Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

terapias complementares


Suíça legitima a homeopatia


Por swissinfo.ch com agências


 Outras línguas: 4  Línguas: 4

O Ministério da Saúde anunciou reconhecer cinco terapias da medicina alternativa, entre elas a homeopatia, concedendo a elas o mesmo status da medicina convencional.

O ministério decidiu conceder às cinco terapias o benefício da dúvida (Keystone)

O ministério decidiu conceder às cinco terapias o benefício da dúvida

(Keystone)

Homeopatia, medicina holística, fitoterapia, acupuntura e medicina chinesa tradicional irão adquirir o mesmo status que a medicina convencional até maio de 2017, quando serão inteiramente cobertas pelo seguro de saúde obrigatório.

Depois de serem rejeitadas pelas autoridades em 2005, por falta de provas científicas da eficácia, essas terapias voltaram a ser debatidas em 2009, quando dois terços dos suíços apoiaram a inclusão delas na lista oficial dos serviços de saúde pagos pelo seguro obrigatório.

Como resultado da votação, esses tratamentos estão sendo cobertos pelo seguro básico obrigatório durante um período experimental de seis anos, de 2012 a 2017. No entanto, todas elas foram obrigadas a provar sua "eficácia, custo-eficácia e adequação" até 2017.

Em um comunicado divulgado na terça-feira (29), o Ministério da Saúde conclui ser "impossível apresentar essas provas na sua totalidade".

Elas irão, portanto, ser tratadas em pé de igualdade com outras disciplinas médicas, quando se trata de seguro de saúde.

O ministério planeja continuar permitindo o reembolso das despesas de tratamento pelo seguro de saúde obrigatório, desde que sejam administradas por médicos certificados.

No entanto, como é a prática na medicina convencional, certas práticas controversas dessas terapias alternativas serão submetidas a uma análise mais aprofundada. O ministério iniciou um processo de consulta - aberto até 30 de junho de 2016 - sobre a proposta de modificação da lei.


swissinfo.ch

×

Destaque