Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Abuso infantil Aumentam casos de casamento forçado de menores de idade

Uma organização suíça que tenta acabar com os casamentos forçados diz que aconselhou um número significativamente maior de crianças em 2016 do que nos anos anteriores.

Vulneráveis: crianças de outras culturas criadas na Suíça

Vulneráveis: crianças de outras culturas criadas na Suíça

(Keystone)

Cinquenta e uma crianças menores de 16 anos procuraram aconselhamento no ano passado do Centro de Competência contra o Casamento Forçado na Suíça, disse Anu Sivaganesan, responsável do centro.

"Podemos ver um aumento geral dos casamentos forçados com menores, mas é particularmente forte entre os menores de 16 anos", disse Sivaganesan ao jornal suíço Luzerner Zeitung.

A Suíça proíbe os casamentos forçados desde 2013.

Dezesseis é a idade legal mínima para o sexo consensual na Suíça. A idade mínima legal para o casamento é de 18 anos.

Dezoito também é a idade legal mínima para a prostituição, que a Suíça tem regulamentado como uma atividade econômica legal desde 1942.

Sivaganesan disse que o maior número de consultas não é apenas devido ao aumento dos casamentos forçados entre os menores, mas também como resultado de uma maior conscientização do público sobre o problema.

O centro forneceu aconselhamento para imigrantes recentes de nações em conflito, como Síria, Afeganistão, Eritreia, Somália e Iraque, onde casamentos forçados são um problema, disse Sivaganesan.

O governo suíço relatou em 2012 que os casamentos forçados eram mais comuns com mulheres jovens de famílias originárias dos Balcãs, Sri Lanka e Turquia, países antes devastados pela guerra. Destas jovens, 91% nasceram ou foram criadas na Suíça.

Em 2012, o Parlamento suíço aprovou uma série de medidas que entraram em vigor em 2013, aumentando a pena de prisão para um máximo de cinco anos para as pessoas culpadas de coagir outras em casamento. Isto aplica-se independentemente do casamento ter sido organizado fora da Suíça.

A nova lei não é uma "cura milagrosa", disse Sivaganesan, e precisa de tempo para ter mais de um efeito, mas também deve ser reforçada com medidas extras para proteger fisicamente as vítimas. Por exemplo, toda a Suíça deve seguir o modelo que a cidade de Berna fornece, ajudando as pessoas a se protegerem através de mudanças em seus nomes e endereços.

O programa inicial do governo suíço contra os casamentos forçados, lançado em meados de 2013, termina em agosto de 2017.


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

swissinfo.ch/fh

×