Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Girish Gupta

CARACAS (Reuters) - A empresa de aviação United Airlines irá encerrar seus voos diários para a Caracas, aumentando ainda mais o isolamento do país, depois que as principais companhias mundiais deixaram de voar para a Venezuela.

Muitas empresas deixaram o país depois de uma interminável disputa que, alegam as aéreas, o governo venezuelano deve a elas. De acordo com as empresas, o governo de Nicolás Maduro recusa-se a reembolsar as companhias em dólares pelas vendas feitas em moeda nacional.

De acordo com a Associação Internacional de Transportes Aéreos, 3,78 bilhões de dólares eram devidos a empresas aéreas internacionais pelo governo venezuelano.

United, que voa diariamente entre Caracas e Houston, no Texas, confirmou à Reuters que irá suspender a rota, mas afirma que a decisão não tem relação com a disputa sobre pagamentos. De acordo com a empresa, apesar dos voos serem populares entre executivos da indústria petrolífera e venezuelanos que moram nos Estados Unidos, eles têm atraído poucos turistas e tem baixa ocupação.

"Em todos os mercados que atuamos, revisamos continuamente as demandas e, porque o voo Caracas-Houston não vêm atendendo nossas expectativas financeiras, decidimos suspendê-lo", disse à Reuters por e-mail o porta-voz da empresa Charles Hobart.

Algumas empresas aéreas, incluindo a panamenha Copa e a colombiana Avianca, assim como a Air France, ainda operam na Venezuela.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters