Navigation

Viagem ao centro da terra

Foto de abertura mostra os detalhes das máquinas utilizadas na obra subterrânea. Maurice Schobinger

Um livro intitulado “Gotthard via subalpina” abre as portas para o monumental canteiro de obras do que será o mais longo túnel do mundo.

Este conteúdo foi publicado em 18. setembro 2003 - 10:51

Os autores da obra, o engenheiro Nicolas Steinmann e o fotógrafo Maurice trazem números e imagens que impressionam.

Alguns números para começar: duas galerias de 57 quilômetros, ligadas entre si por 175 canais de comunicação. As brocas conseguem avançar 20 metros diariamente no granito. Apenas 25 centímetros de erro máximo são tolerados nas junções das diferentes partes do túnel.

“O entulho provocado pela obra corresponde a cinco vezes a pirâmide de Keóps. Com uma parte desse material nós iremos construir pequenas ilhas artificiais no lago dos Quatro Cantões”.

Acima do arco do túnel, as camadas de rochas podem ter mais de 2.300 metros de espessura. Na obra trabalham mais de 1.800 operários.

Essas outras informações são dadas com orgulho por Nicolas Steinmann, engenheiro no consórcio AlpTransit Gotthard no livro lançado no final de 2002.

Aproximação cultural

Porém não é apenas a técnica que predomina nessa obra escrita em três idiomas. Moritz Leuenberger, ministro dos Transportes, escreveu no prefácio suas considerações. “Os atores não se reduziram a descrever apenas o aspecto técnico, mas também abordaram suas dimensões culturais”.

Os operários, por exemplo, vêm de uma dezena de diferentes países. No contexto histórico-geográfico do Gotthard: o eixo “natural” de comunicação entre norte e sul da Europa há séculos. Mesmo a Suíça nasceu na parte norte desse maciço de montanhas.

Como Nicolas Steinmann teve a idéia de escrever um livro sobre o tema? Ele próprio responde à questão: - "A idéia veio da constatação que os suíços da parte francesa se interessavam pouco pelas obras no Gotthard.

Sobre o Gotthard

Atualmente dois túneis atravessam o Gotthard: o primeiro, ferroviário, localizado entre Göschenen et Airolo, foi construído em 1882. O segundo é utilizado por automóveis e caminhões e foi concluído em 1980.

AlpTransit Gotthard, empresa ligada à Rede Ferroviária Federal Suíça, foi criada para construir o novo eixo do Gotthard, ou seja, três túneis: um no Monte Ceneri no cantão do Tessim, o novo túnel do Gotthard e, finalmente o Zimmerberg, ao sul de Zurique.

Esse complexo ferroviário irá permitir uma viagem de 2 horas e 40 minutos entre Zurique e Milão, ao invés da duração atual de 4 horas e 20 minutos. Os trens de carga irão poderão tirar centenas de caminhões das estradas suíças e italianas.

O túnel do Gotthard terá 57 quilômetros de distância e entrará em funcionamento a partir de 2014. Ele será o túnel mais longo do mundo. Em alguns trechos chega a subir 520 metros acima do nível do mar, por dentro da montanha.

Nicolas Steinmann, engenheiro e funcionário da AlpTransit Gotthard, é chefe de projeto para equipamento elétricos e trabalha na obra desde 1994.

Maurice Schobingen nasceu em Vevey em 1960. O fotógrafo realiza trabalhos de arquitetura, indústria, obras de construção e paisagens, sobretudo de montanha.


swissinfo, Bernard Léchot
adaptação de Alexander Thoele

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?