Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Unspunnenfest: a mais suíça das festas

A primeira Festa de Unspunnen foi realizada em 17 de agosto de 1805 em Interlaken (unterseen.ch)

De um a três de setembro Interlaken, cidade turística no coração dos Alpes, se transforma na capital do folclore helvético: a Festa de Unspunnen, que comemorou 200 anos em 2005.

Adiada no ano passado devido às inundações, o evento é uma comemoração única de danças, lutas e até mesmo de lançamento de gigantescas pedras.

As lembranças das enchentes de agosto de 2005 ainda estão marcadas na memória. Além dos prejuízos e do choque vivido por muitos habitantes da Suíça, outra conseqüência triste da catástrofe foi o adiamento da Festa de Unspunnen, uma das mais importantes tradições do país dos Alpes.

Há pouco mais de duzentos anos o evento, que também é conhecido como "Festa Suíça do Folclore e dos Pastores", reúne com pausas irregulares homens e mulheres em uma grande comemoração da vida do campo. Depois das chuvas, a sétima edição da Festa de Unspunnen está agora para ser realizada entre 1 e 3 de setembro em Interlaken, uma das cidades mais turísticas da região de montanhas do cantão de Berna.

Reforçar o patriotismo

A primeira Festa de Unspunnen ocorreu em 17 de agosto de 1805, nas proximidades das ruínas de Unspunnen, o que explica a origem do nome. Essa localidade, cercada pelo cenário majestoso das montanhas alpinas Eiger, Mönch e Jungfrau, está próximo de Interlaken.

Na época ela havia sido organizada pelos quatro aristocratas do cantão de Berna para reforçar o sentimento patriótico dos cidadãos depois da invasão do país por tropas napoleônicas (1798-1803) e também apaziguar as diferenças entre os habitantes da cidade e do campo. Um dos iniciantes, o Niklaus Friedrich von Mülinen, escreveu em 1805: "Essa festa é comemorada para fazer reviver valiosas tradições dos nossos ancestrais. Entre os suíços deve ser reforçada a amizade, sobretudo entre os pastores das montanhas e habitantes do campo e os das cidades. O bem-estar e a união devem florescer mais uma vez, fatores que dão força, fama e sorte à nossa pátria".

Cerca de 600 pessoas participaram da primeira festa. Devido à falta de hotéis ou pensões, inexistentes na época, os visitantes foram abrigados nas casas dos moradores. Curiosamente Interlaken é hoje uma das cidades com a melhor infra-estrutura para o turismo: 65 hotéis com 4.500 camas e 90 restaurantes.

Depois da primeira festa e da segunda edição, ocorrida em 1808, durante cem anos a Unspunnenfest não foi mais comemorada. O objetivo de unir o campo e a cidade do cantão de Berna acabou não sendo alcançado pelos seus criadores. "As crescentes diferenças políticas e econômicas entre esses os dois mundos eram insolúveis", escreveu Rudolf Gallati e Christoph Wyss, autores do livro "Unspunnen", sobre as origens da festa.

Em 1814, quando diversas revoltas eclodiram nos meios rurais contra o domínio da nobreza urbana, a Unspunnenfest caiu no esquecimento.

Recomeço

Em 1905, diversas associações folclóricas se uniram para lançar a terceira edição da Festa de Unspunnen. Dessa vez o objetivo não era apenas de reviver uma tradição, mas também revitalizar a economia da região. A Suíça comemorava 100 anos do turismo de massas, um setor de importância crescente nas próximas décadas. De 24 e 27 de junho, o início do verão europeu, enfim a Unspunnenfest era mais uma vez comemorada.

A terceira edição também foi marcada pela introdução de outras manifestações folclóricas como os corais de cantores alpinos, competições de ginásticas, tiro, lançamento de pedra e também de "Swingen", a tradicional luta alpina onde dois concorrentes tentam colocar o adversário no chão segurando nos seus calções de couro.

Depois da festa de 1905, a Festa de Unspunnen ainda foi organizada em 1946, 1955, 1968 e 1981 1993. Em 2005, quando ela estaria comemorando 200 anos, os organizadores decidiram adiá-la em solidariedade às comunas prejudicadas por fortes inundações de agosto. Nesse ano ela volta com toda força.

Três dias de festa

A última edição da Festa de Unspunnen terá cinco mil participantes, dois mil cantores de músicas alpinas e 200 lutadores e lançadores de pedras. Se o tempo não atrapalhar, 40 mil espectadores irão assistir os eventos, que também incluem um desfile no centro de Interlaken e bailes.

De 1 a 3 de setembro mais de 100 horas de atividades serão oferecidas em Interlaken. O ponto alto da festa será o desfile, onde 80 diferentes cenários da vida do campo e nas cidades na Suíça serão exibidas, inclusive também "algumas surpresas", como prometem os organizadores.

swissinfo, Alexander Thoele

Fatos

A festa de Unspunnen ocorre entre 1 e 3 de setembro de 2006, em Interlaken (cantão de Berna).
O evento conta com quatro mil participantes ativos, 1.500 voluntários e cerca de cinqüenta mil visitantes.
Orçamento: 2 milhões de francos suíços.

Aqui termina o infobox

A pedra de Unspunnen

A pedra de Unspunnen é um pedregulho de granito de 83,5 quilos. Desde 1805, ela é lançada em uma competição que se realiza durante a tradicional festa de Unspunnen, em Interlaken. Nela ganha quem conseguir lançar mais a pedra o mais distante possível.

Ela também é motivo de disputa política, tendo sido roubada duas vezes por independentistas da região do Jura. Até hoje ela não foi encontrada.

Sua origem ocorreu em 1805, quando camponeses do cantão do Appenzell trouxeram para Interlaken uma pedra de lançamento com 184 libras (92 quilos). Depois do evento, ela desapareceu e nunca mais foi reencontrada. Para a segunda festa, os organizadores prepararam uma outra pedra, dessa vez com 167 libras (83,5 quilos).

A partir de 1947, o lançamento da pedra de Unspunnen passou a fazer parte do programa oficial de competições da festa folclórica de Unspunnen.

Em 1984, a pedra foi roubada do Museu de Turismo de Interlaken por um grupo intitulado "Béliers", jovens separatistas. O grupo exigia a liberação da região do Jura (norte da Suíça) do cantão de Berna. Devido ao seqüestro da pedra, os organizadores da Unspunnenfest prepararam uma réplica da original.

Em agosto de 2001, a pedra original foi devolvida à embaixatriz Shawne Fielding-Borer, sendo confirmada logo depois sua veracidade.

Em agosto de 2005, a pedra foi roubada mais uma vez do hotel Jungfrau Viktoria por separatistas do Jura. A festa também acabou adiada devido às fortes chuvas e conseqüente inundação de grande parte da Suíça central.

Em 2006, os competidores do lançamento de pedra irão utilizar mais uma vez a réplica.

Aqui termina o infobox


Links

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

×