Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

DOCUPASS A morte também requer um pouco de organização

"Quero que me deixem morrer em paz, sem tratamentos paliativos. Quem me dera que os meus órgãos fossem doados e os meus restos mortais cremados..." Muitas pessoas pensam sobre o que gostariam ou não nos seus últimos momentos, mas poucas tomam as medidas adequadas para fazer isso. Talvez por medo de enfrentar o assunto da morte ou simplesmente por medo da papelada. Mas na Suíça, um documento facilita as coisas: o DOCUPASS.

Opération chirurgicale dans un hôpital

Em particular, as pré-diretivas determinam se os órgãos podem ser doados em caso de morte

(Keystone)

"O Dossiê de Pré-diretivas (DOCUPASSLink externo) registra expectativas, necessidades, demandas e desejos pessoais em relação à doença, cuidados, destino do corpo e respeito pela pessoa após a morte", explica Judith Bucher, porta-voz da Pro SenectuteLink externo, uma associação para a defesa dos idosos.

Lançado por iniciativa da Pro Senectute, o DOCUPASS surgiu com a nova lei de proteção dos adultos, que reforça o direito à autodeterminação, à solidariedade familiar e à proteção especial das pessoas incapazes de discernimento.

Em vigor desde 2013, esta legislação introduz as Pré-diretivas (medidas sobre os cuidados e o destino do corpo após uma possível morte) e o Mandato por Incapacidade (MPCI - medidas que estipulam quem se ocupa dos interesses jurídicos e econômicos de uma pessoa incapaz de discernimento ou morta). O DOCUPASS inclui igualmente disposições relativas ao testamento e ao fim da vida com pormenores como a refeição de despedida (é tradição na Suíça oferecer um almoço ou jantar aos próximos no dia do enterro), a escolha entre o enterro ou a cremação ou o destino do corpo ou das cinzas.

Pouco difundido

O DOCUPASS pode ser útil para todas as pessoas presentes em solo suíço, mesmo que sejam estrangeiras, mas ele ainda não foi generalizado.

Em 2017, a fim de descobrir até que ponto esses mecanismos de autodeterminação eram conhecidos e utilizados, a Pro Senectute encomendou uma pesquisa ao instituto de pesquisa gfs. A pesquisa telefônica com 1200 pessoas representativas de 18 a 99 anos concluiu que apenas 22% da população havia estabelecido alguma pré-diretiva e 12% um MPCI. Como esperado, as pessoas com 60 anos eram a maioria (47% das pré-diretivas e 21% das MPCIs).

Judith Bucher atribui esse resultado fraco ao fato de que a nova lei de proteção ao adulto só entrou em vigor em 2013 e "que leva tempo para que as pessoas sejam informadas e entendam o que está em jogo, especialmente sobre uma questão tão complexa que inclui aspectos jurídicos, médicos e psicossociais".

O fardo da representação

"Em nível psicológico, projetar-se em uma situação que você não quer considerar, como uma doença grave, um acidente, uma perda de discernimento, pode ser doloroso e impedi-lo de tomar uma decisão. É preciso levar em conta também as sensibilidades culturais e as raízes religiosas que condicionam a relação com a morte", acrescentou a porta-voz do Pro Senectute.

No entanto, a nomeação de uma pessoa para cuidar de seus assuntos pode ser um desafio ainda maior do que enfrentar a ideia da morte. "A nomeação de um representante é também um fardo para a pessoa designada", explica Judith Bucher. Quando há várias crianças, significa escolher uma à custa das outras. Além disso, no processo de autodeterminação, a motivação não é tornar-se um fardo para os familiares. Pode ser um paradoxo: libertá-los, dando-lhes a responsabilidade de tomar decisões com consequências irreversíveis. Alguns preferem que, quando chegar a hora, haja consulta entre os parentes em vez de designar uma pessoa em particular."



Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.