Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Conversando sobre a Copa "Queremos receber mais turistas estrangeiros"

O ministro do Turismo, Vinicius Lages, durante a entrevista no seu gabinete em Brasília.

(swissinfo.ch)

O Brasil recebe menos de seis milhões de turistas estrangeiros por ano e a Suíça, mais do que o dobro. O ministro brasileiro do Turismo, Vinicius Lages, confessa que existem problemas na formação profissional e também na infraestrutura do país, mas promete melhoras. Um modelo seria o uso racional do patrimônio natural na Suíça.

Vinicius Lages tomou posse no ministério do Turismo somente há menos de dois meses. Todavia o alagoano se doutorou em economia do desenvolvimento na França com uma tese sobre estratégias comparadas de desenvolvimento entre a Índia e o Brasil e já atuou vários anos em conselhos nacionais e internacionais na área de turismo.

Ao receber swissinfo.ch no seu gabinete em Brasília, Lages comparou a situação dos dois países, ressaltando especialmente o potencial do Brasil para atrair turistas estrangeiros.

swissinfo.ch: A Suíça é um país com vários centros de excelência em formação no turismo e gastronomia. O que falta para o Brasil ter um César Ritz College ou École hôtelière de Lausanne?

Vinicius Lages: Sim, de fato esse é um grande desafio para o nosso país, mas não só no setor do turismo. Hoje o maior peso do PIB está no setor terciário e também onde o maior número de pessoas está empregado. Efetivamente é o setor aonde iremos ainda pagar um preço por um bom tempo devido à insuficiência de investimentos na formação profissional e educacional.

O Brasil tem uma escolaridade média baixa em relação a outros países, até mesmo com um nível de desenvolvimento abaixo do nosso. Até hoje as pessoas entram no setor terciário sem a devida qualificação. Um exemplo: você vai ao supermercado e compra dois secadores de cabelo, umas tesouras e cadeiras e já abre um salão de beleza. Em outras partes do mundo isso já não é possível. Você precisa de uma certificação profissional e normas para regulamentar as profissões. No caso dos cabelereiras, elas trabalham com produtos químicos que têm efeitos sobre a pele e o cabelo. Também a reciclagem dos resíduos é uma questão...

swissinfo.ch: E no caso do turismo?

V.L.: É um setor que tem 52 segmentos como condutores de táxi, guias turísticos, pessoal dos serviços de hotel, funcionários de agências de viagem e outros. Neles as barreiras de entrada no Brasil ainda são muito baixas, o que faz que você possa estar empreendendo sem ter uma devida formação. Temos instituições como o SENAI, o SEBRAE e algumas escolas privadas, mas elas ainda estão muito aquém das necessidades de uma sociedade que evoluiu, que é mais exigente, especialmente a classe média, que entrou fortemente no mercado de consumo do turismo.

O Brasil já não pode ter mais um divertimento com circo de lona, mas sim tem de ser "Cirque du Soleil", e isso mesmo para quem entrou recentemente no mercado. A sociedade está mais complexa, diversificada e exigente. Mesmo que, materialmente, ela está muito melhor do que antes, mas há um sentimento de questionamento permanente de que tudo deve melhorar, especialmente a gestão pública e a infraestrutura.

Vinicius Lages

O Brasil já não pode ter mais um divertimento com circo de lona, mas sim tem de ser Cirque du Soleil.

swissinfo.ch: A Suíça teria inspirado o Brasil de alguma forma na questão da qualidade de serviços e formação de mão-de-obra especializada?

V.L.: É um país que eu adoro. Tive lá algumas vezes. Conheço quase todas as regiões linguísticas do país. É um padrão excepcional, que reflete um investimento de longo prazo na qualificação profissional e de excelência do ensino, seja fundamental até universitário. É um país com uma cultura de qualidade e precisão, que se vê em todos os setores. Não é só no turismo que ela tem excelência, mas também nos serviços ligados às finanças e à saúde. Penso também nas grandes escolas de negócio como a IMD business school.

swissinfo.ch: Existem paralelos entre os dois países?

V.L.: A certa autonomia dos cantões reflete em uma situação como a do Brasil com as nossas unidades federativas. Nelas você tem que ter uma negociação permanente. Não é possível adotar verticalmente uma posição. É preciso construir e pactuar com os estados para construir uma política para o turismo.

Bastidores do Mundial Copa do mundo também será de Vips

Gilmar Pinto Caldeira, CEO do Núcleo de Hospitality do Grupo Águia, revela como funcionam as vendas dos chamados pacotes de hospitalidade ...

swissinfo.ch: O setor do turismo na Suíça aproveita do patrimônio natural do país, comercializando-o intensamente e protegendo, ao mesmo tempo. Como o Brasil quer se desenvolver no setor?

V.L.: Vemos na Suíça um grande cuidado com o patrimônio natural. Mas lá você tem também a possibilidade de uso e concessões em áreas que são protegidas. São várias evoluções dos modelos que o Brasil precisa adotar para aproveitar o que hoje é o maior patrimônio do turismo brasileiro, ou seja, o patrimônio natural, como já foi apontado pelo Fórum Econômico Mundial. Porém o patrimônio natural é a matéria-prima. Um rio, uma paisagem, uma floresta, um mangue ou as praias são a matéria-prima e não um produto turístico. Temos de sair com ações que transforme isso num produto precificado, com logística.

O contexto suíço beneficia-se também, ao contrário do Brasil, de uma proximidade com mercados de um poder de renda muito elevado. A Suíça está integrada em uma economia regional que facilita muito. Já o Brasil está distante dos centros emissores, inclusive alguns que mais crescem como a Ásia. Temos de nos preparar para sermos mais competitivos, inclusive do ponto de vista de custo, onde essa variável da logística tem um peso muito grande.

swissinfo.ch: No ano passado a Suíça recebeu aproximadamente 200 mil turistas do Brasil, em grande parte de renda elevada. Que tipo de turista o Brasil quer atrair?

V.L.: Por um lado você tem de entender que o Brasil é um grande mercado turístico para o próprio Brasil. Hoje temos mais de 80% do fluxo turístico formado por brasileiros. Nós queremos aproveitar isso e evitar que essas pessoas tenham vontade de conhecer outros países antes mesmo de conhecer o Brasil. E aqueles que já foram, já estão acostumados a viajar, que explorem e aproveitem o potencial do nosso país.

Nós temos uma oferta muito diversificada e para isso estamos investindo, inclusive em os novos grupos de turistas da terceira idade através do programa "Viaja mais, melhor idade", para estimular o período de sazonalidade. O governo acredita que existe ainda um grande potencial de crescimento no mercado interno.

swissinfo.ch: Porém o Brasil ainda é muito fraco no mercado externo em comparação com outros países, até de menor porte...

V.L.: Temos menos de seis milhões de turistas estrangeiros. Por isso, a meta no plano nacional de turismo é de avançar com esses números. Nós podemos atingir sete ou oito milhões em um espaço de tempo não muito distante se tivermos a capacidade de implementar as políticas e os programas - e ter uma capacidade de promover o destino Brasil - a altura desses desafios. Isso implica numa informação melhor trabalhada sobre os nossos destinos.

A EMBRATUR está repensando essas estratégias diante desse novo turista internacional. Por exemplo, buscar em alguns mercados onde ainda tem um volume muito pequeno em comparação com o potencial como os Estados Unidos, pouco mais de 700 mil. A gente poderia dobrar isso através de medidas como facilitação de visto, desburocratização, possibilidade de obtenção de visto via internet e ações de reciprocidade.

swissinfo.ch: E a questão do turismo sexual, que ainda mancha de certa forma a imagem do Brasil?

V.L.: Quanto a essa preocupação isso não é turismo, mas sim crime. O Código Penal brasileiro tipifica isso como crime. Nós também fazemos trabalhos de prevenção e informação. Temos outros países no mundo com desafios semelhantes. Mas aqui no Brasil todo o governo trabalha com ações preventivas e dissuasivas para combater o problema.

swissinfo.ch: A expectativa é que mais de cinco mil turistas suíços estarão no Brasil para assistir os três primeiros jogos da sua seleção. Que recado o senhor daria para eles?

V.L.: Eu tive na Suíça um acolhimento sempre muito atencioso, seja em Genebra, Zurique ou Berna. Eles vão ter no Brasil o acolhimento que merecem. É um país muito alegre, mais informal e que pode, para alguns, parecer ter outro jeito de ser. Mas será uma oportunidade de estar próximo de um povo que sabe celebrar.

Turismo na Suíça

Segundo dados oficiais, a Suíça recebeu 16,8 milhões de turistas em 2013. Porém o número inclui só aqueles que se registraram nos hotéis. Outra parte não contabilizada é de turistas que estão em passagem.

Duração média de permanência na Suíça: 2,1 (hotéis), 3,2 (camping) e 2 (albergues da juventude).

Número de hotéis, pensões e outras formas de acomodação para turistas: 4.662.

Turismo como setor econômico: segundo as estatísticas oficiais, turistas do exterior gastaram 15 bilhões de francos em 2012. O setor correspondeu a 4,8% das exportações em 2012. Despesas de suíços no exterior: 13 bilhões. Saldo: 2 bilhões.

Em 2011, o turismo era responsável por 144,7 mil empregos diretos a tempo integral.

Aqui termina o infobox

swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.