Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Direitos populares A democracia direta "é um bem precioso que deve ser defendido"

A democracia direta pode, às vezes, deixar a Suíça em dificuldades. Porém, mesmo não sendo perfeita, ainda é o melhor sistema e que precisa ser protegido, afirma Monica Piffaretti, jornalista e escritora. Ela diz que não se pode renunciar ao debate de ideias e à participação direta dos cidadãos nas decisões do país.

 "Para mim é fundamental poder exprimir e debater ideias, mesmo se elas são contrárias às minhas", afirma a jornalista e escritora Monica Piffaretti.

(RSI)

swissinfo.ch: A presidente da Confederação Helvética, Simoneta Sommaruga, disse que a democracia depende da cultura política. Esta cultura mudou desde que a senhora era correspondente no Palácio Federal (n.r.: Congresso suíço), em Berna, 25 anos atrás?

Monica Piffaretti: Não tanto a democracia direta e a sua cultura que mudaram, mas a sociedade em si. Acostumada a uma autogestão, desde séculos atrás, a Suíça, cada vez mais, deve fazer as contas com a sua interdependência com o resto do mundo, principalmente com a Europa.

A democracia direta pode entrar um pouco e de raspão nesta dinâmica e deixar alguma pedra no caminho. Isto porque já existe o problema de alinhar-se, em harmonia, com o quanto foi construído nas relações exteriores com os países estrangeiros.

swissinfo.ch: Entretanto, tem quem use a democracia direta como se a Suíça não tivesse a interdependência…

M.P: Claro, os movimentos populistas que nasceram nos últimos vinte, trinta anos usam a democracia direta para tentar a obtenção de seus objetivos políticos, ou seja, o poder, sem a menor preocupação sobre os efeitos de suas iniciativas. De qualquer forma, acho que vale a pena ter um sistema deste tipo, no qual os cidadãos têm a possibilidade de participação ativa nas decisões do país.

Concordo, plenamente, com a afirmação da presidente da Confederação: a democracia direta é a cultura política, a cultura da discussão. O debate é fundamental. Algumas vezes, o sistema esfarela, porque a democracia direta nos obriga também a parar, até bruscamente, porém, depois se recomeça. Não é um sistema perfeito. Mas, certamente, é um bom sistema, um bem precioso que deve ser defendido.

swissinfo.ch: Não existe o perigo de que a democracia direta seja usada por movimentos populistas como um instrumento "anti"- por exemplo, anti-governo, anti-Europa- ao invés de ter uma função construtiva?

M.P.: Eu prefiro que também exista a liberdade de poder ser "anti" e discutir. Melhor do que, ao contrário, alguém nos dizer 'que não pode ser anti e chega'. Eu seria liberal no uso da democracia direta, quero dizer, para mim, é fundamental que possamos expressar e debater as ideias, mesmo que elas sejam contrárias às minhas. Muitas vezes, não adianta colocar a tampa numa panela de pressão.  Ela pode explodir. Acho que é melhor discutir e convencer os outros. Além do mais, em alguns casos, os fatos falam por si só.

Por exemplo, agora tem a questão "Pós 9 de fevereiro" (n.r.: a aprovação, com votação federal, da iniciativa popular 'Contra a imigração de massa' que exige um teto máximo para as autorizações de moradia e aos contingentes anuais de estrangeiros). Se a aplicação não funcionar vamos ter que voltar ao debate. Os suíços são pragmáticos: quando virem o que isso significa e que tentaram realizar com as próprias cabeças, talvez, possam mudar de ideia.

swissinfo.ch: O princípio segundo o qual o povo decide, no fundo, não é uma ilusão, já que a maior parte das iniciativas submetidas ao voto popular é proposta por partidos do governo, até mesmo como propaganda eleitoral?

M.P.: É verdade que as iniciativas populares e os plebiscitos são utilizados pelos partidos para as suas políticas e pelas grandes organizações para os seus interesses. Mas nem sempre isso ocorre. Existem iniciativas que partiram da experiência de grupos de cidadãos. A democracia direta permite levar adiante temas importantes e, até mesmo, abraçar coisas novas. Esta democracia vivida é que libera o cidadão ao confronto de ideias. Resumo da ópera: acho que existe uma certa transparência. O cidadão sabe no quê está votando, não creio que seja ingênuo.

swissinfo.ch: Até que ponto se pode falar de decisões democráticas, já que na maioria das votações a participação não chega a 50% ?

M.P.: Se poderia afirmar que os ausentes delegam, como dizer, 'sou indiferente, então deixo decidir quem quiser decidir'. Ou, muitas vezes, o cidadão não entende o tema porque é muito complexo e, então, renuncia ao voto. A decisão de não votar, de qualquer maneira, é uma forma de expressão, não é igual a zero.

swissinfo.ch: Como avalia o fenômeno da abstenção juvenil?

M.P.: Creio que seja um grave reflexo dos problemas que, atualmente, afligem a sociedade moderna, muito individualista. Não é apenas uma relação com a democracia, mas é uma relação com a sociedade real que está cada vez menor.

Muitos jovens passam horas diante do computador, sozinhos. Contatam meio mundo. Mas como conhecem a realidade da própria cidade e os problemas na soleira de casa? A perda do contato com a realidade direta pode levar à alienação de uma pessoa, porque lá aonde se vive é importante ter os próprios pontos de referência.

Estamos diante de uma "geração cobaia": tantos jovens, além da conta, brincam e vivem dentro de um mundo virtual, ninguém se dá conta dos riscos e dos impactos sobre o crescimento pessoal. É preciso tomar consciência, que passa através das famílias e da educação. É necessário criar regras para propor, para despertar a atenção de quem confia e se consente demais aos novos mundos virtuais e não ao mundo na escala 1:1.

Lamento a ausência dos jovens na política e nas votações porque creio que eles sejam os portadores de novos pontos de vista. Então, a presença deles é fundamental para o país. Se esta participação é pequena, carente, corremos o risco de perder um amanhã que poderia ser diferente, com menos contas a pagar.

swissinfo.ch: A senhora é autora de livros para jovens. Acha que poderia escrever um para sensibilizá-los sobre a importância da democracia direta?

M.P.: Seria um belo desafio. Naturalmente, não poderia ser algo chato, muito formal. Teria que trabalhar bastante na criatividade para alcançar o objetivo. Eu já escrevi muitos contos nos quais vemos os jovens em ação, no trabalho. Se pensam como perdedores, logo no começo, eles correm o risco de não mudar nada desta situação.

Tenho vontade de transmitir um otimismo genuíno, de instigar cada um a levantar, a caminhar, a dizer a própria opinião e não ficar calado. Acho que poderei continuar nesse caminho porque gosto de transmitir aos meus leitores, uma "vontade louca" de viver.

swissinfo.ch: Do fundo do coração, qual mensagem gostaria de transmitir aos seus leitores sobre a democracia direta?

M.P.: De não dá-la por descontada, não apenas a democracia direta, mas a democracia em si. Estamos muito acostumados em tê-la e, talvez, não a amamos o suficiente. Seria melhor ver nos campos sobre este tema, os debates sobre os valores intrínsecos e sobre o fato de protegê-la numa luta cotidiana, mesmo nas pequenas coisas, no cantão, na Confederação.

Monica Piffaretti

Formada em economia política e empresarial na universidade de Berna, Monica Piffaretti - casada e mãe de quatro filhos- é jornalista e escritora.

Entre 1987 e 1993 foi correspondente no Palácio Federal- sede do parlamento e do governo helvético- para o principal jornal da Suíça italiana, o Corriere del Ticino. Foi ainda colaboradora da Basler Zeitung, para a coluna "Dos amigos no Sul". Em 1993, com apenas 30 anos, foi chamada para ocupar o cargo de chefe de redação da Região Ticino, tornando-se, assim, a primeira-  e até agora a única- mulher a dirigir um jornal "ticinese".

Em 1999, com a maternidade, deixou o cargo na Região Ticino para dedicar mais tempo à família. Mas nunca abandonou a escritura. Além de continuar presente no jornalismo, ampliou o horizonte para a narração. A estreia foi em 2009, com uma coletânea de contos "O Banco de Samarcanda", que ganhou distinção na categoria "Placa especial no Prêmio Stresa". Outras publicações vieram depois, inclusive a última, o romance "Os dias do golfinho", nas livrarias desde o fim de 2014.

Aqui termina o infobox


Adaptação: Guilherme Aquino, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.