Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Princípios de Washington A Suíça ainda é lenta nos casos de arte saqueada pelos nazistas

Pintura de Constable exposta com o verso de frente

O verso de cada pintura é distinto: os proprietários colocam seus rótulos, exposições são registradas, e os selos de alfândega testemunham as viagens muitas vezes longas que as obras fazem - e, no caso de obras de arte saqueadas ou roubadas, elas também podem fornecer dicas valiosas sobre sua origem e percurso.

(Musée des beaux-arts, La Chaux-de-Fonds, 2018)

Há vinte anos, a Suíça foi um dos 44 governos e organizações que endossaram os Princípios de Washington - diretrizes para incentivar os museus a encontrar e identificar arte saqueada pelos nazistas em suas coleções e buscar “soluções justas e equilibradas” com os herdeiros dos proprietários judeus originais. Desde então, o progresso na Suíça tem sido irregular - e mais lento do que em países vizinhos como a Áustria e a França.

Alain Monteagle lutou por mais de uma década para recuperar a pintura de sua família do artista britânico John Constable, do Musée des beaux-arts de La Chaux-de-Fonds, uma pequena cidade nas montanhas do Jura, perto da fronteira francesa.

"Dedham from Langham" havia sido saqueado da casa de sua tia-avó judia, Anna Jaffé, em Nice, após sua morte em 1942 - junto com tudo o mais que possuía. A municipalidade de Chaux-de-Fonds recebeu-o como parte de um legado. Quando Monteagle se aproximou pela primeira vez dos funcionários da prefeitura, eles se recusaram a ceder o quadro, mesmo reconhecendo que ele havia sido roubado. Ronald Lauder, então presidente do Congresso Mundial Judaico, em 2016 descreveu essa resposta como mostrando "uma preocupante falta de vergonha".

Dedham from Langham, obra de John Constable

"Dedham from Langham" de John Constable (c. 1812)

(Photo: Pierre Bohrer, Le Locle, 2017 ©: Musée des beaux-arts, La Chaux-de-Fonds, 2018)

Monteagle conta que coletou assinaturas no mercado da cidade, ameaçou um processo judicial e, finalmente, teve de arcar com 80 mil euros para recuperar a pintura em março deste ano. "Eles não queriam ouvir nada de nós", diz Monteagle, que mora na França e recuperou obras de arte familiares de lugares tão distantes quanto o Texas. “O advogado orientou-os a não estabelecer qualquer contato direto conosco. Foi tudo tão desagradável."

Os Princípios

Os Princípios de Washington, não vinculantes, que a Suíça endossou em 1998, foram projetados para evitar exatamente esse tipo de cenário. Os governos concordaram em incentivar os museus a realizar pesquisa de procedência sobre suas coleções, identificar arte apreendida pelos nazistas e buscar “soluções justas e equilibradas” com os colecionadores judeus originais e seus herdeiros. Autoridades suíças estarão entre os participantes de uma conferência em BerlimLink externo, de 26 a 28 de novembro, para marcar o 20º aniversário e examinar as realizações internacionais até agora e o que ainda precisa ser feito.

Na Suíça, as atitudes estão mudando, diz Nina Zimmer, diretora do Kunstmuseum, em Berna. O tema da arte saqueada pelos nazistas repetidamente ganhou as manchetes; mais recentemente com a doação de Cornelius Gurlitt ao KunstmuseumLink externo - um presente controverso que Berna hesitou em aceitar.

Max Liebermann's 'Two Riders on the Beach'

O pai de Gurlitt trabalhou como negociante de arte para os nazistas e o tesouro guardado nas casas de Cornelius em Munique e Salzburgo incluía obras que foram roubadas ou compradas a preços forçadamente baixos de judeus obrigados a deixar a Alemanha nazista. Pinturas de Henri Matisse e Max Liebermann ("Dois Cavaleiros na Praia", 1901, foto acima) estão entre as obras que já foram restituídas aos seus proprietários originais, ou herdeiros.

(de.wikipedia.org)

O foco em Berna ajudou a aumentar a conscientização, diz Zimmer.

"O ambiente mudou completamente", diz ela. "Muitos dos nossos colegas aqui estão agora envolvidos neste assunto."

Entre os problemas no passado, diz ela, destacavam-se a falta de financiamento e falta de experiência. Outro obstáculo tem sido o mercado de arte, com negociantes resistentes à abertura de seus arquivos para pesquisa, diz Thomas Buomberger, historiador e autor de um livro sobre saques de arte nazistas e a Suíça.

As instituições suíças já abordaram as duas primeiras questões, pelo menos até certo ponto: o Kunstmuseum está trabalhando com a Universidade de Berna para treinar jovens pesquisadores em questões de proveniência, e o governo suíço finalmente começou a financiar a pesquisa de proveniência dos museus.

Nina Zimmer, diretora da Kunsthaus Bern

“Embora essas iniciativas sejam um começo encorajador, precisamos de financiamento permanente”, diz Zimmer (foto acima). "No momento, tudo é financiado por doações especiais e iniciativas individuais de financiamento."

(Keystone/Lukas Lehmann)

Mudança de atitudes

O Bundesamt für Kultur (BAK - Departamento Federal para a Cultura) alocou 2 milhões de francos suíços para a pesquisa de proveniência em museus de 2016 a 2020. Os museus devem inscrever cada projeto, e também arcar com a mesma quantia que receberem de fontes independentes. O valor máximo concedido por projeto é de 100.000 francos suíços. O último lote de financiamento para 14 projetos de pesquisa de proveniência foi anunciado em 19 de novembro - entre os museus que receberão os apoios máximos estão o Kunstmuseum de Berna, o Kunstmuseum de Basileia e a Fundação Beyeler (Basileia).

Os primeiros 12 projetos de 2016-2018 foram amplamente concluídos e os resultados publicados, de acordo com o BAK. Benno Widmer, chefe do departamento de museus e coleções do BAK, diz que a demanda por esta linha de financiamento tem sido alta, sugerindo que os museus estão cada vez mais assumindo essa responsabilidade.

Marc-André Renold, professor de direito da arte na Universidade de Genebra e advogado que representou Monteagle contra La Chaux-de-Fonds no caso Constable, aponta para outra cidade na Suíça francófona como um exemplo de como as atitudes mudaram. nos últimos dez anos.

Pintura de Gustave Courbet

O cantão de Jura recebeu uma pintura de Gustave Courbet, uma paisagem do Jura avaliada em cerca de 300.000 francos suíços, como um legado em 2015. O quadro não se encontrava listado no catálogo oficial do artista, e quando as autoridades cantonais descobriram que o pai do doador poderia ter comprado a pintura em Düsseldorf em 1939, soaram os alarmes.

(République de Canton du Jura/Pierre Montavon)

O governo cantonal encomendou um relatório especializado para examinar a procedência e a autenticidade. Quando não foram encontradas provas de que a pintura fora saqueada, os oficiais entregaram o quadro ao Musée jurassien d'art et histoire em Delémont, no entendimento de que, se mais tarde fosse provado que o quadro havia sido roubado, ele deverá ser restituído. O relatório foi publicado online.

"Eles fizeram tudo certo", diz Renold.

“Não extremamente proativo”

No entanto, ele admite que, em geral, a Suíça poderia ter feito mais para implementar os Princípios de Washington. "Não somos extremamente proativos", diz ele. Por exemplo, o último dos princípios, o número 11, exige “processos nacionais para implementar esses princípios, particularmente no que se refere a busca de mecanismos de resolução alternativos para dirimir disputas de propriedade”.

França, Alemanha, Áustria, Países Baixos e o Reino Unido criaram painéis nomeados pelo governo para emitir recomendações sobre obras de arte disputadas. Museus suecos este ano pediram ao governo para estabelecer uma comissão semelhante. No entanto, a Suíça nunca fez isso. Widmer, do BAK, diz que a questão foi levantada no parlamento, mas o governo respondeu que não havia casos suficientes para fazer com que tal painel valesse a pena.

No entanto, diz Renold, tal painel seria útil em casos como o condestável de Monteagle em La Chaux-de-Fonds. "Há falta de vontade política e eles não querem investir dinheiro", diz Renold. “Quando estávamos imersos no caso Constable, pedimos ajuda de Berna. Eles disseram "claro, podemos oferecer-lhe uma sala de conferências". Se você tem um caso nas mãos, você está sozinho."

O diabo nos detalhes

Uma distinção entre a abordagem alemã e a suíça à arte saqueada pelos nazistas é em parte lingüística: na Suíça, o termo “Fluchtgut”, ou “ativos de fuga”, tem sido usado para descrever a arte vendida pelos judeus para financiar sua fuga da Alemanha nazista ou começar uma nova vida em outro lugar depois de perder o resto de suas posses, suas casas e seus meios de subsistência. Na Alemanha, o termo “arte perdida por perseguição” abrange essas e outras vendas forçadas ou vendas sob coação.

Os museus suíços tradicionalmente rejeitam as alegações de “Fluchtgut”. Mas em abril, o Bundesamt für Kultur publicou um glossário lembrando museus e colecionadores que “Fluchtgut” não é um conceito reconhecido internacionalmente e é “aberto a diferentes interpretações”. Assim, os méritos de cada caso devem ser considerados individualmente, e reivindicações por “Fluchtgut” também podem ser justificadas, disse o BAK.

Aqui termina o infobox

Um longo longo caminho

E como Monteagle, alguns pretendentes foram mantidos por anos em compasso de espera. Há dez anos, o Kunstmuseum de Basileia rejeitou uma reivindicação dos herdeiros de Curt Glaser por mais de 100 obras de arte em sua coleção, incluindo peças de Henri Matisse, Marc Chagall e Edvard Munch. A comissão de artes da cidade concordou no ano passado em rever a decisão; mas ainda não anunciou os resultados dessa revisão.

Parte da razão pela qual a Suíça tem sido lenta em aplicar os princípios é o fato de não haver tomado parte ativa na Segunda Guerra Mundial, diz Olaf Ossmann, um advogado da Suíça que lida com casos de arte saqueada. "Na visão suíça, o país nem participou da guerra, então por que eles deveriam resolver os problemas dos alemães?", indaga.

Ossmann diz que alguns negociantes e colecionadores ficaram insatisfeitos com o fato de o Kunstmuseum de Berna ter aceitado o polêmico legado de Gurlitt. A pesquisa de proveniência da coleção Gurlitt foi realizada inicialmente na Alemanha, e "eles ficaram preocupados que os padrões alemães de pesquisa de procedência e restituição fossem agora aplicados à Suíça", diz ele.

O público e o privado

Os Princípios de Washington não contemplam casos de colecionadores particulares, e os meios à disposição dos reclamantes para recuperar arte saqueada pelos nazistas em coleções particulares continuam limitados. Se o caso chega ao tribunal, a reivindicação geralmente naufraga por causa dos estatutos de limitação. Mas cada vez mais, os colecionadores privados internacionalmente estão se conscientizando das dificuldades de vender ou exibir obras com proveniência obscura - e, como país rico, a Suíça tem muitos colecionadores.

E se eles optarem por manter bens adquiridos ilicitamente, os colecionadores dispõem dos chamados 'freeports' (depósitos especializados) suíços para escondê-los. Ossmann descreve-os como "um enorme buraco negro em um mundo onde tudo está se movendo em direção a uma maior transparência".

Degas

Chris Marinello, um advogado de Londres contratado pelos herdeiros de Paul Rosenberg, está procurando um pastel de Degas, “Portrait de Mlle. Gabrielle Diot”(foto), que foi saqueado pelos nazistas da casa do lendário comerciante de arte parisiense depois que ele fugiu da França ocupada com sua família. O quadro foi comprado por uma família suíça em 1942, depois mudou de mãos novamente em 1974. Marinello diz que sua última localização conhecida é um depósito em Basiléia, onde foi descoberto em 2003.

(Art Recovery International LLC)

Ele tem trabalhado com um advogado suíço para tentar encontrar e impugnar a obra, mas até agora não conseguiu rastrear o proprietário atual ou a localização exata. Os Rosenbergs ainda estão buscando 60 obras de arte no total.

“Acho que metade delas pode estar na Suíça”, diz Marinello. “Foi um dos primeiros lugares onde Paul Rosenberg foi recuperar suas obras após a guerra. E ele enfrentou pessoas dizendo a ele: "nós temos sua obra; quanto você quer pagar para recuperá-la?"


Adaptação: Eduardo Simantob

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.