Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um "yellow cab" em Nova York

(afp_tickers)

Um taxista do estado de Nova York foi condenado a pagar uma multa de US$ 2.500 por cobrar tarifas exorbitantes por uma viagem de meia hora de imigrantes em situação ilegal que querem entrar no Canadá.

Desde que Donald Trump foi eleito presidente, dezenas de imigrantes que vivem na clandestinidade têm cruzado a fronteira dos Estados Unidos com o país vizinho. A expectativa é que suas chances de obter asilo sejam maiores no Canadá.

Proprietário da pequena empresa Northern Taxi, Christopher Crowningshield pegava clientes em Plattsburgh, onde fica a última estação de trem e a última estação de ônibus antes da fronteira com o Canadá, revela o texto da acusação divulgado nesta quarta-feira (10) pelo procurador do estado de Noa York, Eric Schneiderman.

Ele os levava para Champlain, cidade fronteiriça de onde muitos imigrantes caminham de um país para o outro.

Para essa viagem de cerca de 30 km, que leva normalmente meia hora, Crowningshield cobrava US$ 300. A tarifa correta oscila entre US$ 50 e US$ 85, de acordo com a acusação.

Para enganar seus passageiros, não deixava suas tarifas à vista e, inicialmente, negava-se a dar uma estimativa do preço da viagem. Anunciava o valor apenas ao longo do trajeto.

O taxista foi condenado a pagar uma multa de US$ 2.500 e, a partir de agora, terá de expor suas tarifas. Não poderá cobrar mais do de US$ 77,50 por viagem.

Outras duas companhias de táxi dessa região, a C & L Taxi e a Town Taxi e Medical Transport, foram processadas por práticas similares.

A primeira aceitou pagar US$ 900, no âmbito de um acordo com a Procuradoria do estado de Nova York, e a outra teve de pagar uma multa de US$ 350.

Ambas se comprometeram a publicar suas tarifas e a não cobrar acima de US$ 77,50 por uma viagem nesse mesmo percurso.

AFP