Direto para o contenido
Your browser is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this websites. Learn how to update your browser[Fechar]

Van portuguesa


Uma viagem barata que custou 12 vidas


Por swissinfo.ch com agências


O motorista da van envolvida no acidente que causou a morte de doze passageiros portugueses quinta-feira em Allier, França, ainda está internado em uma clínica psiquiátrica. Os corpos das vítimas foram repatriados nesta terça-feira para Portugal.

A van, que fazia transporte "low cost" de passageiros entre a Suíça e Portugal, bateu de frente com um camião na França. (Keystone)

A van, que fazia transporte "low cost" de passageiros entre a Suíça e Portugal, bateu de frente com um camião na França.

(Keystone)

"Houve a fase da emergência. Agora é a hora da investigação". Quatro dias após a terrível colisão frontal entre uma van vinda de Romont, no cantão de Friburgo (oeste), e um camião italiano na autoestrada RN 79, no departamento francês de Allier, o promotor de Moulins (França), Pierre Gagnoud, declarou à imprensa os primeiros elementos da investigação.

O acidente matou doze portugueses, com idades entre 7 e 62 anos. Nove moravam no cantão de Friburgo, três no vizinho cantão de Vaud. Todos haviam embarcado em um veículo registado em Portugal para passar o feriado da Páscoa no país. As malas estavam em um trailer puxado pela van. Só o jovem motorista sobreviveu.

Ultrapassagem perigosa

Para o magistrado francês, a hipótese de uma ultrapassagem perigosa é a mais provável, o trecho, limitado a 90 km/h, sendo uma área autorizada à ultrapassagem.

Problemas mecânicos, de saúde ou de alguém ter adormecido no volante já foram excluídos. O motorista italiano do camião diz que a van fez uma ultrapassagem perigosa. Na reta, de mão dupla, há muito pouco espaço para se evitar um obstáculo na estrada. As autoridades francesas lançaram um apelo a testemunhas para encontrar os veículos ultrapassados.

As autoridades francesas abriram um inquérito por homicídio involuntário causado pelo motorista do veículo, acompanhado de circunstâncias agravantes, no caso pôr em risco a vida dos outros e o fato do motorista não estar autorizado a conduzir transportes de passageiros. Se condenado, o jovem português pode pegar até 10 anos de prisão.

Sob custódia

As autoridades pretendem interrogar ainda esta semana o rapaz e seu tio, dono da operadora de viagens que o acompanhava em outro carro. Os dois foram transferidos para uma instituição psiquiátrica e não estão autorizados a deixar a França.

Os investigadores irão reconstruir o interior da van, uma Mercedes Sprinter que normalmente não se destina a transportar pessoas, para determinar se a adaptação do veículo estava em ordem ou se tratava de uma improvisação ilegal.

As doze vítimas não foram autopsiadas, apesar da morte violenta, para que seus corpos fossem restituídos o mais rápido possível aos familiares em Portugal.

swissinfo.ch com agências

Direitos Autorais

Todos os direitos reservados. O conteúdo do site da swissinfo.ch é protegido por direitos autorais. Ele é destinado apenas para uso privado. Qualquer outro uso do conteúdo do site além do uso acima estipulado, especialmente no que diz respeito à distribuição, modificação, transmissão, armazenagem e cópia, requer a autorização prévia por escrito da swissinfo.ch. Caso você esteja interessado em algum desses tipos de uso do conteúdo do site, entre em contato conosco através do endereço contact@swissinfo.ch.

No que diz respeito ao uso para fins privados, só é permitido o uso de hyperlink para um conteúdo específico e para colocá-lo no seu próprio site ou em um site de terceiros. O conteúdo do site da swissinfo.ch só poderá ser incorporado em um ambiente livre de publicidade sem quaisquer modificações. Especificamente aplicável a todos os softwares, pastas, dados e seus respectivos conteúdos disponibilizados para download no site da swissinfo.ch, uma licença básica, não exclusiva e não transferível é concedida de forma restrita a um único download e gravação de tais dados em dispositivos privados. Todos os outros direitos permanecem sendo de propriedade da swissinfo.ch. Em especial, proíbe-se qualquer venda ou uso comercial desses dados.

×