Pesticidas contaminam 93% das fazendas orgânicas suíças

A maioria dos campos das fazendas orgânicas do planalto suíço está contaminada com pesticidas, revela um estudo da Universidade de Neuchâtel.

Os pesquisadores suíços descobriram resíduos de pesticidas em 93% das fazendas orgânicas, além das fazendas convencionais Keystone

Os pesquisadores coletaram mais de 700 amostras de solo e plantas de 62 fazendas e procuraram vestígios de neonicotinóides, uma classe de inseticida que é quimicamente semelhante à nicotina e que às vezes é usado para proteger as culturas de pragas e insetos.

Os resíduos foram encontrados não apenas em fazendas convencionais, mas também em 93% das fazendas orgânicas, bem como nos solos e plantas de 80% das áreas de compensação ecológica, onde tais inseticidas sintéticos são proibidos.

A água e o vento poderiam ter contaminado as áreas biológicas e de compensação, de acordo com os pesquisadores. As quantidades de resíduos tóxicos encontrados em campos orgânicos e áreas de compensação foram tão altas que até 7% dos organismos auxiliares, como os zangões, podem ter sido afetados.

'Assustador'

A Bio Suisse, a principal organização do setor, descreve a notícia como "assustadora". Ela exige restrições mais rigorosas aos pesticidas nocivos. O Departamento Federal da Agricultura observa que três das cinco substâncias encontradas já foram banidas.

As vendas totais de alimentos orgânicos na Suíça excederam o equivalente a 3 bilhões de dólares no ano passado. Mais da metade dos consumidores compram alimentos orgânicos várias vezes por semana, de acordo com a Bio Suisse. A agricultura orgânica representa 15,4% das terras agrícolas utilizadas no país.

Situado entre a cordilheira do Jura e os Alpes, o planalto suíço é a região mais densamente povoada do país. A região abrange os cantões de Zurique, Turgóvia e Genebra. Incorpora grandes faixas de Lucerna, Argóvia, Solothurn, Berna, Friburgo e Vaud, bem como bolsões menores em Neuchâtel, Zug, Schwyz, St Gallen e Schaffhausen.


​​​

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo