Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Estatísticas


Um pouco menos de imigrantes europeus na Suíça


Por swissinfo.ch


 Outras línguas: 5  Línguas: 5

Conforme os últimos dados publicados pela Secretaria Federal de Economia, a imigração europeia diminuiu ligeiramente nos últimos meses. A causa é o desaquecimento da economia devido a alta do franco suíço. No entanto, o saldo migratório continuou alto em 2015, com 71.000 novos imigrantes, 67% provenientes da UE

Em certos setores, como a construção de túneis, o número de trabalhadores europeus continua importante. (Keystone)

Em certos setores, como a construção de túneis, o número de trabalhadores europeus continua importante.

(Keystone)

Em 9 de fevereiro de 2014. Os eleitores suíços haviam aceito a iniciativa popular “Contra a imigração em massa”, a fim de diminuir o fluxo de trabalhadores estrangeiros na Suíça. Essa iniciativa, que deverá ser aplicada até fevereiro de 2017, suscita tensões com a União Europeia e, por enquanto, nada de concreto foi decidido.

Contudo, mais do que política, a limitação desejada pelo povo poderá vir das condições econômicas. Segundo os números publicados pela Secretaria Federal de Economia (Seco), a Suíça tinha 47.800 cidadãos europeus a mais em 2015. Mesmo se ainda amplamente positivo, o saldo migratório recuou de 3000 pessoas em relação a 2014. E esse recuo continua. Para os primeiros cinco meses de 2016, a imigração em proveniência da UE foi inferior de 4.800 pessoas em relação ao mesmo período do ano passado.

No entanto, as estatísticas mostram que a evolução é contrastada segundo os setores. A imigração ainda aumentou no setor social e da saúde. Em compensação, “a imigração recuou nos setores expostos às flutuações do câmbio”, escreve a Seco. Em outras palavras, nos setores diretamente ligados às exportações.

A Seco enfatiza ainda que os cidadãos europeus instalados na Suíça são os mais duramente atingidos pelas tendências negativas da valorização do franco. Eles são mais atingidos pelo desemprego do que os suíços.

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×