Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Mundos virtural e real


Brasileiras da Suíça trocam experiências através de blogues


Por Liliana Tinoco-Baeckert


O homem é um animal social que necessita de coisas e de outras pessoas para alcançar a sua plenitude. A frase, dita por Aristóteles há mais de dois mil anos, ganha cada vez mais força se  exemplificada com o difundido uso das redes sociais e dos blogues para troca de experiências e novas amizades.

A blogueira Ana Luiza (à esquerda) e uma de suas leitoras. (Divulgação)

A blogueira Ana Luiza (à esquerda) e uma de suas leitoras.

(Divulgação)

Assim como as redes sociais, os blogues são ambientes virtuais de criação, edição e publicação, que permitem a comunicação direta entre criador e leitor. Um prato cheio para quem vive fora do seu país de origem e sofre com a falta de amigos, com dúvidas e questionamentos sobre práticas cotidianas, estendendo o uso dos blogs mais além: os leitores quebram as barreiras do mundo virtual e se encontram para trocar ideias e se conhecer.

 Muitos brasileiros que vivem na Suíça adotaram os blogues como consultores diários em assuntos que vão desde contabilidade até dicas de emprego e beleza. De fácil utilização e gratuitos, resultaram na criação de uma comunidade que se auto ajuda. Em alguns casos, as leituras da internet e as trocas de e-mail se transformaram em brunchs (mistura de café da manhã com almoço) de fins de semana, com blogueiras e leitores se encontrando para trocar ideias. Não há como precisar o número de blogs feitos pela e para a comunidade brasileira que vive na Suíça, já que qualquer pessoa pode criar o seu de uma hora para outra. São mais ou menos dez os de conteúdo explicativo sobre o país, que contam como se vive nas cidades helvéticas e curiosidades sobre a cultura. Há ainda blogues específicos sobre maternidade e até mesmo sobre beleza e cuidados com o cabelo e a pele.

Afirmar sua identidade

A comunicação rápida e direta da internet fez dos blogues verdadeiros aliados de quem mora fora do país. Segundo o professor de Comunicação e Marketing Digital da Universidade Veiga de Almeida (UVA Rio de Janeiro), Márcio Ferreira, a tecnologia atua como um espelho das sociedades. No caso da brasileira, formada por um povo mais chegado ao contato físico e aproximação, é muito natural que se desenvolva no sentido da reinvenção de ajuda comunitária. Entre os brasileiros que moram no Brasil, por exemplo, esses canais já são mais usados para exibicionismo e relacionamentos, mudando o foco da comunicação. “Quem sai do seu país, se sente sozinho e fica mesmo carente. Essa pessoa precisará afirmar sua identidade, dentro nesse novo caldo cultural, dando um novo significado a tudo que aprendeu. A tecnologia será usada como meio para isso”, explica. 

Os blogues informativos são os mais procurados. Eles trazem dicas práticas e úteis de como funciona uma série de aspectos diferentes no país, como seguro saúde, sistema educacional, impostos, empregos, custo de vida, como se vestir no inverno, além de festas locais, tradições e curiosidades. Esses blogues funcionam, muitas vezes, como um incentivo aos brasileiros que querem sair do Brasil e morar em um outro lugar. Quando veem o alto padrão de vida da Suíça, entram em contato com os blogueiros para saber mais informações. A autora do blogue Morar na Suíça, a carioca Christiane Lima, diz que recebe muitos e-mails de brasileiros decepcionados com o país querendo saber como se faz para vir para a Suíça. “Infelizmente não é tão simples vir para cá. Mas é incrível saber como existe um número enorme de pessoas desiludidas com o Brasil e que querem muito ir embora. O ápice da desilusão aconteceu na época das passeatas”, atesta a blogueira.

Informações e festas

Adepta do mundo virtual, a Relações Públicas Ana Luiza de Souza, autora do blogue Pelo Mundo, quis ir além e resolveu conhecer seu público pessoalmente. Ela organiza brunchs uma vez por mês, seja em sua casa, ou na das suas fiéis leitoras. De vez em quando, convida também outros blogueiros.  As festas chegam a reunir até 30 mulheres – os maridos não são convidados - ávidas por trocarem experiências, informações e conhecer novas integrantes. De acordo com a autora, a necessidade de conhecer o seu público veio das diversas confissões de solidão e da exposição de aspectos íntimos da vida de pessoas que ela nem sequer conhecia. “Eu me envolvi com os problemas dos outros, talvez por ter passado por isso também”, explica a gaúcha de Santa Maria, que diz ter feito várias amigas desde que começou a escrever o blogue, há quatro anos.

A blogueira Liana Soares, autora do Ela é americana, da América do Sul, pegou carona no sucesso de suas postagens e lançou em 2014 o livro Viver na Suíça, que traz informações práticas sobre cultura, idioma, transporte, comidas etc. Liana Soares explica em seu blogue que a ideia de fazer um livro já era antiga. “Com tantos e-mails, perguntas e comentários que vinha recebendo nesses cinco anos, fiquei cada vez mais incentivada a finalmente compilar as principais informações, esclarecimentos e curiosidades do dia a dia que só quem mora aqui sabe”, postou em seu blogue.

Brunch (mistura de café da mannha e almoço) entre leituras da bloqueira Ana Luiza (terceira da esquerda para a direita). (Divulgação)

Brunch (mistura de café da mannha e almoço) entre leituras da bloqueira Ana Luiza (terceira da esquerda para a direita).

(Divulgação)

Altruísmo: sentimento que move as blogueiras

A comoção com o problema dos outros e a vontade de ajudar são, em geral, a força que motiva a escrever. Christiane Lima esteva prestes a desistir de postar, quando ficou sabendo que um grupo de crianças carentes da Favela da Maré, do Rio de Janeiro, estavam utilizando o seu blog para obter informações sobre a Suíça e finalizar o trabalho da escola sobre países, na época da Copa do Mundo. “Fiquei tão feliz em saber que eu poderia ajudar esse grupo de crianças que resolvi continuar, embora estivesse sem tempo e já não achasse tantas novidades para contar”, explica. Segundo Ana Luiza, autora do Pelo Mundo, a carência das pessoas que moram fora ou que estão prestes a deixar o país é muito grande em todos os aspectos, tanto informativo quanto sentimental. Ela conta que começou a escrever para contar à família sobre sua vida na Suíça, até que foi surpreendida pelo número de acessos e perguntas de desconhecidos.

O perfil de leitores é dividido entre homens e mulheres, mas a dúvida e a vontade de aprender sobre o país são os motivadores na hora de entrar em contato com a autora. Segundo a bloqueira, os homens perguntam sobre aspectos financeiros, alguns contam até o salário. “Já as mulheres, em geral, estão mais preocupadas com as propostas que os maridos receberam de morar fora. Elas precisam se certificar de que vai valer a pena, já que elas em geral deixam seus empregos no Brasil para acompanhá-los. Tem gente que me pergunta como fazer para que o filho continue falando português. Mas tem muita gente perdida, sem amigos, e com muitas dúvidas. Eu tento ajudar da melhor maneira, mas não sou uma profissional. De qualquer maneira, é muito gratificante poder auxiliar”, conta Ana Luiza.

A leitora Laurentina Leal foi uma das que procurou Ana Luiza, por meio do blogue, para saber como tirar carteira de motorista e cuidar do lixo. Depois, por uma coincidência da vida, precisou procurar moradia perto de onde Ana Luiza mora; pediu à blogueira para tirar fotos de um imóvel e enviá-las para que ela pudesse ver. “Foi a Ana quem escolheu meu apartamento”, conta Laurentina, hoje vizinha e amiga inseparável de Ana Luiza. A farmacêutica Laura Hamann Pinheiro entrou em contato com o Pelo Mundo antes de sair do Brasil, para checar como eram as condições de vida. “Procurei informações e chegando aqui, logo fui convidada para um desses brunchs. Fiz muitos amigos por conta dos encontros. É muito bom trocar informações com quem passa pelas mesmas dificuldades. A gente se sente menos estrangeiro. O contato só agrega valor”, explica.

A baiana Camila Arantes escreve o blogue chamadoDica da Cam, onde dá dicas de maquiagem, sugestões caseiras de beleza, como usar cílios postiços, como tratar cabelos com química etc. Camila é cantora requisitada na Suíça e, obviamente, sua profissão não tem qualquer relação com o blog que escreve, inclusive porque ela não coloca agenda de shows. Segundo Camila, ela começou a postar porque, depois das apresentações, recebia muitas perguntas sobre seu visual, como onde comprou a roupa, como fez a maquiagem, cabelos.
“As meninas brasileiras ou de língua portuguesa adoram visual de festa e sabem o quanto é difícil pagar por esse serviço na Suíça. Acho que por isso o blogue tem feito tanto sucesso”, explica a cantora, que começou com uma página no Facebook e lança um blog profissional em janeiro de 2015. A cantora diz que é movida pela vontade de ajudar e de orientar as meninas que não sabem como se cuidar longe do Brasil.

O que é um blogue?

O blogue, muitas vezes chamado de diário virtual, é uma espécie de página pronta na Internet, na qual o autor pode publicar livremente qualquer tipo de texto. Ferramenta originária da Internet, foi criado em 1997 pelo norte-americano Dave Winer. O termo blogue é um nome genérico para indicar uma página atualizada regularmente. De acordo com o professor Fernando Morena da Silva, líder do Grupo de Estudos Semióticos da Universidade Estadual do Norte do Paraná, os  blogs são páginas simples, que levam vantagens sobre as home pages pela facilidade de criação e publicação, já que não é preciso ter conhecimento especializado em programação de computador para criá-los e atualizá-los. São ferramentas eficientes que permitem o desenvolvimento de habilidades e competências como: cooperação, colaboração e autonomia. Em Blogosfera: um estudo dos blogueiros  a partir dos blogs mais acessados do país, Fernando Moreno afirma que os eles são considerados canais de expressão e comunicação que promovem o contato entre pessoas de interesses comuns.

Dentre as características técnicas, destaca que esta ferramenta permite a publicação de ideias em tempo real; tem como característica principal textos curtos que podem ser lidos e comentados; abrange uma infinidade de assuntos; linguagem informal, entradas de textos cronologicamente organizados de forma inversa; permite a divulgação de textos, imagens, músicas, capacidade de arquivamento de mensagens anteriores, hiperlinks que complementam o assunto ou relaciona, interliga os blogues a outros blogs 

swissinfo.ch

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×