Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Líderes mundiais são negligentes

Espera-se um empenho maior dos líderes mundiais na luta contra a pobreza.

(Keystone)

Relatório do WEF diz que íderes do planeta não cumprem suas promessas de proteção do meio ambiente, buscar a paz e lutar contra a fome.

A acusação é feita em relatório divulgado pelo Fórum Econômico Mundial (WEF), referindo-se aos compromissos assumidos em 2000 na Declaração do Milênio da ONU.

Tanto no setor privado como no setor público, os dirigentes mundiais não estão à altura na luta contra a fome, a pobreza, na resolução de conflitos e na questão das mudanças climáticas.

A constatação é dos especialistas da Iniciativa Governança Global (GGI) e será discutida este ano no Fórum Econômico Mundial (WEF), de 26 a 30 de janeiro em Davos, nos Alpes suíços.

Todo ano, esse grupo de especialistas independentes avalia os progressos realizados em função dos objetivos fixados na Declaração do Milênio da ONU, elaborada e adotada por 191 países em setembro de 2000.

Através desse documento, a comunidade internacional comprometeu-se, entre outros objetivos, a reduzir até 2015 o número de pessoas pobres no mundo, a garantir o ensino primário para todos e garantir um meio ambiente sustentável.

Setores público e privado

De acordo com o relatório, os líderes mundiais não fazem nem a metade do que é necessário para construir um mundo mais estável e mais próspero.

De fato, se a responsabilidade principal é dos governos, os objetivos da Declaração do Milênio da ONU só poderão ser atingidos com a participação do setor privado.

E ele pode dar sua contribuição em vários níveis: desenvolver novos produtos ecológicos, aplicar estratégias comerciais que integrem uma dimensão filantrópica ou assumir responsabilidades políticas e institucionais.

"A integração econômica, a liberalização política e a inovação tecnológicas propiciam as condições necessárias para melhorar a condição humana", afirma Ann Fiorini, co-autora do relatório.

Ela acrescenta, no entanto, "que as oportunidades podem ser desperdiçadas. Esse relatório mostra o que não foi feito mas que poderá sê-lo".

Prazo até 2015

Segundo Richard Samans, diretor do WEF Instituto pela Parceria e Governança, 2005 será o ano decisivo para a concretização dos objetivos da Declaração do Milênio.

Em setembro, haverá um encontro de cúpula da ONU, em Nova York, para avaliar os progressos feitos até lá.

"Para vários objetivos, 2015 é o prazo fixado. Se a comunidade internacional quiser levá-los a sério, tem de começar a aplicar-se com muito afinco desde já", afirma Richard Samans.

O relatório afirma ainda que a resposta das empresas multinacionais ao desastre causado pelo tsunami na Ásia prova que o setor privado pode contribuir muito para atingir objetivos globais.

"Essa foi a primeira catástrofe glabal dessa amplitude e suscitou emoção e apôio sem precedentes", analisa Gareth Evans, presidente do grupo de especialistas em paz e segurança no GGI.

"A catástrofe também demonstrou que todos pertencemos a uma mesma família, cada vez mais exposta aos riscos comuns e, portanto, com co-responsabilidade na prevenção e resolução".

Como lembrete, este mês, em Genebra, 70 países (entre eles a Suíça) prometeram doar 717 milhões de dólares à ONU para ajudar na reconstrução das regiões atingidas pelo tsunami.

swissinfo

Fatos

A Iniciativa Governança Global controla os progressos realizados em função dos objetivos definidos na Declaração do Milênio da ONU, adotada em setembro de 2000 por 191 países.
Esses objetivos são reduzir a pobreza extrema e a fome, garantir o ensino primário para todos, promover a igualdade de sexos, reduzir a mortalidade infantil, melhorar a saúde materna, combater a aids, a malária e outras doenças, assegurar o meio ambiente durável e implantar uma parceria mundial pelo desenvolvimento.

Aqui termina o infobox

Breves

- Um relatório divulgado pelo Fórum Econômico Mundial (WEF) demonstra que os líderes mundiais não cumprem suas promessas feitas de lutar contra os principais problemas do planeta.

- Segundo os especialistas da Iniciativa Gobernança Global (GGI), até agora foi feito menos da metade do necessário para construir um mundo mais estável e mais próspero.

- O relatório do GGI será discutido na reunião anual do WEF, de 26 a 30 de janeiro em Davos, nos alpes suíços.

Aqui termina o infobox

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.