Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Suíços do estrangeiro


França e Alemanha principais destinos dos expatriados


Por Kai Reusser e Luigi Jorio


A diáspora suíça no mundo está maior do que nunca, e agora mais de um cidadão suíço em dez mora no exterior. A maioria reside na Europa, especialmente na França e na Alemanha, os dois países com o maior número de chegadas de cidadãos suíços.

No final de 2015, os suíços do estrangeiro eram mais de 760.000, um número que corresponde à população do cantão de Vaud. A diáspora suíça no mundo mais do que duplicou em relação a 1980.

Com uma comunidade suíça de cerca de 200.000 pessoas, a França é o país que atrai a maioria dos expatriados suíços. De acordo com os dados mais recentes da Secretaria Federal de Estatísticas, 3982 suíços se estabeleceram na França no ano passado. Em seguida, vem a Alemanha, que atraiu 2667 imigrantes suíços, em um total de 86.774 expatriados suíços no final de 2015.

chart

Hoje, as pessoas viajam muito por várias razões: turismo, laços de família, estudo, trabalho, explicou Gianni D'Amato, diretor do Fórum Suíço de Estudo sobre Migração e População, durante o Congresso dos Suíços do Estrangeiro que aconteceu recentemente em Berna.

A maioria dos suíços que decidem emigrar são jovens. A média etária é de 33 anos para mulheres e 35 anos para os homens, observou ainda Gianni D'Amato. O professor da Universidade de Neuchâtel também ressaltou que os aposentados representam 7% das pessoas que deixam a Suíça.

De acordo com um estudo realizado por Philippe Wanner, professor do Instituto de Demografia e Socioeconomia da Universidade de Genebra, uma boa parte dos emigrantes suíços vêm de áreas urbanas de Zurique, Genebra, Lausanne, Berna e Basileia.

Você deixou a Suíça para outro país? Conte-nos um pouco sua experiência nos comentários abaixo.


Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

×