A pandemia já afeta as votações de setembro

Mãos para cima: eleitores em um posto de votação na comuna de Zollikon, cantão de Zurique, em julho deste ano. Keystone / Ennio Leanza

O coronavírus jogou a Suíça - como a maioria dos países - em uma nova realidade, inclusive no âmbito da política. Com cinco questões a serem submetidas à votação nacional em setembro, a pandemia influenciou em graus variados a prática da votação e da campanha, bem como as atitudes dos eleitores em relação às questões em pauta.

Este conteúdo foi publicado em 30. julho 2020 - 16:23

O Parlamento encurtou sua sessão de primavera quando a pandemia rebentou, incapaz de garantir o distanciamento social. O governo federal assumiu o controle da resposta à crise, só recentemente devolvendo o poder aos cantões. E as votações nacionais, planejadas para maio, foram adiadas.

Agora que a prática democrática das votações regulares deverá ser retomada em 27 de setembro, até que ponto a Covid-19 continuará a pairar sobre o processo e os resultados?  

A organização: tudo sob controle

A Chancelaria Federal, responsável pela coordenação das votações nacionais, faz apenas duas breves menções ao Covid-19 nas instruções oficiais que enviou às autoridades cantonais em 1º de julho.

Ela afirma que os cantões devem garantir que o material de votação postal seja enviado aos suíços que vivem fora do país o mais rápido possível, já que "os despachos no exterior podem demorar mais tempo para chegar, devido à pandemia". Em seguida, diz simplesmente que as regras de higiene e distanciamento social devem ser observadas quando se trata de organizar as votações.

Beat Furrer, da Chancelaria Federal, diz que as diretrizes esparsas foram acordadas após consulta aos cantões em junho. "Se o número de casos se estabilizar e as medidas de proteção forem mantidas nos níveis atuais, então os cantões não viram nenhum risco ou desafio significativo no que diz respeito à implementação adequada da votação", diz ele.

Mesmo antes da pandemia, ele acrescenta, 90% dos votos em muitos cantões foram submetidos por correio em todo caso - algo que não será muito afetado pelas medidas da Covid-19.

Em nível cantonal, Alexander Locher do Departamento de Justiça de Zurique diz que ainda é muito cedo para prever como será a situação do vírus em setembro. Como muitas coisas hoje em dia, é necessário ver como os números evoluem. O cantão de Berna anunciou que ainda não havia terminado de planejar se alguma medida especial deveria ser tomada.

Entretanto, no pequeno cantão de Glarus, um sistema de votação único exige medidas únicas: em sua próxima assembléia ao ar livre - uma votação pública com a presença de até 9.000 cidadãos - as máscaras serão obrigatórias, e todos os participantes terão sua temperatura tomada. Se a temperatura for superior a 38°C, eles serão convidados a voltar para casa.

A campanha: nem tão oportunista

Quanto à campanha, a vida política encontra-se atualmente bastante tranquila na Suíça; as férias de verão estão aí, as cidades estão um tanto vazias e mal se vê qualquer cartaz de propaganda nas ruas de Berna.

Mark Balsiger, um experiente observador de votações que agora dirige a campanha "Courage Civil" contra a próxima iniciativa de limitar a imigração proveniente da União Européia, diz que isso é normal - os debates começarão a esquentar em meados de agosto, antes de atingir o pico no início de setembro, diz ele.

Mas embora tenha havido um aumento maciço no consumo da mídia durante a pandemia, Balsiger diz que a atenção das pessoas tem estado muito concentrada na doença e em suas contramedidas, em vez das questões para votação em setembro.

Isto pode significar que os cidadãos estão menos conscientes dos riscos, especialmente quando se trata da iniciativa anti-imigração, diz ele.

Balsiger se lembra da decisão histórica de 1992 - quando a Suíça rejeitou por pouco a adesão ao Espaço Econômico Europeu - e em 2014, quando outra ideia anti-imigração foi aprovada por pouco. Em ambas as ocasiões, a campanha e a cobertura da mídia haviam se intensificado muito antes das votações, o que atraiu grande participação - especialmente em 1992.

No entanto, ele e sua equipe estão mantendo, em grande parte, sua abordagem habitual de campanha. A Suíça não é um país de comícios, e o método continua sendo principalmente de promoção digital, campanhas de e-mail direcionadas e cartazes colocados em locais públicos como estações de trem - nada que o Covid-19 afete.

Balsiger também não planeja usar o Covid-19 como um gancho. A pandemia e a falta de cobertura da mídia "não beneficiou nenhum dos lados mais do que o outro", conclui ele - e não precisa ser uma questão importante. O governo, que relançou sua campanha contra a iniciativa em junho, também está concentrando seu argumento na importância dos laços econômicos entre a Suíça e a UE.

E até agora, aqueles a favor da iniciativa também não se agarraram maciçamente à Covid-19 como um argumento.

O Partido Popular Suíço, de direita, e o principal patrocinador da ideia, tem mantido até agora a justificativa de querer evitar a superpopulação. A pandemia não é mencionada em nenhum dos 15 principais argumentos do partido para a iniciativa.

A Organização por uma Suíça Independente e Neutra, o outro principal grupo que apoia a votação, faz apenas uma menção ao Covid-19 em seu website. Ela conclui que a "crise do coronavírus" (aspas deles) mostra claramente como a situação de livre circulação com a UE é "a abordagem errada".

Os eleitores: pandemia na mente

Se o vírus não é (ainda) uma grande plataforma de campanha, isso não quer dizer que não tenha um impacto no humor e no comportamento dos eleitores.

O analista político Nenad Stojanović se pergunta se uma nova "sensação de insegurança" aumentará as chances de os eleitores aceitarem a compra  de novos caças para a força aérea, no valor de CHF 6 bilhões, também em votação em 27 de setembro. Ele também considera que o confinamento aumentou a importância - real e simbólica - das fronteiras para a população. "Poderíamos assim facilmente imaginar que a iniciativa [de imigração] tenha uma chance melhor em setembro do que tinha em maio", escreve ele.

Mas ele também diz que a súbita retração das fronteiras abertas nesta primavera pode ter destacado os benefícios da livre circulação, com muitos eleitores talvez mais propensos a ver a ideia do Partido do Povo como um passo atrás. Eles também podem estar desconfiados de fazer qualquer coisa para prejudicar a economia em um momento tão sensível.

Stefanie Walter, uma professora da Universidade de Zurique, concorda com esta segunda hipótese.

Como parte de seu projeto "Política de desintegração de massa", ela pesquisou a população suíça antes e durante o Covid-19 e descobriu que o apoio à iniciativa perdeu terreno durante a pandemia. Em novembro de 2019, a relação pró/contra era de 40,3% versus 59,7%; em maio de 2020, ela havia se ampliado para 37,6 versus 62,4%.

Walter diz que não está claro se a Covid-19 teve uma influência direta nos resultados.  Entretanto, ela indica que os suíços estão felizes com seu governo (82,1% dizem que sim) e como ele lidou com a pandemia. Eles também continuam bastante satisfeitos com a economia (62,1%), apesar do impacto do confinamento. Portanto, quando se trata de Europa, a pesquisadora espera que os eleitores estejam atentos a grandes mudanças.

"A crise tem destacado que as pessoas gostam do status quo" e "estão felizes com o que têm", diz Walter - observações apoiadas por pesquisas psicológicas feitas durante a pandemia, que constataram que as emoções positivas de satisfação e gratidão entre a população aumentaram mais fortemente do que os sentimentos negativos de impotência e medo.

Walter acredita que quando se trata da Europa, tudo isso sugere que "os suíços não querem queimar a ponte para um status quo que até agora tem funcionado fantasticamente para eles".

Balsiger, o estrategista de campanha, está na mesma página - literalmente. Os cartazes que sua equipe revelou na semana passada apresentam a imagem de uma ponte ferroviária sombria e em colapso, sob o slogan "quebrando pontes para a Europa? Não!".

Junto com grande parte do campo anti-anti-imigração, ele aposta nos eleitores reforçando o pragmatismo suíço e a aversão à mudanças durante a pandemia. "Por causa do Covid-19, não há tempo para experimentação", diz ele.

Partilhar este artigo