Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Brasileiros na Suíça


A técnica supera a força no Brazilian Jiu Jitsu


Por Irene Zwetsch


Tamanho não é documento, especialmente se você quiser praticar o Jiu-jitsu Brasileiro (BJJ – Brazilian Jiu Jitsu), a variante sul-americana do Kodokan-Judo, desenvolvida pela família Gracie no início do século XX.

Claudio Rocha com medalhas conquistadas no esporte. ((imagem retirada do site pessoal: claudiorochabjj.ch)

Claudio Rocha com medalhas conquistadas no esporte.

((imagem retirada do site pessoal: claudiorochabjj.ch)

Carlos Gracie, considerado o criador do estilo, adaptou o judô dando ênfase à luta de solo, a fim de superar a desvantagem de seu porte físico pequeno na luta contra adversários maiores. Partindo do princípio de que numa luta de solo as alavancas são mais eficientes, o que conta é a técnica e não o porte físico do lutador.

O Jiu-jitsu Brasileiro serviu de núcleo do que viria a ser a modalidade “artes marciais mistas” e se espalhou rapidamente por todo o mundo. Ele chegou a Portugal em 1996 e hoje está em 60% da Europa.

Na Suíça há dez anos, o brasileiro Claudio Rocha, natural de Salvador (BA), tornou-se uma referência nesse esporte no país. Vice-Campeão europeu em 2014, Claudio já foi duas vezes campeão no Open Zurique e acumula várias medalhas em competições na Suíça e em outros países europeus.

Ele conta que começou a praticar o Jiu-jitsu Brasileiro há 12 anos e é um apaixonado: “BJJ é bom para a minha cabeça, o meu coração e a minha saúde. Eu amo o BJJ, aqui é a minha família! “

O Jiu-jitsu Brasileiro é uma arte marcial que tem como foco a finalização e a submissão do adversário sem a utilização de socos ou chutes. As técnicas de alavanca e estrangulamento visam levar o adversário a uma posição em que ele assuma a derrota e peça para parar.

Além de praticar o BJJ, o faixa preta Claudio Rocha também é instrutor e mantém suas próprias academias. Ele ensina o esporte em Lucerna, Zurique e Romont. A idade mínima para tornar-se aluno ou aluna é 4 anos e a inscrição pode ser feita diretamente com Claudio (veja contato no final da matéria).

Os alunos e alunas de suas academias têm obtido ótimos resultados nas competições nacionais e o sonho é chegar a ser campeão europeu ou mundial. Outro sonho, que em 2016 ainda não vai se realizar, é ver o esporte fazer parte dos Jogos Olímpicos.

* O artigo foi inicialmente publicado na revista Linha Direta, do Conselho Brasileiro na Suíça (CBS) e cedida para publicação na swissinfo.ch

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

CIGA-Brasil

×

Destaque