Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Suíços rejeitam restrição do direito de asilo

Primeiros resultados indicam que restrição do asilo foi rejeitada.

(swissinfo.ch)

Pour ínfima maioria, os eleitores suíços votaram no final de semana contra uma proposta da direita nacionalista que queria restringir o direito de asilo no país. A diferença foi de menos de 3 mil em 2,5 milhões de votos.

Continua em vigor, portanto, a política de asilo praticada atualmente.

No entanto, como a margem de votos é muita estreita, os resultados definitivos só serão divulgados dentro de alguns dias. Com exceção do Cantão de Genebra, a Suíça ainda não dispõe de um sistema de voto eletrônico como no Brasil.

A proposta de restrição do direito de asilo foi da União Democrática do Centro, UDC, o partido mais à direita dos 4 maiores partidos que governam a Suíça. Apresentada sob a forma de iniciativa popular, a UDC reuniu 100 mil assinaturas para poder submetê-la ao voto, elemento essencial do sistema de democracia direta que vigora na Suíça.

Segundo as primeiras estimativas, a maioria dos 26 Cantões (estados) votou a favor da restrição do direito de asilo mas a maioria dos eleitores votou contra.

A aprovação de uma iniciativa requer a dupla maioria, do povo e dos Cantões. Isso é possível porque em ceros Cantões a população é mais conservadora do que em outros.

Suíça dividida

Como geralmente ocorre em questões polêmicas como a do asilo, os resultados mostram um país dividido. Os 6 Cantões da Suíça de expressão francesa votaram contra a restrição do direito de asilo. Berna, Basiléia, Ticino (Suíça de língua italiana, Lucerna e Zoug também votaram contra.

O voto mais nítido contra a iniciativa ocorreu no Jura (60%) Vaud e Valais (58%). Nas Cantões da Suíça central, a restrição do asilo foi aprovada entre 60 e 63%.

O voto não é obrigatório na Suíça. A participação foi de 46,7% dos eleitores, o que está na médias das votações que ocorrem várias vezes por ano.

swissinfo com agências

×