Navigation

2011: a Europa sob o fardo da dívida

Italianos saem às ruas em Turim para protestar contra as medidas de economia impostas pelo governo. Keystone

Planos de ajuda, cortes de despesas, protestos, governos que caem: a crise da dívida soberana abala a Europa e as repercussões são sentidas na Suíça.

Este conteúdo foi publicado em 28. dezembro 2011 - 12:14
swissinfo.ch

Para o economista suíço Mauro Baranzini, a única saída é restaurar a competitividade dos países mediterrâneos. Entrevista swissinfo.ch

Ao anunciar as medidas de austeridade do novo governo italiano em 4 de dezembro, a ministra do Trabalho, Esla Fornero, começou a chorar. Uma cena simbólica que ilustra os sacrifícios impostos à população dos países mais atingidos pela crise da dívida. Os membros da União Europeia multiplicam encontros de cúpula, mas não se sabe ainda como eles conseguirão evitar o contágio e salvar a zona euro. A próxima data "fatídica" é a cúpula europeia de 1° e 2 de março próximo.

Para analisar a situação econômica do continente e as perspectivas na Suíça, swissinfo.ch entrevistou Mauro Baranzini, professor de economia na Universidade da Suíça Italiana. 

swissinfo.ch: É possível que a Europa entre em recessão? 

Mauro Baranzini: Provavelmente sim em alguns países europeus, especialmente os que são confrontados a cortes drásticos das despesas públicas. Para o ano próximo, o KOF (Centro de Pesquisas Conjunturais da Escola Politécnica Federal de Zurique) prevê um aumento do PIB de 0,6% para o conjunto dos países da UE. Mas esse crescimento deve-se, sobretudo, à Alemanha, onde deve chegar a mais de 2%. Para a França, Itália e o Reino Unido esperamos, em comparação, uma taxa de crescimento ligeiramente negativa.

Em 2011, apenas a Alemanha e alguns países pequenos conseguiram se sair bem. A Alemanha conseguiu conter o déficit a 1% do seu PIB e registrou um excedente de mais de 5% da sua conta corrente, isto é, da balança comercial e a dos serviços. Já a França apresentou um déficit de 6,5% em relação ao seu PIB e uma balança de -2,4% da sua conta corrente.

swissinfo.ch: A crise da dívida continua a pesar sobre as perspectivas econômicas na Europa. O que o senhor pensa das medidas de rigor e controle de déficit aprovadas em 9 de dezembro de 2011 em Bruxelas por 26 países europeus? 

M. B.: As medidas, que prevêm uma redução do déficit em médio prazo, são boas, pelo menos no papel. Mas elas não fazem mais do que resolver o problema do endividamento que, atualmente, é apenas insuportável para a Grécia. De fato, a Espanha e Portugal não têm uma grande dívida pública. Também na Itália o endividamento não é algo assustador, mesmo se já chega a 120% do PIB. Assustador é a recessão que está chegando e a perda de competitividade da economia italiana.

Acho que o principal problema dos países mediterrâneos está justamente ligado a sua forte perda de competitividade desde que eles adotaram o euro, em janeiro de 2002. Esses países não conseguem mais exportar como antes e acumulam, ano após ano, fortes déficits de conta corrente. A Itália, por exemplo, tinha ainda um excedente de mais de 4% no início dos anos 1990, enquanto que este caiu agora a -4%.

swissinfo.ch: Quais as soluções que o senhor recomendaria para aumentar a competitividade desses países? 

M. B.: Dada a situação atual, uma solução seria manter uma zona euro para os países que passam por problemas consideráveis de competitividade, uma zona que poderia englobar até mesmo a França. A Alemanha e alguns outros países que eu definiria como "virtuosos" - como a Holanda e a Áustria - poderiam, ao invés, abandonar o euro para criar uma nova zona, digamos uma zona "marco" (do marco alemão, a antiga moeda germânica).

Dessa forma poderíamos contornar o veto imposto pela Alemanha ao Banco Central Europeu de emitir moeda para resolver os problemas de liquidez dos países europeus. A partir de um euro mais fraco, essas nações poderiam impulsionar suas exportações e encontrar as condições necessárias para o seu desenvolvimento. Não podemos esquecer que eles já haviam demonstrado no passado uma grande capacidade de crescimento.

swissinfo.ch: Essa opção parece ser a falência do grande projeto do euro. Em sua opinião, ela seria viável, politicamente? 

M. B.: Essa solução parece difícil, mas talvez seja a menos pior para salvar a coesão da União Europeia. Nos próximos anos, os políticos serão confrontados em todo caso a questões fundamentais para o futuro da Europa.

Será, por exemplo, estabelecer quais sacrifícios a Alemanha e outras nações "virtuosas" estarão dispostas a fazer para manter a grande zona euro atual. É preciso saber se o contribuinte alemão está disposto a colocar na mesa 500 bilhões de euros ou até mais para ajudar as economias em dificuldade.

swissinfo.ch: Até que ponto a crise da dívida soberana e as tendências de recessão no interior da UE vão pesar sobre a evolução econômica na Suíça? 

M. B.: A economia suíça, como prevê o KOF, deverá se contentar com um crescimento muito fraco neste ano, mas ela não deverá entrar em recessão. A Suíça, nos últimos anos, já conseguiu diversificar bastante suas exportações para os Estados Unidos, China, Japão e outros países do extremo oriente. São muitos países com os quais ela tem um balanço comercial positivo.

swissinfo.ch: Como é que a Suíça consegue se sair melhor do que muitos outros países? 

M. B.: Em primeiro lugar, é precisamente devido à sua capacidade de diversificação. Pois a pequena Suíça consegue reagir mais rapidamente do que outros países às dificuldades que surgem inesperadamente.

Em segundo lugar, e isso não é a menor das razões, suas finanças públicas são bastante sólidas e permitem ao Estado manter baixo o nível de impostos. Não podemos esquecer que, por exemplo, o imposto sobre circulação de mercadorias é de aproximadamente 8% na Suíça, enquanto que outros países vizinhos têm entre 20 a 24%.

swissinfo.ch: A taxa de câmbio de 1 euro por 1.20 francos, imposta desde setembro de 2011 pelo Banco Nacional Suíço, seria suficiente para apoiar as exportações suíças no futuro? 

M. B.: Acho que sim. Apesar do enfraquecimento do euro, as exportações suíças aumentaram em 10% durante os dez primeiros meses de 2011, em termos de volume. Em termos de volumes de negócios, o aumento foi de apenas 2%, mas é um bom resultado levando-se em conta o contexto atual. Temos setores que continuam em boa situação: a relojoaria, mas também a indústria de máquinas de precisão, a indústria farmacêutica, a indústria química, os serviços bancários e as seguradoras. O euro a 1.20 francos parece atualmente a corresponder ao compromisso helvético habitual e justo.

Previsões para a Suíça

Crescimento ou diminuição em % do PIB em relação ao ano anterior:

Secretaria de Estado para a Economia (SECO): +1,8 em 2011 / +0,5 em 2012

Banco Cnetral Suíço: +1,5-2,0 / +0,5

Credit Suisse (banco): +1,9 / +0,5

UBS (banco): +1,7 / +0,4

KOF Zurich: +1,8 / +0,2

BAK Basileia: +1,8 / +0,4

Créa Lausanne: +0,7 / -0,4

Economiesuisse: +2 / +0,5

Fundo Monetário Internacional (FMI): +2,1 / +1,4

End of insertion

Mauro Baranzini

Nasceu em 31 de agosto de 1944 na cidade de Bellinzona (sul).  Mauro Baranzini tem um título de doutorado em economia pela Universidade de Friburgo.

De 1976 à 1987: professor de economia na Universidade de Oxford.

De 1987 à 1997: professor de economia na Universidade de Verona, Itália.

De 1997 até hoje: professor de economia na Universidade da Suíça Italiana em Lugano (sul).

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?