Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Nenhuma outra nação ao mundo pode se vangloriar de ter acesso a um serviço público de tanta qualidade como o oferecido na Suíça, declara a ministra Doris Leuthard. A swissinfo.ch submeteu a sua afirmação à verificação dos fatos.

Nenhuma outra nação ao mundo pode se vangloriar de ter acesso a um serviço público de tanta qualidade como o oferecido na Suíça, declara a ministra Doris Leuthard. A swissinfo.ch submeteu a sua afirmação à verificação dos fatos.

“Temos o melhor serviço público do mundo. Por exemplo, as pessoas podem chegar em qualquer vale remoto no país com os trens ou os ônibus dos Correios”: declarou a ministra Doris Leuthard em uma entrevista publicada em 12 de maio, no jornal 20 Minutos.

Segundo a responsável no governo federal pelas pastas de Transportes, Comunicação, Meio Ambiente e Energia, esta situação mudaria se a iniciativa denominada “Em favor do serviço público”, cuja votação plebiscito está marcada para o próximo dia 5 de junho, for aceita. “A iniciativa é traiçoeira e deve enfraquecer o serviço público ao contrário de fortalecê-lo, além de abrir um rombo nas contas públicas”, observou Doris Leuthard.

Mas em que informações a ministra se baseia para afirmar que a Suíça tem o melhor serviço público do mundo? Afinal, não existe um tipo de índice internacional capaz de medir a eficiência do serviço público nos diferentes países. Porém, a declaração de Doris Leuthard pode ser verificada, ainda que apenas parcialmente e, mesmo assim, setor por setor.

Ferrovias suíças no topo

O Boston Consulting Group, multinacional ativa no setor da consultoria, publicou um documento que examina o desempenho das ferrovias nos diferentes países europeus em março de 2015. Os especialistas da empresa levaram em consideração três elementos: a intensidade do uso dos trens, a qualidade do serviço (entre eles a pontualidade) e a segurança. Pois bem, como no estudo anterior de 2012, a Suíça aparece em primeiro lugar, com uma nota geral de 7 sobre 10, diante da Suécia e da Dinamarca. 

Uma rede postal extensa

A avaliação das prestações do serviço dos Correios é mais difícil. Alguns dados da União Postal Universal (UPU) dão, pelo menos, uma ideia geral da cobertura da rede.

Os Correios Suíços reformaram a rede, nos últimos 15 anos: se em 2000 haviam 3.383 lojas de atendimento, em 2014 elas diminuíram para 2.222. Em diferentes povoados foram introduzidos serviços alternativos, por exemplo, a possibilidade de efetuar certas operações financeiras nas lojas.

Se em 2000, na Suíça, a relação era de uma filial por 2.146 habitantes, em 2014 a proporção passou de um a cada 3.500 habitantes. Como se observa no gráfico seguinte, a rede de lojas dos Correios continua extensa, mesmo sem a Suíça aparecer nos primeiros lugares.

Já sobre a pontualidade da distribuição, os Correios Suíços situam-se na parte alta da classificação. Em 2013, 97,6% das cartas registradas foram recebidas logo após um dia útil do envio, segundo dados da Comissão Federal dos Correios. Na União Europeia, mesmo as diferenças sendo mínimas (a maior parte dos países está acima dos 90%), apenas Luxemburgo podia se vangloriar de estar à altura da Suíça.

Um outro dado interessante é a superfície coberta por uma loja dos Correios. Até neste caso, a rede postal suíça pode, sem dúvida alguma, ser definida como ótima: em média, existe uma loja a cada 18,5 quilômetros quadrados. Apenas a Alemanha e os Países Baixos superam neste quesito.

Então, de verdade, a Suíça tem o melhor serviço público do mundo, como afirma Doris Leuthard? Não sejamos tão categóricos, assim. Quase certamente estamos entre os melhores.

Série

Já ouviu falar de um político no noticiário ou viu um cartaz eleitoral e se perguntou se "isso é verdade"? Em um país com um sistema altamente desenvolvido de democracia direta, os eleitores devem ser capazes de confiar no que políticos e outras figuras proeminentes estão dizendo. Nosso objetivo é verificar se as declarações factuais feitas por essas pessoas sobre a Suíça, ou assuntos atuais no país, e chegar a uma conclusão em relação à sua exatidão. Nós fazemos isso através do exame dos fatos e dando o contexto através de informações publicamente disponíveis.

Nossas verificações de fatos são objetivas e nossa escolha de declarações para verificar é imparcial.

Se você quiser sugerir alguma declaração para verificar, escreva-nos um e-mail.  


Adaptação: Guilherme Aquino, swissinfo.ch

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×