Suprema Corte dos EUA ouvirá proposta de Trump para excluir imigrantes ilegais de representação

16/10/2020 REUTERS/Carlos Barria reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 17. outubro 2020 - 00:46

Por Lawrence Hurley e Andrew Chung

WASHINGTON (Reuters) - A Suprema Corte dos Estados Unidos concordou na sexta-feira em ouvir os argumentos orais sobre os esforços do presidente Donald Trump para excluir os imigrantes ilegais dos totais populacionais usados para alocar distritos eleitorais nos Estados.

O tribunal, que provavelmente em breve terá uma maioria conservadora de 6-3 se o Senado controlado pelos republicanos confirmar a indicada de Trump Amy Coney, fará audiência sobre o caso em 30 de novembro.

Os opositores da diretiva de Trump, incluindo vários Estados liderados por Nova York, cidades, condados e grupos de direitos dos imigrantes, disseram que isso poderia deixar milhões de pessoas incontáveis e provavelmente fazer com que Califórnia, Texas e Nova Jersey percam assentos na Câmara dos Deputados dos EUA.

Trump "busca realocar o poder político entre os Estados e enfraquecer a influência política dos Estados com populações maiores de imigrantes sem documentos", disseram os contestadores da ação em um processo judicial.

Eles alegaram que a política também poderia impedir as pessoas de participar do censo e argumentaram que ela viola a Constituição e a Lei do Censo, uma lei federal que define como o censo é conduzido.

Um painel de três juízes decidiu contra o governo em setembro.

A Constituição dos EUA garante que a distribuição de assentos na Câmara dos Deputados seja baseada no "número total de pessoas em cada Estado". O número da população é derivado do censo, que ocorre a cada 10 anos.

(Reportagem de Lawrence Hurley em Washington e Andrew Chung em Nova York)

Partilhar este artigo