Fatos em números: altos ventos marcam a entrada do ano

Com ventos de quase 200km/h, a tempestade de inverno Burglind (ou Eleanor na França) derrubou a árvore de natal de 13 metros em frente à estação de trens de Berna. © KEYSTONE / URS FLUEELER

Quase todo artigo publicado pela swissinfo.ch contém uma percentagem, uma idade, um valor em dinheiro ou algum outro número. Veja aqui um resumo das estatísticas mais interessantes que apareceram nas notícias da última semana. 

Este conteúdo foi publicado em 06. janeiro 2018 - 14:32

Segunda-feira

45

Aos 45 anos de idade, Alain Berset é o mais jovem político a assumir a presidência da Confederação desde 1934. Em entrevista à swissinfo.ch, Berset se mantém cauteloso a respeito de mudanças nas relações da Suíça com a União Europeia (UE) e fala sobre a possibilidade de que o país esteja passando por uma fase de protestos nas urnas.

Terça-feira

78,000

Uma exposição da controversa coleção de arte de Cornelius Gurlitt foi considerada um enorme sucesso. O Museu de Arte de Berna registrou mais de 78.000 visitantes entre novembro e o fim de dezembro. Isso significa mais de 1.500 entradas por dia. A exposição fica em cartaz até o início de março. 

Quarta-feira

30

A organização ambiental Pro Natura anunciou o animal do ano: a doninha de rabo curto, também conhecida como arminho ou fuinha. O esbelto animal costumava viver por todo o país, mas o seu habitat nas regiões mais baixas até a altitude de 3.000 metros tem sido ameaçado nos últimos anos. Em média, a doninha pesa cerca de 30 gramas e mede 30 centímetros de comprimento.

Quarta-feira

200

A tempestade de inverno Burglind (ou Eleanor) varreu a Suíça, deixando um rastro de destruição, descarrilando um vagão de trem, bloqueando estradas e cancelando voos. Foram registrados ventos de quase 200 km/h (nas altitudes) e de 171 km/h (nas terras baixas). A polícia de alguns cantões recomendou que as pessoas permanecessem em casa. 

Quinta-feira

41

Mais de 41 horas e 10 minutos? Na Suíça essa é a jornada semanal média de trabalho para pessoas com empregos em período integral - relativamente pouco, se comparado com a maioria dos países desenvolvidos. Como foi que a Suíça alcançou tal situação, e por que tanto os sindicatos quanto as associações patronais estão tão estressadas por isso?

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo