Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Suíça tem pebolim humano

O jogo já existe na Alemanha e agora começa a ser praticado na Suíça

(Keystone)

Para animar uma praça em pleno verão, uma associação organiza em Martigny, estado do Valais, todas as sextas-feiras, uma partida de pebolim. O original é que são jogadores e jagadoras bem vivos, em carne e osso. As regras são parecidas e o público se diverte.

O pebolim de gente é muito mais cansativo que o outro. Cada partida tem apenas dois tempos de 5 minutos. São 6 jogadores de cada time: goleiro, 2 defesas e 3 atacantes, como no jogo tradicional.

Campo tem 100 ms quadrados

A bola é de espuma e os jogadores são fixados a umas barras, de onde não podem tirar as mãos nem mudar de posição. A barra só se move lateralmente. O "gramado" é um retângulo inflável e tem 100 metros quadradros. As barras são fixadas nas margens do campo.

No mais, vale quase tudo: drible, cabeçada, peitada etc. Embora muito divertido, os praticamentes afirmam que trata-se de um verdadeiro esporte que exige resistência, agilidade e muita sincronização.

Conhecido como Mundial de Octoduro, o pebolim humano foi imaginado para o jogador viver o jogo de dentro e não apenas de cima da mesa, como no jogo tradicional.

O objetivo foi atingido. A Praça Central de Martigny, pelos menos às sextas-feiras, das 18hs30 às 20hs30, fica cheia de curiosos para ver a novidade.

swissinfo

×