Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Suíços podem emigrar livremente para a União Européia

A partir de 1°de junho, suíços poderão mudar livremente para os países da UE.

(Keystone)

A partir de 1°de junho, os suíços terão os mesmos direitos dos europeus nos 15 países da UE e da EFTA, Associação Européia de Livre Comércio.

Nessa data, acaba o prazo transitório nos acordos bilaterais assinados dois anos atrás com a UE. O interesse em emigrar aumenta.

A partir de 1° de junho, os suíços e suas famílias poderão morar, trabalhar e adquirir propriedades nos 15 países da União Européia e da EFTA - Associação Européia de Livre Comércio.

Dificuldades nas regiões periféricas

Anteriormente, os suíços só podiam obter autorizações de trabalho na UE se tivessem competência profissional superior a de um cidadão europeu.

Na prática, desde que entraram em vigor os acordos bilaterais com a UE, em junho de 2002, os europeus começaram a dar autorizações de trabalho para os suíços sem esperar o prazo transitório de dois anos.

Foi o caso especialmente da Alemanha, Inglaterra, Dinamarca, Finlândia, Grécia, Irlanda, Itália, Holanda e Suécia. A partir de 1° de junho próximo, Áustria, França, Bélgica, Espanha, Luxemburgo e Portugal terão de fazer o mesmo.

Mas os suíços ainda encontram alguns problemas. "Nas capitais não há problema, mas nas regiões periféicas a administração não sabe muitas vezes que os suíços devem ser tratados como europeus", afirma Mario Tuor, porta-voz da Divisão Federal de Imigração, Integração e Emigração (IMES), em Berna.

Interesse pela França

Com essas facilidades os suíços vão emigrar mais? Por enquanto é difícil saber porque ainda não existem estatísticas. Mas a IMES airma que o número de pedidos de informação para emigrar está crescendo. "Cerca de 40% dos pedidos são para países da UE enquanto eram de um terço antes dos acordos", informa Roland Flückiger, chefe da seção emigração.

Na lista de interesse, a França (onde vivem 25% dos mais de 600 mil suíços do estrangeiro) aparece em primeiro lugar seguida da Alemanha e da Grã-Bretanha. A IMES informa gratuitamente os suíços interessados em emigrar.

O perfil mais comum da pessoa que emigra está na faixa de 20 a 35 anos, bem formado e que tenciona passar dois ou três anos fora para um aperfeiçoamento profissional, afirma Flückiger.

Apesar das facilidades administrativas, o problema maior continua a ser o emprego. Alguns partem da Suíça com o contrato na mão; outros arriscam e terão um prazo de três meses para arrumar emprego.

Tudo pode voltar atrás



A partir de maio, a União Européia terá 25 países e a Suíça negocia atualmente uma extensão do acordo de livre circulação das pessoas. Mas Mario Tudor acredita que "não será possível para os suíços se instalares nos dez novos países da UE, antes de 2005.

Uma outra incerteza paira no ar. Dentro de 5 anos, os suíços terão a possiblidade de lançar um referendo popular sobre o acordo de livre circulação com a UE. Se nesse eventual referendo, a maioria votar não, os acordos perderiam efeito e os suíços não poderiam mais se instalar com tanta facilidades nos países da União Européia.

swissinfo com agências


Links

×