Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

O avião Solar Impulse 2 pousou às 04h05 locais de terça-feira em Abu Dabi (21h05 de segunda-feira, hora de Brasília), concluindo a última etapa de sua inédita viagem de volta ao mundo, de mais de 42.000 km, usando o sol como única fonte de energia.



Si2, um avião para o futuro?

Si2, um avião para o futuro?

(Keystone)

A aeronave tinha decolado no domingo do Cairo, no Egito, e no último trecho de seu voo histórico foi pilotada, durante 49 horas, pelo suíço Bertrand Piccard, reportou um jornalista da AFP no local.

"O futuro é limpo. O futuro são vocês. O futuro é agora, vamos além", disse Piccard, cujo avô foi o primeiro homem a chegar à estratosfera e o pai, o primeiro a atingir o ponto mais profundo dos oceanos.

"Lancei o projeto @solarimpulse em 2003 para transmitir a mensagem de que as tecnologias limpas podem conseguir o impossível", declarou mais cedo no Twitter.

O outro piloto, o também suíço André Borschberg, destacou no Twitter que o Solar Impulse 2 "é ao mesmo tempo o primeiro avião com resistência ilimitada e a única aeronave experimental autorizada a sobrevoar as cidades".

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, expressou sua "profunda admiração" por esta iniciativa. "É um dia histórico não só para vocês, mas também para a humanidade", acrescentou Ban em uma conversa com Piccard transmitida ao vivo.

Recordes e não recorde

Essa façanha aérea representa o último dos vários recordes da aviação quebrados pelo projeto Solar Impulse. Além da volta, ele fez o primeiro voo noturno, o primeiro voo intercontinental, a primeira travessia do oceano e a maior distância e duração de um voo solar. Também foi o voo mais longo de um só piloto em qualquer aeronave: o suíço André Borschberg esteve no ar por mais de 117 horas. Já na última etapa, Bertrand Piccard, iniciador do projeto e aventureiro suíço, assumiu a cabine de comando.

vídeo 1

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Para os leitores que ainda não conheciam os detalhes da aventura, aqui estão alguns detalhes interessantes.

O que é o Solar Impulse?

O Solar Impulse é uma aeronave movida completamente a energia solar. Desenvolvida em 2009, ela entrou para a história como a primeira aeronave solar a fazer um voo noturno em 2010. Também foi a primeira a voar através de todo o continente dos Estados Unidos em 2013. Depois os engenheiros retrabalharam o projeto e desenvolveram na base em Payerne um novo protótipo.

A versão atual da aeronave, apresentada em 2014 e denominada Si2, é maior e tem mais potência do que sua predecessora. Em março de 2015, ela iniciou uma volta ao mundo em diversas etapas. O percurso somou 40 mil quilômetros com paradas em 17 destinos. Todavia o mau tempo atrasou o voo em várias ocasiões. Depois o superaquecimento das baterias obrigou o Solar Impulse a fazer uma parada em julho de 2015. A aeronave passou o inverno em um hangar no Havaí até poder decolar em abril de 2016.

Vídeo2

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Qual o tamanho do avião e quantos passageiros pode carregar?

Com uma envergadura de 72 metros, o Si2 tem uma envergadura um pouco maior do que o Boeing 747. Mas em vez de transportar 400 passageiros, ele só tem espaço para um único piloto em sua cabine de 3,8 metros cúbicos e pesa 2.300 quilos, tanto quanto uma pick-up com tração nas quatro rodas.

Quem são os pilotos?

Dois pilotos se revezam no comando da aeronave, assim como ocorreu com o protótipo. O idealizador Bertrand Piccard, que vem de uma família de exploradores e cientistas suíços, ganhou a fama ao fazer o primeiro voo de balão de volta ao mundo. Já André Borschberg é engenheiro, ex-piloto da Força Aérea Suíça e graduado do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês). O piloto de testes, Markus Scherdel, ajuda também a garantir a navegabilidade do Si2.



Os pilotos do Si2, Bertrand Piccard (esq.) e André Borschberg (centro) com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, durante a 21ª Conferência das Partes (COP-21), realizada em Paris.

Os pilotos do Si2, Bertrand Piccard (esq.) e André Borschberg (centro) com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, durante a 21ª Conferência das Partes (COP-21), realizada em Paris.

(Solar Impulse)

Como funciona?

As asas do Si2 estão cobertas por 17.248 células solares. Elas alimentam as baterias de lítio polímero e ajudam o avião a gerar e armazenar energia suficiente para alimentar os motores em voos por períodos mais longos. Materiais extremamente leves também contribuem para a eficiência energética da aeronave. No entanto, ele só pode voar em condições meteorológicas ideais, sendo muito sensível a ventos fortes. Os meteorologistas ajudar a equipe do Solar Impulse a encontrar as melhores condições. A decolagem pode ser adiada por vários dias se há chuva, como foi o caso na Índia em meados de março de 2015.

O Si2 pode realmente voar à noite?

Graças às baterias, sim. Durante o dia, ele sobe a uma altitude máxima de cruzeiro de 8.500 metros para capturar o maior número de raios de sol. Para economizar energia, o Si2 desce a 1.500 metros à noite e permanece nessa altura até o dia nascer, a uma velocidade máxima de 90 km/h. O voo de Abu Dhabi para Muscat, por exemplo, levou 13 horas - algo um avião normal poderia fazer em cerca de 90 minutos.

Qual a distância que o Si2 pode percorrer?

Em teoria, e sob condições meteorológicas ideais, o Si2 poderia permanecer em voo sem limite de tempo. O mais longo voo feito pela aeronave foi do Japão ao Havaí, cobrindo 8.924 quilômetros por um período de quatro dias, 21 horas e 52 minutos - um recorde mundial para um avião solar tripulado por um piloto.

Uma vez que a temperatura pode variar de - 40 °C a 40 °C, os pilotos vestem uniformes com diversas camadas. Eles também carregam reservas de água para uma semana e comida especialmente preparada, além de oxigênio para uso em altitudes mais elevadas. Em caso de emergência, os pilotos podem utilizar os paraquedas e depois esperar o resgate em um bote salva-vidas.

Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Como os pilotos dormem ou vão ao banheiro?

Um sistema de auto piloto e o assento especial possibilitam as duas atividades. O piloto pode reclinar e se movimentar para manter a circulação sanguínea. Se houver necessidade, ele pode converter o assento em um vaso para urina e dejeções. Com exceção de sonecas rápidas de 20 minutos, o piloto não pode dormir por mais que duas ou três horas durante o período de 24 horas. Piccard, psiquiatra de formação, utiliza técnicas de auto hipnotismo para entrar no ritmo. Borschberg medita ou faz ioga. Uma equipe de psiquiatras e até um guru de ioga auxiliam os dois pilotos durante a sua volta ao mundo.

Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Quantas pessoas estão envolvidas no projeto?

Mais de 100 pessoas fazem parte da equipe do Solar Impulse, incluindo um grande número de engenheiros. O pessoal do centro de controle da missão, localizado em Mônaco, está em constante contato com o piloto e o avião. Os dados, incluindo centenas de parâmetros técnicos, são transmitidos via satélite. Para cada destino, a equipe de terra prepara com antecedência a chegada e também a próxima decolagem.

Quem paga pelo projeto e quanto custa?

Essa "ideia nascida na Suíça" tem um orçamento de 170 milhões de francos (US$ 177 milhões). Dentre os vários parceiros do projeto Solar Impulse, o governo suíço permitiu a utilização de duas bases aéreas. O centro de controle é financiado pela fundação ambiental do príncipe Alberto II de Mônaco. Além disso, inúmeras empresas e instituições contribuíram com sua expertise e materiais de alta tecnologia. Os nomes de todos os patrocinadores estão inscritos no corpo da aeronave.

Qual o objetivo final do projeto?

De fato, essa tecnologia dificilmente irá substituir a aviação comercial. Não é a intenção do projeto.

"O Solar Impulse não foi construído para transportar passageiros, mas para transmitir uma mensagem. Nós queremos demonstrar a importância do espírito pioneiro e incentivar as pessoas a questionar as ditas verdades absolutas. O mundo precisa encontrar novas formas de melhorar a qualidade da vida humana. Tecnologias limpas e fontes renováveis de energia são parte da solução do problema", diz Piccard.

A volta ao mundo incluiu muitos destinos onde a equipe do Solar Impulse apresentou a aeronave e promoveu a sua mensagem de incentivo às fontes renováveis de energia.

Você tem perguntas em relação ao Solar Impulse ou fontes renováveis de energia na Suíça? Entre em contato com o autor do artigo através do endereço Twitter: @SMisickaLink externo.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português


Adaptação: Alexander Thoele, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×

Destaque