Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Transgênicos chegam à Europa

O milho geneticamente modificado da Syngenta representa apenas uma pequena parte dos negócios da empresa suíça.

(Keystone)

Syngenta, empresa suíça e a maior do mundo no setor agroquímico, recebe autorização da União Européia para vender no velho continente milho transgênico.

Comissão Européia decidiu ontem acabar com a moratória contra organismos geneticamente modificados.

Essa decisão irá permitir a Syngenta, empresa suíça com sede na Basiléia, a comercializar a espécie de milho doce patenteada com a sigla Bt-11, conhecida por resistir a um inseto (pyrale) e a um herbicida (glufosinate ammonium). Esse é o primeiro organismo geneticamente modificado a ser autorizado desde 1998. Sua comercialização será permitida durante dez anos.

A novidade é que, pela primeira vez, a Comissão Européia autoriza a venda de transgênicos nos seus mercados. A porta aberta deve servir a outros trinta produtos que estão na lista de espera para autorização. “O milho é apenas um produto entre outros”, constata Markus Payer, porta-voz da Syngenta. “A decisão da Comissão é um progresso do ponto de vista político”.

Porém a questão crucial continua: como o mercado e, por conseqüência, os consumidores irão reagir? Para o representante da empresa suíça a resposta é menos clara: - “Esse será um longo processo”.

O Bt-11 não será destinado ao consumo humano e também não será cultivado na Europa, pois do ponto de vista ecológico, essa nova espécie de vegetal poderá causar uma contaminação do meio-ambiente.

Preocupação nas cidades

A decisão favorável da União Européia termina com um debate de cinco anos sobre a utilização do milho doce Bt-11. Isso, pois a oposição popular ao transgênico foi considerável.

Segundo as pesquisas de opinião, muitos europeus, incluindo os suíços, temem o possível impacto causado pela utilização de transgênicos na alimentação e na natureza. Muitos acreditam até que a agricultura em larga escala dessas espécies “turbinadas” pelas mãos humanas representa um grave risco a saúde humana.

Sensíveis aos temores causados, os governos europeus terminaram por apoiar em 1999 uma moratória na introdução de produtos fabricados à base de transgênicos. Mesmo em 2004, os ministros europeus da agricultura não conseguiram entrar em acordo com relação ao uso do Bt-11.

Afinal, a Europa privilegiou durante anos uma política prudente em matéria de segurança alimentar e de legislação ambiental. No final do debate, é curioso identificar que a própria Comissão Européia liberou a utilização de transgênicos em todos os 25 países membros.

Autorização simbólica

Para os especialistas, a autorização do Bt-11 é mais simbólica, pois o milho genético será claramente identificado como “transgênico” assim que aparecer nas prateleiras de supermercado.

“Será muito fácil de reconhecê-lo”, lembra Markus Prayer, que constata, ao mesmo tempo, que essa decisão não terá praticamente impacto no faturamento total da Syngenta.

“Os transgênicos não correspondem a mais de 3% da venda geral no planeta, sendo que o Bt-11 representa apenas uma pequena parte do negócio”.

Guerra do milho

Em surdina, a decisão da Comissão Européia abre as portas de um novo mercado para empresas como a Syngenta e faz crescer a competição no mercado, sobretudo contra gigantes como os americanos da Monsanto.

As duas companhias brigam publicamente na questão do emprego de milho geneticamente modificado na América do Norte. Monsanto acusa a Syngenta de copiar seus produtos e tenta bloquear a utilização pela empresa suíça de uma técnica que permite cultivar plantas tolerantes aos glifosfatos, que resistem a um certo número de pesticidas comuns. Essa é uma tecnologia que permite aos agricultores a tratar campos de milho contra ervas daninhas, sem prejudicar suas colheitas.

Esse é o mais recente embate de empresas, na crescente concorrência mundial pelo mercado de transgênicos.

Syngenta foi criada em 2002 através da fusão das unidades agroquímicas dos gigantes farmacêuticos Novartsi e Astrazeneca. A empresa é atualmente um dos principais fornecedores mundiais de grãos e de tecnologias de controle de parasitas.

Monsanto espera crescer ainda mais, sobretudo devido ao aumento das vendas de milho geneticamente modificado. O setor deve ser tão lucrativo, que a empresa americana chegou mesmo a declarar na semana passada, que está abandonando os projetos de trigo transgênicos.

swissinfo, Jacob Greber
tradução de Alexander Thoele


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×