Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Visão geral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na sessão do julgamento da ação judicial que pede a cassação da chapa Dilma-Temer, em 6 de junho de 2017

(afp_tickers)

Desde que chegou ao poder, em maio de 2016, o presidente Michel Temer contou com o apoio dos mercados e de uma sólida maioria no Congresso, mas sua popularidade nunca decolou e sua gestão não conseguiu se descolar da sombra dos escândalos de corrupção.

- 2016

12 de maio: o então vice-presidente Michel Temer (PMDB/SP) assume a Presidência interinamente, depois de o Congresso ter aprovado o impeachment da presidente Dilma Rousseff por manipulação de contas públicas, as chamadas pedaladas fiscais.

13 de maio: Temer anuncia seu gabinete sob uma chuva de críticas por ser formado exclusivamente por homens brancos e por ter eliminado o Ministério da Cultura, decisão esta que foi revertida uma semana depois.

23 de maio: o ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB/RR), perde o cargo após a divulgação de um vídeo, no qual sugere que o impeachment de Dilma permitiria deter as investigações da Operação Lava Jato, sobre o esquema de propinas na Petrobras. Será o primeiro de uma dezena de ministros e assessores de Temer direta, ou indiretamente, atingidos pelo caso.

25 de maio: outra gravação compromete o então presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB/AL).

30 de maio: nova gravação leva à renúncia do ministro da Transparência, Fabiano Silveira, por criticar a investigação sobre a Petrobras em conversas com Calheiros e com Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, subsidiária da petroleira.

15 de junho: no âmbito de uma delação premiada, Sérgio Machado afirma que Temer lhe pediu pessoalmente recursos procedentes do esquema de propinas da Petrobras para financiar a campanha de um deputado federal à prefeitura de São Paulo em 2012. No dia seguinte, Temer diz que essa delação é "mentirosa e criminosa".

16 de junho: o ministro do Turismo, Henrique Alves (PMDB/RN), renuncia ao cargo, após ser igualmente acusado de receber propina de Sérgio Machado.

31 de agosto: o Congresso vota pelo impeachment de Dilma. Temer assume a Presidência para completar o mandato até dezembro de 2018.

9 de setembro: Temer substitui o Advogado-geral da União, Fábio Medina Osório, por Grace Maria Fernandes Mendonça, a primeira mulher de seu gabinete. Osório afirma que foi destituído por ter "contrariado muitos interesses" e denuncia o governo por tentar sufocar a "Lava Jato".

19 de outubro: o ex-presidente da Câmara de Deputados Eduardo Cunha (PMDB/RJ), arquiteto do impeachment de Dilma, é detido. No fim de março de 2017, ele será condenado a 15 anos e 4 meses de prisão, no âmbito das investigações da 'Lava Jato'.

18 de novembro: o então ministro da Cultura, Marcelo Calero, renuncia ao cargo, alegando "motivos pessoais". No dia seguinte, acusa o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB/BA), de tráfico de influência.

25 de novembro: Geddel Vieira Lima renuncia ao cargo.

27 de novembro: Temer afirma que, caso seja aprovada, vetará uma tentativa de membros do Congresso de acordar uma autoanistia por delitos de "Caixa 2" em campanhas eleitorais.

13 de dezembro: o Congresso aprova o congelamento de gastos públicos por 20 anos, a primeira das medidas impopulares de austeridade que Temer propõe para recuperar a confiança dos mercados e tirar o país da pior recessão de sua história.

- 2017

22 de fevereiro: o então ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB/SP), renuncia, alegando motivos de saúde. Ele é substituído por Aloysio Nunes (PSDB/SP).

14 de março: o Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, solicita a abertura de 83 inquéritos contra políticos com foro privilegiado com base nas delações de 77 ex-executivos da Odebrecht no âmbito das investigações da 'Lava Jato'.

11 de abril: o ministro Luis Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autoriza a Procuradoria-Geral da República (PGR) a abrir investigações sobre oito ministros, 29 senadores, ao menos 40 deputados e três governadores.

17 de maio: o jornal O Globo divulga parte do conteúdo de uma gravação de um dos donos da JBS, Joesley Batista, que põe o presidente Michel Temer na mira, por aparentemente dar seu aval a um suposto pagamento de propinas.

18 de maio: "Não renunciarei", diz Temer. O então ministro da Cultura, Roberto Freire (PPS/SP), apresenta sua demissão.

19 de maio: o STF autoriza investigação contra Temer por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução da Justiça.

21 de maio: o PSDB, principal aliado do PMDB, suspende uma reunião, na qual deveria decidir se permaneceria na coalizão. O partido condiciona sua decisão à sentença do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que poderá anular o mandato de Temer.

3 de junho: ex-assessor de Temer, Rodrigo Rocha Loures (PMDB/PR) é detido em Brasília. Apontado como intermediário do presidente, ele foi filmado recebendo uma mala de dinheiro da JBS.

6 de junho: a Polícia detém o ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves por esquema de propina do Arena das Dunas (Natal), estádio da Copa do Mundo de 2014.

O TSE abre sessão para retomar o julgamento sobre a cassação da chapa Dilma-Temer, vencedora das eleições de 2014, por suspeitas de abuso de poder e financiamento ilícito da campanha.

AFP