Navigation

Trabalho infantil volta a aumentar pela primeira vez em duas décadas

Os fabricantes suíços de chocolate têm lutado para erradicar o trabalho infantil na cadeia de fornecimento de avelãs originárias da região do Mar Negro da Turquia. Dominique Soguel

O mundo testemunhou o primeiro aumento do trabalho infantil em 20 anos e a crise do coronavírus ameaça empurrar mais milhões de menores para o mesmo destino, disseram as Nações Unidas na quinta-feira.

Este conteúdo foi publicado em 11. junho 2021 - 10:58
swissinfo.ch/ds

As multinacionais suíças, da gigante alimentar Nestlé às mineradoras Glencore e Trafigura, têm lutado para erradicar o trabalho infantil de suas cadeias de abastecimento e das comunidades onde trabalham. A questão trouxe danos à reputação em algumas ocasiões e progresso em outras. 

Em um relatório conjunto, a Organização Internacional do Trabalho e a agência da ONU para a infância UNICEF, reportaram que o número de crianças trabalhadoras era de 160 milhões no início de 2020. Isso marca um aumento de 8,4 milhões em quatro anos, com o maior aumento verificado na África, devido ao crescimento populacional, crises e pobreza.  

"Estamos perdendo terreno na luta contra o trabalho infantil, e o último ano não facilitou nosso esforço", disse o diretor executivo da UNICEF, Henrietta Fore, numa declaração antes do Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, no sábado. 

Efeito Covid

As crianças entre cinco e 11 anos de idade respondem agora por mais da metade do total global. O aumento do investimento no desenvolvimento rural e na agricultura, um setor que responde por 70% do trabalho infantil, desempenha um papel importante. O relatório adverte que mais crianças estão empreendendo trabalhos perigosos que podem prejudicar sua saúde ou segurança.  

"Se olharmos para o impacto da Covid-19, isso nos dá motivos adicionais de preocupação", disse Claudia Cappa, uma das autoras do relatório e conselheira sênior da UNICEF.   

O relatório reflete as pesquisas realizadas antes da pandemia. Os choques econômicos relacionados à pandemia e o fechamento de escolas significam que as crianças trabalhadoras podem agora estar trabalhando mais horas ou em condições mais difíceis. A ONU diz que é necessária uma ação urgente para atingir o objetivo de acabar com esta prática até 2025.  

Os ganhos obtidos desde 2000 - quando 246 milhões de crianças estavam trabalhando - estão em jogo. O relatório adverte que o número pode aumentar para 206 milhões até o final de 2022 se os governos introduzirem medidas de austeridade ou não protegerem os vulneráveis.  


Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.