A semana em números: alertas de avalanche deixam o país em suspenso

Cerca de 13.000 turistas ficaram ilhados na estação de esqui de Zermatt por causa da ameaça de avalanches Keystone

Por trás de quase todas as histórias sobre a Suíça há um ou mais números. Leia aqui um resumo das estatísticas mais interessantes da semana que passou.

Este conteúdo foi publicado em 13. janeiro 2018 - 15:00

Segunda-feira

2

graus é o quanto vai cair a temperatura média nos vagões de trem da área de Zurique, como parte de um experimento das ferrovias federais suíças para diminuir o calor e economizar energia.

5

é o nível máximo de alerta de avalanche, e foi emitido para grandes partes do sul da Suíça. Mais para o fim da semana, o acesso à cidade de Zermatt foi bloqueado por vários dias por causa das ameaças de avalanches.

Terça-feira

5.000

O Tribunal Europeu de Direitos Humanos ordenou à Suíça que pagasse 5.000 euros (CHF 5.860) a um grupo anti-racismo por infringir a liberdade de expressão do grupo. Os tribunais suíços haviam forçado o grupo a remover comentários on-line citando o discurso de um político como "racismo verbal", uma decisão segundo a qual o tribunal europeu não concordou.

18

Esse é o número de anos que se passaram desde que o último presidente dos Estados Unidos viajou para o Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos. Na terça-feira, o presidente Donald Trump anunciou seus planos para se tornar o primeiro chefe de estado dos EUA desde Bill Clinton em 2000 a participar da reunião anual dos grandes líderes da política e da economia globais na cidade alpina.

Quarta-feira

10,1%

A taxa de imposto corporativo no cantão suiço de Nidwalden é de 10,1%. O cantão ficou em segundo lugar em um ranking global de destinos atraentes para empresas. Mas a BAK, a instituição por trás do índice, advertiu que as reformas fiscais em curso para empresas americanas poderiam mudar a equação para muitos destinos anteriormente lucrativos, incluindo a Suíça

Quinta-feira

14.000

O valor de um bitcoin aumentou para US$ 14.000 no dia em que a empresa chinesa de mineração criptográfica Bitmain Technologies anunciou que estava instalando uma filial na Suíça. A nação alpina tornou-se uma espécie de centro para as operações de cryptomoedas, dando novo alento para vilarejos que estavam quase morrendo.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo