Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Igualdade de direitos Grupo transgênero suíço lança campanha contra discriminação no trabalho

A “Transgender Networks Switzerland” (TGNS) lançou uma campanha nacional "Trans Welcome" para combater a discriminação contra as pessoas transgêneras no trabalho.

A picture of the transgender activist group who launched the campaign

Cerca de 50 empresas e instituições suíças já assinaram uma declaração a favor de um local de trabalho trans-amigável

(Keystone)

Isso ocorre depois que os advogados da TGNS receberam mais de 300 queixas de discriminação no local de trabalho no ano passado.

A campanha TGNS, lançada na quarta-feira (7), inclui o site transwelcome.ch que contém informações sobre "Ser trans e dizê-lo no ambiente de trabalho".

Cerca de 50 empresas suíças e instituições, incluindo a empresa de correios suíça, a Companhia Ferroviária Federal e a ETH Zurich já assinaram uma declaração de compromisso com um local de trabalho “trans-amigável”.

A TGNS está exortando os empregadores suíços a desempenharem um papel mais forte na melhoria da integração das pessoas trans no local de trabalho. Diz que o governo suíço, os cantões e os municípios como os maiores empregadores devem dar um bom exemplo e criar uma "cultura de trabalho inclusiva" que ofereça suporte a pessoas trans.

Dificuldades

A taxa de desemprego para as pessoas transgêneras suíças é de 20% - cinco vezes superior à média nacional suíça. De acordo com Alecs Recher, responsável pelo aconselhamento jurídico da TGNS, isso é geralmente devido aos desafios que as pessoas transgêneras enfrentam no trabalho após “saírem do armário”. "As experiências negativas incluem bullying, referências injustas, mas também assédio sexual e demissões", disse.

De acordo com Recher, quase todas as queixas tratadas durante um processo de arbitragem resultam em um resultado favorável para a pessoa trans envolvida, mesmo que os autores de denúncias raramente recebam uma compensação financeira de seus empregadores. "Ainda assim, simplesmente ouvir que eles foram injustiçados é muito importante para essas pessoas", disse Recher.

Uma nova pesquisa não representativa realizada pela TGNS, que questionou 140 pessoas transexuais na Suíça de língua alemã e francesa, descobriu que, para um em cada cinco participantes, assumir ser trans não foi bem sucedido.

O estudo, financiado pelo Departamento Federal Suíço para a Igualdade de Gênero, descobriu que cerca de 25% dos participantes perderam seus empregos depois de terem assumido serem trans, ou sofreram uma deterioração da situação profissional. Menos da metade de todos os participantes disseram que se sentiram aceitos no trabalho em seu novo gênero e 25% disseram que receberam pouco ou nenhum apoio de seu empregador.




swissinfo.ch/fh

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.