007 foi marcado pelo início de negociações comerciais com Japão, Israel, Peru e Colômbia.

Entrou em vigor um tratado de livre-comércio (TLC) com o Egito e começaram os contatos com vistas a um futuro acordo com a China.

A economia suiça deve grande parte do que ao comércio exterior. Costuma-se dizer que a cada dois francos que se ganha no país, um vem do estrangeiro.

Daí que diante do impasse na Rodada de Doha - iniciada em 2001 pelos 150 países-membros da Organização Mundial do Comércio (0MC), sediada em Genebra - o governo suíço busca saídas paralelas para que o país continue a crescer.

As dificuldades na OMC estão ligadas ao tema sensível da liberalização do comércio agrícola. Resumidamente, os países em desenvolvimento querem maior acesso aos mercados para seus produtos enquanto o desenvolvidos como Suíça e França defendem seus agricultores.

As negociações que se arrastam por mais de seis anos, levaram a Suíça a procurar alternativas.

O Japão está na mira

Suíça e Japão têm muito em comum. O valor agregado de seus produtos, produtividade muito alta e um setor de serviços que lhes permitiu ter economias sólidas e rentáveis.

Para a Suíça, o Japão é um parceiro atraente pois se trata da segunda economia mundial, depois dos Estados Unidos. As negociações começaram em janeiro passado e um tratado de livre-comércio pode ser concluído até meados de 2008.

O Japão é um mercado de 127 milhões de consumidores potenciais com o qual a Suíça pode manter uma balança equilibrada, já que as duas economias são complementares. Os japoneses vendem carros e produtos eletrônicos e a Suíça suas máquinas, medicamentos e alimentos.

Israel e China

Em março, em Jerusalém, uma delegação suíça chefiada pelo secretário de Estado para a Economia, Jean-Daniel Gerber, e composta de diretores de grandes empresas, manifestou o interesse em expandir um acordo TLC que a Suíça já tem com Israel.

A delegação suíça discutiu com vários ministros israelenses e também com dirigentes do Banco Central, visitou o Institituto de Pesquisa Científica Wiezmann, em Tel Aviv, e falou da expansão do comércio de medicamentos. Os resultados devem ser observados em 2008.

Em abril, a ministra da Economia, Doris Leuthard, anunciou a intenção de também negociar um ambicioso acordo de livre-comércio com a China.

Os contatos ainda são informais mas um acordo com um mercado dessas proporções perminitiria que a Suíça triplicasse seu comécio, meta ambiciosa à qual não renunciará.

Prioridade na América Latina

Em abril, a Suíça anunciou formalmente negociações de acordos comerciais com Peru e Colômbia.

"Há uma crescente evolução das exportações suíças (produtos químicos e farmacêuticos) em ambos os países e observamos um grande potencial para biotecnologia e máquinas", afirmou a ministra da Economia Doris Leuthard.

Neste caso, a Suíça não negocia unilateralmente mas junto com seus parceiros (Noruega, Islândia e Liechtenstein) da Associação Européia de Livre-Comércio (EFTA na sigla em inglês).

As negociações começaram em agosto. Para a Colômbia, é fundamental ampliar mercados e multiplicar suas exportações. A Suíça é uma grande oportunidade, afirmou a swissinfo Lucy Samper, porta-voz do Ministério do Comércio, Indústria e Turismo da Colômbia.

Também nos interessa o potencial turístico que temos para os suíços e a comercialização de pedras e metais preciosos, acrescentou.

Por sua vez, a Suíça está interessada em exportar máquinas, produtos químicos e farmacêuticos.

O Peru tem a economia que mais cresce atualmente na América Latina (6% ao ano, o dobro da Suíça), com inflação que se aproxima dos níveis europeus (menos de 5% ao ano). O Peru exporta metais e a Suíça suas máquinas.

No segundo trimestre de 2007, houve três rodadas de negociação - uma na Colômbia, outra no Peru e a terceira na Suíça.

Foram abordados temas como acesso a bens industriais, agriculturua, normas sanitárias, solução de controvérsias, regras de origem, investimentos e propriedade intelectual. Está prevista para o próximo mês de maio a conclusão de um acordo.

Acordo com o Egito

O Egito foi outro protagonista para a Suíça em 2007. Dia 1° de agosto entrou em vigor um acordo agrícola que suprime 70% das barreiras alfandegárias no comércio entre a Suíça e o Egito.

No mesmo dia também começou a vigorar um acordo de livre-comércio entre o Egito e a EFA, negociado em 2006. Foram eliminadas as barreiras comerciais, o que tornou as máquinas suíças 35% mais baratas no Egito, o mesmo ocorrendo com medicamentos e material bélico.

Em contrapartida, a Suíça comprará do Egito frutas, legumes e têxteis até 40% mais baratos. Para a Suíça, o país é interessante porque desde que começou sua abertura econômica, em 1994, mais de 300 empresas foram privatizadas e os egípcios têm um poder aquisitivo cada vez maior.

swissinfo, Andrea Ornelas

Breves

A Suíça é ativa defensora de tratados bilaterais de livre-comércio. A maioria é negociada através da Associação Européia de Livre-Comércio (EFA), bloco comercial fundado em 1960, cujos membros atuais são Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein.

A Suíça prevê negociar em 2008 um tratado de livre-comércio agrícola com a UE que, se concluído, entraria em vigor em 2011. Há resistências dos agricultores suíços.

O Golfo Pérsico é outra região que atrai empresas suíças. Em 2008 estão previstas negociações para um TLC com Oman.

Aqui termina o infobox

Fatos

Japón es el tercero socio comercial de Suiza después de la UE y EEUU.

Colombia cuenta con 45 millones de habitantes y Perú con 28 millones, un interesante mercado potencial para Suiza.

Egipto cuenta con un PIB por habitante de 4.920 dólares, 5 veces inferior al suizo.

Aqui termina o infobox


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.