Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

#WeAreSwissAbroad Pierre-Yves Donzé: de uma "nação cosmopolita" ao Japão

Ele é originário de La Chaux-de-Fonds e se tornou professor de história econômica em Osaka, Japão. Pierre-Yves Donzé ensina hoje sobre a história da indústria com uma perspectiva transnacional e global, a história de multinacionais e da tecnologia. A sua especialidade é a indústria relojoeira. 

Pierre-Yves Donzé ist Professor an der Graduate School of Economics der Universität Osaka.

(pd)

swissinfo.ch: Por que você é suíço do estrangeiro? Há quanto tempo já vive no Japão?

Pierre-Yves Donzé: Eu cheguei em 2006 para fazer um pós-doutorado na Universidade de Kyoto, no país da minha esposa, depois de ter concluído o doutorado em Neuchâtel. Agora já estou há dez anos no Japão.

swissinfo.ch: A sua especialidade é a indústria relojoeira suíça. O que pensam os japoneses sobre o tema?

P.-Y.D.: Os japoneses interessam-se bastante pelas marcas suíças, mas consideram os seus produtos excessivamente caros. Eles não consideram que esses preços se justifiquem.

swissinfo.ch: Como consideram os japoneses a economia suíça?

P.-Y.D.: Normalmente os japoneses não têm a menor ideia da economia suíça, a não ser clichés como a neutralidade, o sigilo bancário ou os preços elevados. A maioria não sabe que nem todos os suíços vivem nos Alpes e que as empresas suíças têm muito sucesso no exterior. 

Dê visibilidade à Suíça no estrangeiro: marque suas fotos no Instagram com o hashtag  #WeAreSwissAbroad

A swissinfo.ch selecionará e republicará as imagens e os vídeos na nossa própria página no Instagram. Assim esperamos descobrir as histórias interessantes dos suíços do estrangeiro. Dentre elas, muitas experiências interessantes, anedotas e outras impressões.

(swissinfo.ch)

swissinfo.ch: Como as pessoas reagem quando descobrem que você vem da Suíça?

P.-Y.D.: A Suíça tem uma ótima imagem no Japão, mas infelizmente ela se limita a clichés (Heidi, neutralidade, bancos, relógios, etc.).

swissinfo.ch: Você participa das eleições e plebiscitos na Suíça?

P.-Y.D.: A princípio não participo delas. Depois de dez anos vivendo no Japão, gostaria de poder votar em nível local, mas o direito de voto para estrangeiros é algo inimaginável por aqui.

swissinfo.ch: O japonês é uma lingua difícil?

P.-Y.D.: Não é difícil, mas demanda bastante tempo.

swissinfo.ch: Você gosta do Japão?

P.-Y.D.: Aqui eu gosto de três coisas: a segurança (o Japão é o país mais seguro do mundo), a qualidade da cozinha local (também a ocidental) e a elegância das pessoas. 

Professor Pierre-Yves Donzé (d.) visitando uma empresa junto com estudantes da Universidade de Osaka.

(pd)

swissinfo.ch: Você sente falta da Suíça?

P.-Y.D.: Como viajo entre cinco a seis vezes à trabalho ou de férias à Suíça, não tenho saudades. Pelo contrário, eu acho enfadonho viver o ano inteiro na Suíça.

swissinfo.ch: O que você mais sente falta da Suíça?

P.-Y.D.: A Suíça é um país cosmopolita. Isso não é algo que você percebe quando vive na Suíça, onde muitas pessoas são bitoladas. Porém os suíços do estrangeiro são bastante abertos. Eu comecei a ter orgulho de ser suíço, de vir de uma nação cosmopolita e de viver no exterior.

Você é suíço e vive no exterior? Marque no Instagram as suas fotos com o hashtag #WeAreSwissAbroadLink externoLink externo.

As opiniões expostas neste artigo, dentre outras sobre os países de acolho e a política local, são de inteira responsabilidade da pessoa retratada e não refletem necessariamente a opinião da swissinfo.ch.

Aqui termina o infobox



Adaptação: Alexander Thoele

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.